PUBLICIDADE

Bolsonaro entregará pessoalmente ao Congresso MP do auxílio

Ainda não foi definida a data para a entrega do texto, que vai liberar a nova rodada do benefício; pagamentos devem começar em abril

17 mar 2021
11h08 atualizado às 11h26
0comentários
11h08 atualizado às 11h26
Publicidade

O presidente Jair Bolsonaro apresentará, pessoalmente, ao Congresso Nacional mensagem que encaminha medida provisória (MP) sobre o auxílio emergencial, segundo a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom). Na nota, a Secom diz que a data e o horário da entrega serão informados oportunamente.

Antes de liberar uma nova rodada de auxílio emergencial a vulneráveis durante a pandemia de covid-19, o presidente da República precisa editar uma medida provisória para definir regras e critérios da concessão e uma outra para abrir o crédito para os pagamentos, limitado ao montante de R$ 44 bilhões, conforme determinou a PEC emergencial, promulgada esta semana e que permitiu a concessão do novo auxílio.

A liberação do benefício depende de operacionalização do Poder Executivo e, segundo o Estadão apurou, os pagamentos só devem começar de fato em abril. Na nova rodada, o desenho prevê quatro parcelas mensais de R$ 150 para famílias de uma pessoa só, R$ 250 para a média das famílias e R$ 375 para mulheres que são únicas provedoras da família. O governo prevê contemplar cerca de 46 milhões de pessoas.

Como mostrou o Estadão/Broadcast, a maior parte do público do auxílio emergencial deve receber a menor cota do benefício, no valor de R$ 150. Serão cerca de 20 milhões de famílias na categoria "unipessoal", isto é, composta por uma única pessoa. O número representa 43% do total.

Outras 16,7 milhões de famílias têm mais de um integrante e vão receber R$ 250. Já a maior cota, de R$ 375, deve ser paga a cerca de 9,3 milhões de mulheres que são as únicas provedoras de suas famílias.

Presidente Jair Bolsonaro em Brasília
10/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Jair Bolsonaro em Brasília 10/03/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

 

Estadão
Publicidade
Publicidade