PUBLICIDADE

Como Aracy da TopTherm superou imitações, se tornou voz icônica do merchan e mantém relevância de negócio

Empresária de 77 anos é conhecida pelas propagandas da iogurteira e do suplemento de Ômega 3 da empresa fundada na década de 1990

6 dez 2023 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Aracy Wolf
Aracy Wolf
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Empresária, mãe, esposa e avó são algumas das muitas faces de Aracy Wolf, mas é a sua voz inconfundível que a transformou em ícone e ‘rainha do merchan do Brasil’. Aos 77 anos, ela é presença marcante na TV há mais de duas décadas, anunciando produtos em programas ao vivo da Record TV, do SBT e da Rede TV, como a voz 'oficial' da iogurteira e do suplemento alimentar de Ômega 3, ambos da TopTherm.

A fama de Aracy transcendeu o espaço publicitário. Ela faz parte da cultura popular, com memes, figurinhas e imitações da empresária feita por famosos e anônimos circulando pelas redes sociais. Uma história pessoal que mistura empreendedorismo, família e uma dose de resiliência para lidar com as críticas negativas, e deboche sobre o seu timbre de voz singular.

“Eu recebo diariamente imitações. Até o Carioca [humorista] já me imitou na minha frente. Eu não me importo. O que eu não gosto é de coisa maldosa, mas se é algo brincando e que fica bom, eu chego a mandar Ômega 3 [um dos principais suplementos vendidos pela sua empresa] para a pessoa e falo para ela lembrar de mostrar o produto na hora que gravar”, conta Aracy, em entrevista ao Terra.

O produto é um dos carros-chefes da TopTherm, fundada na década de 1990 ao lado de seu marido, Gerhard M. Wolf, de 82 anos, e que hoje conta com aproximadamente 450 colaboradores e um centro de armazenamento e distribuição de 3 mil metros localizado em Santana do Parnaíba (SP).

Pouco dinheiro e jogo de cintura

A dona da voz famosa é também uma ‘estrela acidental'. A escolha de Aracy para divulgar a iogurteira TopTherm, em 1994, no programa Note & Anote, na Record TV, estrelado por Ana Maria Braga, ocorreu por acaso.

Seu marido Wolf chegou a apresentar as inserções dos produtos por um mês na atração. O empresário, aliás, é quem desenvolveu a iogurteira, após muitas tentativas de fazer um saboroso iogurte natural de forma rápida e funcional para a família de seis: ele, esposa e as quatro filhas - Nara, Eliana, Luciana e Ana Cristina. O investimento era contado.

"Tudo feito com muita dificuldade, com pouco dinheiro. Ele fazia a propaganda, saia e ia verificar os pedidos feitos na secretaria eletrônica; depois ele mesmo fazia as entregas", relembra Aracy

A outra opção foi convidar a primogênita do casal, Cristina, para a função. Lá, ela ficou por um ano. Depois que teve o primeiro filho, Mateus, deixou o posto e nada parecia dar certo até que Wolf 'convidou' a esposa.

"Ele falou para mim: ‘Bem, vai você, acho que com você vai dar certo’. Eu não queria ir e falei: 'Vai ser um horror, porque sou tímida, não gosto’. Fui tremendo, morrendo de vergonha e explodiu de vender. Acho que o povo viu em mim uma pessoa mais normal, que não era uma apresentadora de verdade e acabou gostando [de mim]”, explica. 

Apoio de Ana Maria Braga

A vergonha em frente às câmeras não durou muito tempo. "A gente perde a vergonha rápido", conta aos risos. O motivo é simples: a maratona de entradas ao vivo e de gravações era intensa. "Eu ia todos os dias lá [estúdios da Record TV para participar do Note & Anote]. Em uns três meses, eu já não tinha mais vergonha", relembra.

Enquanto as vendas aumentavam, as críticas sobre a voz de Aracy chegavam do público e, às vezes, dos bastidores da TV. Ela reconhece que mais de uma vez ficou abalada. Em um desabafo com Ana Maria, porém, ela encontrou apoio e força para lidar com os comentários.

"Eu recebia uma enxurrada de criticas, até hoje tem gente que fala que minha voz é insuportável. Mas volta e meia eu escutava: 'Como pode um empresário colocar uma pessoa assim para fazer propaganda?'. Às vezes, eu ia ao salão da Record e as pessoas diziam para mim que fulano falou que a minha voz era feia. Eu falei para a Ana Maria que ficava triste e chateada com os comentários. A Ana ficou brava comigo e disse que quem se expõe recebe crítica ou elogio: 'Se você não faz nada, não recebe nada'", relembra. 

Desde então, ela não parou mais. E é justamente graças a sua voz que ela é reconhecida no País. “Uma vez eu estava quietinha em uma loja, no shopping, ninguém me reconheceu, mas na hora que a vendedora pediu o meu CPF e eu comecei a falar todo mundo virou e disse ‘é a Aracy da TopTherm’”, conta.

O trabalho e a vovó Aracy

Em uma idade que muitos gostariam de já estar aposentados, Aracy Wolf segue ativa, gravando os merchans para TV e redes sociais. A rotina, no entanto, já não é mesma de 20 anos atrás, não por falta de pique, mas por escolha.

Durante décadas, ela explica que não "tirava férias ou tinha sequer um segundo para pensar". Agora, ela opta por dividir melhor o tempo entre a família e o trabalho.

Aracy Wolf durante participação em programa de TV
Aracy Wolf durante participação em programa de TV
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Natural de Presidente Venceslau, interior de São Paulo, Aracy chegou a trabalhar por três anos como modelo para uma loja da cidade e depois como professora. O último ofício ela também exerceu em São Paulo, quando se mudou para a capital paulista em 1975, com as quatro filhas, para acompanhar o marido.

Para ela, trabalhar é uma forma de se sentir realizada. "Eu sempre digo como é importante a gente se sentir realizada, a mulher produzir, trabalhar. É importantíssimo inclusive para o relacionamento. O meu conselho para todas que querem empreender é que não esperem nada cair do céu. Saiam para a luta. Outro dia eu li uma mensagem que dizia: ‘quanto mais eu trabalho, mais eu percebo que tenho sorte’ e eu concordo com isso."

De todas as funções que Aracy já desempenhou, ela garante que a sua preferida é a maternidade. “Sou a mãe e a avó mais coruja que existe na Terra”. Mãe de quatro filhas e avó de sete netos - a mais velha tem 29 anos e a mais nova 11 -, ela explica que é "uma verdadeira apaixonada pelo marido, filhas, netos e genros".

"A Aracy de agora sente uma alegria imensa toda noite quando vou dormir e penso como todos estão bem e com saúde”, completa.

Do merchan para a Sapucaí?

Há alguns anos, Aracy Wolf revelou em entrevista que ainda não tinha realizado um ‘grande sonho’ em sua vida. E qual era o desejo? Desfilar em uma escola de samba. Ao ser questionada pela reportagem se já colocou em ação o sonho, ela ri e explica que já mudou de ideia. "Não desfilei. Mas, no ano passado, uma escola de samba me convidou para ser homenageada. Quando eu vi o valor que teria de pagar, mudei de ideia", explica.

Ela continua gostando de carnaval, mas assim como já indica o seu perfil no Instagram, com mais de 115 mil seguidores, o que ela deseja mesmo é continuar viajando com família para "conhecer o mundo" e, quem sabe, finalmente visitar o Japão.

Aos 77 anos, Aracy garante que tem muita disposição e, se depender da 'genética familiar', certamente vai viajar por muitos anos. "Sou de uma família que vive muito, minha mãe tem 96 anos e meu avó 104 anos. Todos vivem mais de 90 anos", celebra.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade