0
TV

Marcius Melhem se pronuncia sobre acusações de assédio na Globo

'Mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem', afirmou humorista em seu Twitter

25 out 2020
14h33
atualizado em 26/10/2020 às 19h01
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Marcius Melhem publicou um pronunciamento sobre as acusações de assédio sexual e moral que recebeu no período em que trabalhava na Globo.

As primeiras denúncias surgiram no fim de 2019, e foram negadas por ele. Em março de 2020, ele se afastou do comando do humor da emissora, e também de suas funções como roteirista e ator, alegando a necessidade de acompanhar tratamento de saúde de sua filha.

O período inicial de licença seria de quatro meses. Em vez de retornar, porém, Marcius Melhem teve seu contrato com a emissora encerrado após 17 anos.

As acusações de assédio não foram citadas no comunicado oficial, que destacou "novas dinâmicas de parceria com atores e criadores em suas múltiplas plataformas" e citou o artista como "importante contribuição para a renovação do humor" na emissora.

O pronunciamento do humorista foi feito em seu Twitter, após reportagem da Folha, publicada no último sábado, 24, que trouxe entrevista com a advogada Mayra Cotta, que assessora um grupo de artistas que endossam as acusações contra Marcius Melhem.

"Houve um comportamento recorrente, de trancar mulheres em espaços e as tentar agarrar, contra a vontade delas. De insistir e ficar mandando mensagem, inclusive de teor sexual, para mulheres que ele decidia se iam ser escaladas ou não para trabalhar, se ia ter cena ou não para elas. De prejudicar as carreiras de mulheres que o rejeitaram. De ficar obcecado, perseguindo, mesmo. Foi um constrangimento sistemático e insistente, muito recorrente", afirmou ela à publicação.

Segundo Mayra, seriam seis vítimas de assédio sexual e outras vítimas de assédio moral por parte de Melhem.

O humorista usou a rede social para publicar um texto dando sua versão dos fatos: "Culpados e inocentes dizem a mesma coisa. 'Sou inocente'. 'Vou provar na Justiça'. Por isso, qualquer coisa que eu diga, pode soar falsa de cara".

"Estou disposto a reconhecer meus erros, pedir desculpas e, se possível, reparar pessoas que eu tenha de qualquer forma magoado. Quero enfrentar isso com verdade e humanidade e me expor se for preciso".

Marcius Melhem afirma que busca "fazer jus a todos esses anos em que pautas como as do feminismo foram abraçadas pelo humor transformador em que eu acredito."

"Mas, mesmo abraçando profissionalmente a causa feminista, ainda combato o machismo dentro de mim, erro, posso ter relações que magoem. Tento melhorar e aprender. E queria muito falar sobre isso", prossegue.

"Mas, diante de acusações tão graves, que de forma alguma cometi, o que eu posso fazer? Negar. Coloco à disposição toda minha comunicação que tenho arquivada, com qualquer pessoa que tenha trabalhado ou se relacionado comigo nesses anos."

Melhem sugere que pessoas com quem trabalhou sejam ouvidas e negou que tenha 'fugido' após as denúncias: "Tive que sair do País para um importante tratamento médico da minha filha e não acreditei quando essa viagem passou a ser divulgada como uma fuga."

"Jamais seria capaz de 'emparedar' alguém à força", rebateu, em referência ao comentário feito pela advogada de que praticaria violências como "agarrar, colocá-las contra a parede, tentar beijar à força".

Até hoje eu fiquei calado porque as acusações não apareceram aqui fora. No compliance da Globo, tudo foi apurado e investigado rigorosamente", continuou, afirmando que saiu pela "porta da frente" do canal.

"Quero que tudo seja colocado às claras, expor a minha inocência e os meus erros. Quero poder pedir desculpas e cobrar responsabilidades. Vou em busca da verdade", concluiu.

Confira abaixo o posicionamento de Marcius Melhem sobre as acusações de assério sexual e moral na Globo:

Confira abaixo a íntegra do posicionamento da Globo sobre o caso.

"A Globo não comenta assuntos da área de compliance, mas reafirma que todo relato de assédio, moral ou sexual, é apurado criteriosamente assim que a empresa toma conhecimento.

A Globo não tolera comportamentos abusivos em suas equipes e, neste sentido, mantém um canal aberto para denúncias de violação às regras do Código de Ética do Grupo Globo.

Por esse Código, assumimos o compromisso de sigilo do processo, assim como o de investigar, não fazer comentários sobre as apurações e tomar as medidas cabíveis, que podem ir de uma advertência até o desligamento do colaborador. Mesmo nas hipóteses de desligamento, as razões de compliance não são tornadas públicas.

Somos muito criteriosos para que os estilos de gestão estejam adequados aos comportamentos e posturas que a Globo quer incentivar e para que as medidas adotadas estejam de acordo com o que foi apurado. Não foi diferente nesse caso.

Isso não quer dizer que os processos de compliance sejam estáticos. Ao contrário. Eles evoluem constantemente para acompanhar as discussões da sociedade.

As práticas e as avaliações são revistas o tempo inteiro, assim como são propostas e acolhidas sugestões de melhoria nos mecanismos de comunicação interna. A própria sociedade está se transformando e a empresa acompanha esse processo".

Marcelo Adnet, colega de Marcius Melhem em projetos como o Tá no Ar, usou o Twitter para comentar a repercussão da reportagem sobre as denúncias, declarando "todo apoio e solidariedade às vítimas".

*Atualizada às 19h00 do dia 26 de outubro de 2020.

Veja também:

Bom dia, Verônica: elenco discute violência doméstica
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade