PUBLICIDADE

Efeito Milei derruba exportações para a Argentina, mas não impede Brasil de ter receita recorde

No primeiro semestre deste ano, vendas brasileiras ao país vizinho caíram 37,6%; receitas no período, porém, somaram US$ 167,6 bi, superando recorde da balança de 2023

7 jul 2024 - 18h40
(atualizado às 18h56)
Compartilhar
Exibir comentários

As exportações brasileiras para a Argentina, um dos principais parceiros comerciais do País, caíram 37,6% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período de 2023. Só no mês de junho os embarques para o país vizinho encolheram 50,6%, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic).

O menor apetite argentino por produtos nacionais, porém, não impediu que o valor exportado pelo Brasil no primeiro semestre deste ano fosse o maior da série histórica. As receitas neste ano somaram US$ 167,6 bilhões até agora, superando o recorde da balança de igual período de 2023, de US$ 165,2 bilhões.

Em entrevista à imprensa na última quinta-feira, 4, o diretor de Planejamento e Inteligência Comercial do Mdic, Herlon Brandão, reconheceu que o mau momento econômico argentino prejudicou as exportações brasileiras, mas salientou que houve surpresas positivas com os embarques de outros itens e para outros destinos. Ele enumerou, por exemplo, o crescimento das exportações de petróleo, minério de ferro, açúcar e melaço e de celulose, que sustentaram as vendas recordes ao longo dos primeiros seis meses deste ano.

Item que mais deixou de ser exportado na comparação com 2023 foi a soja, segundo o Mdic
Item que mais deixou de ser exportado na comparação com 2023 foi a soja, segundo o Mdic
Foto: Clayton de Souza/Estadão / Estadão

Parte significativa das perdas veio de setores ligados à indústria de transformação, segundo o Mdic. A exportação de partes e acessórios para veículos, por exemplo, caiu 26% em relação ao ano passado. No segmento de automóveis de passageiros, a queda foi de 14%. Também houve recuos importantes nas exportações de motores de pistão e suas partes (-24%), máquinas e aparelhos elétricos (-12%), calçados (-29%) e pneus (-36%).

O item que mais deixou de ser exportado na comparação com 2023, porém, foi a soja, cujos embarques contraíram 96%, uma perda de US$ 1,49 bilhão, segundo o Mdic. O movimento refletiu a normalização da produção da soja argentina, que sofreu com eventos climáticos adversos no ano passado, o que forçou o país a importar a commodity do Brasil.

Fator Milei

Embora a moderação dos embarques de produtos brasileiros para a Argentina seja uma tendência nos últimos anos, o cenário foi agravado pelas medidas econômicas do presidente Javier Milei, que desaqueceram a atividade econômica no país, avaliam especialistas consultados pelo Estadão/Broadcast. No primeiro trimestre do ano, por exemplo, o Produto Interno Bruto (PIB) argentino recuou 5,1%.

"Quando você corta de maneira muito abrupta o gasto público, que é um componente importante do PIB, como fez o Milei, você traz recessão", detalha o economista da CM Capital, Matheus Pizzani. "Uma recessão abrupta assim abala a confiança e atravanca também o comércio com o Brasil", emenda.

Além do desaquecimento da atividade, a Argentina também sofre há alguns anos com a escassez de dólares para realizar pagamentos, o que também prejudica o comércio bilateral com o Brasil, conforme pontua o economista-chefe da Análise Econômica, André Galhardo. "Com menos liquidez internacional, a Argentina deve se limitar a importar aquilo que é primeira necessidade. E deixar de ter déficit comercial com países como o Brasil, para gerar superávits e ganhar dólares", detalha o economista.

Para o presidente da Associação da Câmara de Comércio Exterior (AEB), José Augusto de Castro, a expectativa para este ano é justamente que o Brasil volte a registrar déficit comercial com a Argentina, ou seja, importar mais produtos do país vizinho do que exportar. "Em condições normais, essa relação é superavitária para o Brasil", diz Castro.

Segundo o Mdic, as exportações brasileiras para a Argentina no primeiro semestre somaram US$ 5,882 bilhões, abaixo do valor total importado, de US$ 6,073 bilhões. A última vez que a relação anual com o país não foi superavitária para o Brasil foi em 2021, quando as importações superaram as exportações em US$ 70,0 milhões.

A Anfavea, associação que representa montadoras, por sua vez, reconhece que houve perda de poder da Argentina enquanto consumidora de automóveis produzidos no Brasil, mas considera que esse momento de "ajuste" e "aperto de cintos" em 2024 já era esperado, dado o impacto que as medidas de Milei produziram sobre o país. "A nossa preocupação maior hoje, nas exportações, vem de quedas ou perda de share de mercado em outros países, que vinham bem, como Colômbia, Chile e México", disse a entidade, em nota enviada ao Estadão/Broadcast.

A associação reforça ainda que a participação da Argentina na compra de veículos brasileiro já vem caindo há tempos. "O comércio com a Argentina já respondeu por 70% das nossas exportações, hoje é algo entre 20% e 30%."

Recuperação não deve ocorrer no curto prazo

Para Galhardo, da Análise Econômica, o "choque" promovido pela administração Milei é bastante duro e por isso ele questiona quanto tempo a Argentina poderá suportar uma atividade tão depreciada. Um alívio nas políticas de austeridade à frente, prevê, poderia contribuir para a retomada das exportações brasileiras para o vizinho.

"Mas é provável que ao longo dos próximos dois anos essa tendência não mude", diz Galhardo, que ressalta, contudo, que o cenário geral é de incerteza com os próximos passos da economia argentina. "De qualquer forma, vai demorar para eles reassumirem aquele papel de destaque nas exportações brasileiras das últimas décadas", reforça.

Já Castro, da AEB, aponta que o que pode "salvar" a economia argentina no curto prazo é algum choque positivo na cotação internacional de commodities que o país exporta, como soja, milho, trigo e carnes. Isso aumentaria as reservas internacionais argentinas e traria alguma estabilidade à economia. "A necessidade de produção de superávits comerciais na Argentina deve se manter nos próximos anos. Uma elevação no preço das commodities poderia ajudar, porque, do contrário, a Argentina deve seguir cortando suas importações", reflete Castro.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade