PUBLICIDADE
URGENTE
Saiba como doar qualquer valor para o PIX oficial do Rio Grande do Sul

Ações europeias reduzem perdas com diminuição do nervosismo geopolítico; L'Oreal avança

19 abr 2024 - 13h40
Compartilhar
Exibir comentários

As ações europeias fecharam em queda nesta sexta-feira, mas acima da mínima intradiária de mais de um mês, já que a ansiedade em torno da escalada das tensões no Oriente Médio pareceu diminuir, enquanto a gigante francesa de cosméticos L'Oreal registrou seu melhor dia desde o início de janeiro após resultados robustos.

O STOXX 600, que abrange todo o continente, fechou em queda de 0,1%, mas registrou seu maior declínio semanal, de 1,2%, desde meados de janeiro, devido ao foco renovado nas tensões geopolíticas, que afastaram os investidores dos ativos de risco, e a perdas das ações de tecnologia.

Explosões ecoaram sobre uma cidade iraniana no que fontes descreveram como um ataque israelense, mas Teerã minimizou o incidente e indicou que não tinha planos de retaliação.

"A retaliação israelense foi menos severa do que se temia e, até o momento, parece que o Irã entendeu a resposta mais limitada como um sinal de que a retórica precisa ser reduzida e que ambos os lados devem recuar", disse Stuart Cole, economista-chefe da Equiti Capital.

"Mas o mercado permanecerá cauteloso, pois nada pode ser dado como certo."

Quanto aos balanços corporativos, a L'Oreal saltou 5% depois de superar as expectativas com um forte aumento nas vendas do primeiro trimestre.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,24%, a 7.895,85 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 0,56%, a 17.737,36 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,01%, a 8.022,41 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 0,12%, a 33.922,16 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,33%, a 10.729,50 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,51%, a 6.295,12 pontos.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade