PUBLICIDADE

Aumenta o número de negócios no mercado pet pós-pandemia

3 jul 2022 - 01h30
Ver comentários
Foto: Tran Mau Tri Tam / Unsplash

A pandemia da Covid-19 trouxe um período de muita preocupação e cuidado para os lares brasileiros, mas por outro lado, a adoção de pets dobrou no Brasil, o que faz do país o terceiro principal mercado pet do mundo, segundo a pesquisa do IPB, Instituto Pet Brasil. O que foi um ótimo ponto para a economia, porque essa área cresceu de uma maneira que nunca tinha acontecido antes. 

A adoção foi outro fato que se destacou durante a pandemia. A principal porta de entrada dos animais de estimação nas famílias brasileiras foi por meio da adoção ou como um presente, de acordo com os dados coletados pela Comac (Comissão de Animais de Companhia). A pesquisa revelou que 84% dos gatos e 54% dos cães são frutos de adoção. No Brasil, também é comum os tutores receberem os animais de presente. É o que aponta a porcentagem de caninos (44%) e de felinos (31%), que foram presenteados.

Logo, o mercado para animais de estimação está crescendo cada vez mais, chegando ao faturamento de 50 bilhões de reais, de acordo com o IPB (Instituto Pet Brasil). O que torna o mercado como um dos melhores para se investir no país.

Aumenta o investimento na  saúde dos animais

Um levantamento a partir de dados do Caged (cadastro geral de empregados e desempregados), aponta que entre 2019 e 2021, a área de veterinária apresentou um aumento de 46,5%, sendo o melhor desempenho do ranking de emprego do país, que mostra em segundo lugar, atividades técnicas com crescimento de 27,6%. Preocupação e maior investimento na alimentação e na saúde dos animais, foram alguns dos fatores que ajudaram a impulsionar o setor.

Todo esse destaque do setor, não para por aí, ainda podemos esperar um crescimento nos próximos anos desse mercado, por se tratar de um negócio com propósito e em constante expansão. Quem possui animal de estimação, gosta de cuidar e tratar o pet da melhor forma, porque esses já são considerados membros da família pelo vínculo de amizade. Segundo dados da consultoria Frost & Sullivan (serviços empresariais), o mercado pet atingirá até o final do ano de 2025, US$ 1,56 trilhões. 

Mesmo com as dificuldades impostas pela crise que surgiram com a pandemia, as famílias não deixaram de cuidar do pet e as relações vêm se aprofundando. Nos últimos anos, os tutores passaram a investir mais em produtos e serviços para cuidados e bem-estar deles, desde sessões estéticas e hospedagem em hotéis para animais, e até mesmo em artigos de moda. 

Como especialista na área de pet, afirmo que para quem quer empreender no segmento, o momento é agora, pois é uma área que está em crescimento e um ramo satisfatório por abordar uma missão especial. 

(*) Lisandro Corazza é CEO da Upvet, rede de manipulação veterinária.

Homework Homework
Publicidade
Publicidade