PUBLICIDADE

Executivo da UE mantém previsão de crescimento da zona do euro para 2024 e corta estimativa de inflação

15 mai 2024 - 08h39
Compartilhar
Exibir comentários

A Comissão Europeia manteve, nesta quarta-feira, sua previsão de crescimento da zona do euro de fevereiro para este ano, mas disse que a inflação provavelmente desacelerará mais rapidamente em direção à meta do banco central.

Em sua previsão regular para os 27 países da União Europeia e para os 20 países que compartilham o euro, a Comissão confirmou sua previsão de fevereiro de que a economia da zona do euro deverá expandir 0,8% este ano, em vez de 1,2% esperado em novembro passado.

Essa seria a mesma taxa de crescimento que a do Japão, mais rápida que os 0,5% do Reino Unido, mas três vezes mais lenta que os 2,4% previstos para os Estados Unidos.

Mas alertou que a incerteza e riscos negativos aumentaram ainda mais nos últimos meses devido à evolução da prolongada guerra da Rússia contra a Ucrânia e ao conflito no Oriente Médio.

A expansão da zona do euro está sendo prejudicada principalmente pela maior economia da Europa, a Alemanha, que praticamente não crescerá este ano, expandindo apenas 0,1% após uma recessão de 0,3% em 2023 e crescendo 1,0% em 2025. Em novembro, a Comissão esperava que o Produto Interno Bruto da Alemanha aumentasse 0,8% em 2024 e 1,2% em 2025.

A Comissão também prevê que a segunda maior economia, a França, crescerá apenas 0,7% este ano, em vez de 1,2% como previsto em novembro, e crescerá 1,3%, em vez de 1,4%, em 2025.

No próximo ano, é provável que a expansão da zona do euro acelere para 1,4%, mas isso ainda seria menor do que a taxa de 1,6% prevista em novembro e que a de 1,5% previsto em fevereiro.

A inflação ao consumidor, que o Banco Central Europeu quer manter em 2,0% no médio prazo, deve desacelerar para 2,5% este ano, de 5,4% no ano passado, e depois para 2,1% em 2025. Em fevereiro, a Comissão previu que a inflação desaceleraria para 2,7% este ano e, em novembro, esperava 3,2%.

Mas a velocidade da desinflação também está sujeita a incertezas, segundo a Comissão.

"O declínio da inflação pode ser mais lento do que o projetado, possivelmente levando os bancos centrais da UE a adiar os cortes nos juros, até que o declínio na inflação de serviços se firme", disse a Comissão.

"Além disso, alguns Estados membros podem adotar medidas adicionais de consolidação fiscal em seus orçamentos para 2025 - não consideradas atualmente nesta previsão - o que poderia afetar o crescimento econômico no próximo ano", afirmou.

A consolidação orçamentária deste ano provavelmente será um pouco menos ambiciosa na zona do euro do que o previsto em novembro e a dívida pública provavelmente permanecerá inalterada em 2024 em relação a 2023 em 90,0% do PIB, disse a Comissão.

O déficit orçamentário agregado da zona do euro em 2024 deve cair para 3,0% do PIB - o teto da UE de acordo com suas regras fiscais - e diminuir ainda mais para 2,8% em 2025. Em novembro, a Comissão esperava que a consolidação fiscal fosse mais ambiciosa, com a redução do déficit agregado para 2,8% já em 2024.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade