0

PF apura fraude em licitações em aeroportos

Os alvos são agentes públicos ligados à Infraero e empresários favorecidos pelo esquema

21 out 2020
12h15
atualizado às 12h18
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Um esquema de fraude na Infraero envolvendo a licitação de áreas comerciais em dois dos principais aeroportos do país, Congonhas e Santos Dumont, era alvo nesta quarta-feira de uma operação da Polícia Federal, que cumpria 19 mandados de busca e apreensão em cinco Estados e no Distrito Federal, informou a PF.

Área do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro
20/05/2020
REUTERS/Ricardo Moraes
Área do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro 20/05/2020 REUTERS/Ricardo Moraes
Foto: Reuters

Os alvos são agentes públicos ligados à Infraero e empresários favorecidos pelo esquema.

As fraudes podem ter chegado a 10 milhões de reais. O esquema teria ocorrido entre 2016 e 2018, segundo as investigações.

Empresários e empresas seriam favorecidas para ganhar espaços de alimentação e quiosques nos dois terminais em troca de pagamento de vantagens.

"Consistiam em fraudar licitações das áreas 'lounge' e quiosques de alimentação nos aeroportos de Congonhas em São Paulo, e Santos Dumont, no Rio de Janeiro, subavaliando essas áreas e desqualificando dos certames empresas que não estivessem associadas ao grupo. Assim, permitia-se a contratação de propostas menos vantajosas para a Infraero em fraudes estimadas em cerca de 10 milhões de reais", disse a PF.

Denúncias foram feitas ao Ministério da Infraestrutura e começaram a ser apuradas internamente, inclusive pela própria Infraero.

Os envolvidos poderão responder pelos crimes de associação criminosa, corrupção, violação de sigilo funcional e crimes licitatórios.

Procurada, a Infraero não se manifestou de imediato sobre a operação.

Veja também:

Fome em Porto Iguaçu: A situação é pior do que se vê nos vídeos
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade