PUBLICIDADE

IPVA 2024 começa a vencer em 11 de janeiro em SP; veja calendário

O governo do estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz), divulgou as datas nesta quarta-feira, 6

6 dez 2023 - 09h58
(atualizado às 10h11)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução/iStock/Grafissimo

O governo do estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz), divulgou nesta quarta-feira, 6, o calendário de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) de 2024. O calendário de vencimento varia de acordo com o final da placa dos veículos.

O IPVA 2024 começa a vencer no dia 11 de janeiro, quando contribuintes podem pagar o imposto em cota única e receber desconto de 3%. Já em fevereiro o valor pode ser pago integralmente, sem desconto. Há também a opção de parcelar o tributo em até cinco vezes (nos meses de janeiro, fevereiro, março, abril e maio), de acordo com o final da placa do veículo.

Como pagar o IPVA?

O pagamento poderá ser feito por Pix, onde será permitido o recolhimento do valor por meio de QR Code, com validade de 15 minutos. Para usar essa modalidade, é preciso entrar na página do IPVA no portal da Sefaz-SP, informar os dados do veículo, e gerar o código.

Também é possível pagar pela rede bancária autorizada, como a Renavam (Registro Nacional de Veículo Automotor), ou com cartão de crédito em empresas credenciadas.

Qual o calendário de pagamento do IPVA?

  • Para automóveis, camionetas, caminhonetes, ônibus, micro-ônibus, motos e similares
Foto: Reprodução/Sefaz-SP
  • Para caminhões e caminhões-tratores
Foto: Reprodução/Sefaz-SP

Qual o destino do valor arrecadado com o IPVA?

De acordo com o governo, o IPVA é uma das principais fontes de arrecadação para o Estado de São Paulo. Do total arrecadado, são descontadas as destinações constitucionais (como o Fundeb) e o valor restante é repartido.

Metade vai para os municípios de registro dos veículos, que devem corresponder ao local de domicílio ou residência dos respectivos proprietários, e a outra metade fica com o Estado. No âmbito estadual, a verba é direcionada para diversas áreas como Saúde, Educação, Segurança Pública e Infraestrutura.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade