PUBLICIDADE

Falta às novelas atuais um amor como o de Sassá e Clotilde

Romantismo visto em ‘O Salvador da Pátria’, de 1989, reprisada no Viva, mostra por que tramas emocionavam tanto o público

14 jun 2021 08h19
ver comentários
Publicidade

“Não vai embora”, escreve Sassá Mutema, com erros de ortografia, na lousa da escola de alfabetização de adultos. O boia-fria tenta persuadir Clotilde a desistir de deixar às pressas a cidade de Tangará.

“Eu amava como amava um sonhador...”: ‘Lua e Flor’, cantada por Oswaldo Montenegro, era trilha de Sassá e Clotilde e embalou muitos casais na vida real
“Eu amava como amava um sonhador...”: ‘Lua e Flor’, cantada por Oswaldo Montenegro, era trilha de Sassá e Clotilde e embalou muitos casais na vida real
Foto: Acervo/TV Globo

É o apelo de um homem apaixonado que fez um desajeitado pedido de casamento. Constrangida, a professora quer partir para não dar esperança ao matuto e, ao mesmo tempo, fugir do sentimento recíproco abafado.

A principal história de amor de ‘O Salvador da Pátria’ capturou o público em 1989 e, agora, repete o encantamento em quem acompanha a reprise no canal Viva. Como não torcer por casal tão improvável e, surpreendentemente, tão crível? A magia da teledramaturgia se faz presente.

Mérito do autor Lauro César Muniz e da interpretação tocante de Lima Duarte e Maitê Proença. Apesar do permanente choque de realidade no qual vivemos hoje, a gente embarca sem esforço na antiga saga romântica que corre em paralelo ao forte contexto político do folhetim.

Impossível não ter empatia pelo fantasioso Sassá e seu amor inicialmente não correspondido. Quem nunca? Não há como deixar de se colocar no lugar de Clotilde em seu dilema por uma paixão considerada inapropriada e até proibida.

Entre os dois há abismos quase intransponíveis, a começar pela diferença cultural e a visão de mundo. Apesar de próximos, são de realidades distintas. Um casal vulnerável a vários tipos de julgamentos e preconceitos.

“A senhora gosta de ieu?”: o simplório Sassá sofreu muito até ter o final feliz com sua professora Clotilde
“A senhora gosta de ieu?”: o simplório Sassá sofreu muito até ter o final feliz com sua professora Clotilde
Foto: Acervo/TV Globo

Por isso mesmo, o telespectador se dispõe a defendê-los à espera de um final feliz. O viés do amor impossível que cresce diante das adversidades sempre impulsionou o gênero mais popular de ficção na TV.

O avanço do tempo e a modernidade fizeram muitos novelistas priorizar tramas sobre disputa de dinheiro e vingança. O romantismo passou a ser visto como cafona e pouco atrativo. Engano deles. Uma história de amor verossímil e envolvente nunca perde a força.

As novelas atuais carecem de paixões arrebatadoras. Tudo é tão ágil e superficial para prender a atenção do público que não se desenvolvem os sentimentos profundos dos personagens. Ainda bem que temos as reprises com amores que servem de adoçante à vida real.

Em tempo: a química entre Lima Duarte e Maitê Proença foi tão forte nas gravações que o ator se apaixonou de verdade, e sofreu por não ter sido correspondido. Na época, ele tinha 59 anos; ela, 31.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade