0

Empresas miram perfil 4.0, mas pouco investem em treinamento

Companhias querem profissionais inovadores, mas não apostam no aprimoramento dos seus colaboradores

12 ago 2019
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários

A demanda por profissionais que tenham familiaridade com o ambiente digital está em alta no mercado brasileiro. Pesquisa feita com 102 empresas pela consultoria Talenses, em parceria com a escola Digital House, mostra que 88% das companhias que operam no país buscam profissionais com habilidades digitais e conhecimentos em áreas como inteligência artificial, internet das coisas e programação - fundamentais no contexto da indústria 4.0.

Foto: Gerd Altmann / Pixabay

Entre os setores analisados, o comércio lidera a busca por esse tipo de colaborador, com 92% de suas companhias à procura desse perfil, seguido por indústria (91%) e serviços (89%). No entanto, a pesquisa também aponta que as mesmas empresas não têm investido na capacitação de seus funcionários. Apesar do avanço tecnológico, menos da metade oferece treinamentos e bolsas de estudo aos colaboradores.

Neste sentido, a indústria aparece atrás dos outros segmentos. Apenas 29% das companhias na área oferecem treinamentos, enquanto 26% pagam bolsas de estudo. O setor de comércio é o que mais investe nesse quesito, com 50% das empresas promovendo treinamentos e 33% fornecendo bolsas de estudo (confira o quadro completo abaixo).

Pesquisa Paradigma Digital.
Pesquisa Paradigma Digital.
Foto: Pesquisa Paradigma Digital / Reprodução

A falta de investimento na formação dos colaboradores ajuda a explicar a escassez de mão de obra qualificada na área. O levantamento revela que, conforme o nível hierárquico dentro da empresa sobe, mais difícil fica para recrutar profissionais digitais. Para 65% das companhias entrevistadas, o cargo de gerente é o mais complicado de ser preenchido, seguido por especialista (62%), coordenador (55%), analista sênior (40%), analista pleno (15%) e analista júnior (10%).

Esses números podem ser explicados, em parte, por uma questão geracional. Os estágios iniciais de carreira são ocupados por pessoas mais jovens e familiarizadas com o ambiente digital, facilitando o recrutamento para esses cargos. Em postos de gerência, geralmente destinados a profissionais mais experientes, a dificuldade em achar pessoas com vasto conhecimento na área é maior.

Na opinião do diretor acadêmico da Digital House, Edney Souza, as empresas erram ao optar por esse caminho. “As companhias acham que vão contratar um profissional experiente que já esteja pronto para encarar os desafios do meio digital, mas isso não é uma realidade”, analisa. “Elas acreditam que o ideal é contratar alguém de fora, quando, muitas vezes, a solução está dentro de casa. Se elas treinassem um profissional que já tem conhecimento do negócio, o ganho de produtividade seria muito maior.”

Edney Souza, diretor acadêmico da Digital House.
Edney Souza, diretor acadêmico da Digital House.
Foto: Divulgação

Para o CEO da Talenses, Luiz Valente, o primeiro passo que as empresas precisam tomar para iniciar a jornada digital é sair da inércia e criar um grupo de trabalho para discutir, com a alta liderança, oportunidades relacionadas ao uso da tecnologia. “Além disso, é preciso envolver a direção em treinamentos de conceitos digitais.”

Luiz Valente, CEO da Talenses.
Luiz Valente, CEO da Talenses.
Foto: Divulgação.

O que os profissionais devem fazer para se adaptar?

A pesquisa também mostra quais são as principais características que as empresas enxergam em um profissional digital. O termo inovador é o mais citado, com 13% das companhias apontando-o como mais importante, com destaque também para aprendizado contínuo (11%) e facilidade em se adaptar (10%) – confira a lista completa abaixo.

Pesquisa Paradigma Digital.
Pesquisa Paradigma Digital.
Foto: Reprodução / Pesquisa Paradigma Digital

No ranking de profissionais digitais mais requisitados pelo mercado, os analistas de dados lideram. Eles são os funcionários mais procurados por 13% das empresas, seguidos por analistas de marketing (10%), cientistas de dados (9%) e especialistas na experiência do consumidor (9%) – abaixo, a lista completa.

Pesquisa Paradigma Digital.
Pesquisa Paradigma Digital.
Foto: Reprodução / Pesquisa Paradigma Digital

Luiz Valente afirma que as pessoas com interesse de se reinventar profissionalmente e seguir carreira no ambiente digital precisam correr atrás de cursos o mais rápido possível. “Também é preciso conviver mais tempo com profissionais do meio e perceber quais comportamentos são mais bem sucedidos”, analisa. “Acredito que, nesse sentido, ter curiosidade e sede de aprendizado são habilidades indispensáveis para ter sucesso na área. Estamos assistindo ao surgimento de coisas novas todos os dias.”

Veja também:

 

Fonte: Equipe portal
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade