0

Arrecadação do governo recua e tem pior julho desde 2010

25 ago 2017
16h18
atualizado às 16h48
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
No acumulado do ano, a arrecadação federal somou R$ 816,188 bilhões, queda de 7,45%
No acumulado do ano, a arrecadação federal somou R$ 816,188 bilhões, queda de 7,45%
Foto: Agência Brasil

A arrecadação do governo federal caiu 0,34% em julho, em termos reais, na comparação com igual mês de 2016, para R$ 109,948 bilhões, divulgou a Receita Federal nesta sexta-feira, no pior resultado para o mês desde 2010.

Pesquisa Reuters com analistas mostrou que a expectativa era de que a arrecadação somaria R$ 110 bilhões no mês passado.

Em julho, pesou no resultado a queda de 18,60% na arrecadação do Imposto de Renda Pessoa Jurídica/Contribuição Social Sobre Lucro Líquido na comparação com o mesmo mês de 2016

No mesmo período, houve redução também, de 4,07%, na arrecadação de Cofins/Pis-Pasep.

Por outro lado, as altas mais expressivas foram observadas na arrecadação de IPI (avanço de 16,36%) e no Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF)-Rendimentos do Trabalho (alta de 12,42%).

No acumulado de janeiro a julho, a arrecadação subiu 0,61%, já descontada a inflação, a R$ 758,5 bilhões.

O governo vem enfrentando dificuldades para colocar as contas públicas em ordem, após dois anos seguidos de recessão que afetaram a arrecadação e com aumento de gastos. Para este ano e o próximo, as metas de déficit primário foram pioradas a R$ 159 bilhões para cada um.

Dentre as propostas para aumentar a arrecadação estão o refinanciamento de débitos tributários (Refis), a reoneração da folha de pagamento de empresas e a elevação da contribuição previdenciária de funcionários públicos, matérias que dependem da aprovação do Congresso Nacional.

Veja também:

Chuva deve perdurar ao longo de toda a semana no Paraná, segundo Simepar
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade