PUBLICIDADE

Guedes: Bolsonaro deve anunciar mais 3 meses de auxílio

Ministro da Economia disse que o País está saindo da recuperação cíclica para uma recuperação sustentável, puxada por investimentos

23 jun 2021 12h44
ver comentários
Publicidade
Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de evento no Palácio do Planalto
19/08/2020
REUTERS/Adriano Machado
Ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de evento no Palácio do Planalto 19/08/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, deve anunciar ainda nesta semana a renovação por mais três meses do auxílio emergencial, até outubro. Ele repetiu que a 'retomada em V' da economia brasileira já ocorreu e que, agora, o País está saindo da recuperação cíclica para uma recuperação sustentável, puxada por investimentos.

Guedes também reafirmou que vão ser anunciados o Bônus de Inclusão Produtiva (BIP) e o Bônus de Incentivo à Qualificação (BIQ), que devem criar dois milhões de empregos para jovens, os que mais têm sofrido com o desemprego.

Segundo Guedes, com a mudança na presidência da Câmara e do Senado, as reformas estão andando muito rápido. Ele citou o marco do saneamento, a Lei do Gás e a autonomia do Banco Central.

O ministro disse que espera que o Supremo Tribunal Federal (STF) ratifique a decisão do Congresso quanto à autonomia do BC, pois isso impede que o "choque setorial e transitório de energia e comida" vire inflação permanente.

Afirmou ainda que "vão vir as bandeiras" de energia para evitar o racionamento lá na frente em meio à crise hídrica. "Nossa inflação deu um salto justamente por choque de energia e alimentos. Nos EUA, o núcleo da inflação exclui comida e energia", comentou o ministro, participante de uma live com Josué Gomes e Rafael Cervone, candidatos, em chapa única, à presidência e à primeira vice-presidência da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), respectivamente.

Gomes e Cervone são apoiados pelo atual presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que fez, em seu discurso inicial, campanha para os dois.

O caráter eleitoral também ficou claro nas primeiras declarações de Gomes e Cervone, que convocaram os industriais paulistas à votação, que ocorre dia 5 de julho.

Estadão
Publicidade
Publicidade