2 eventos ao vivo

Paixão do brasileiro por novelas diminui, mas nunca acabará

Teledramaturgia ainda é muito vista apesar de já não empolgar tanto o público

26 mai 2017
17h23
  • separator
  • 0
  • comentários

Em ‘A Gata Comeu’, trama produzida em 1985 e recém-reprisada com ótima audiência no canal Viva, a doméstica Televina, interpretada pela atriz Kleber Macedo, era viciada em novela e nas notícias sobre os artistas.

Elisa, a sonhadora dona de casa vivida por Tássia Camargo em ‘Tieta’ (1989-1990), exibida atualmente no mesmo canal, usa a fantasia da televisão e o glamour das celebridades para colorir uma vida em sépia no sertão.

Jeiza (Paolla Oliveira) e Zeca (Marco Pigossi), um dos casais protagonistas de ‘A Força do Querer’
Jeiza (Paolla Oliveira) e Zeca (Marco Pigossi), um dos casais protagonistas de ‘A Força do Querer’
Foto: TV Globo/Divulgação / Sala de TV

Ainda que caricatas, as duas personagens representam a paixão do brasileiro pela telenovela e o uso que ele faz da ficção para se entreter. Os folhetins são quase terapêuticos: servem como escapismo diário para a dureza da vida real.

Todas as novelas no ar atualmente, na Globo, SBT, Record e Band apresentam audiência dentro da expectativa. Não há nenhum fracasso.

‘A Força do Querer’ se mantém no topo do ranking. O capítulo de segunda-feira (22) marcou média de 36.5 pontos, recorde desde a estreia.

Na reta final, ‘Rock Story’ tem ficado constantemente na casa dos 30 pontos. A trama das 18h, ‘Novo Mundo’, se mantém estável, com satisfatórios 23 pontos de média.

‘Carinha de Anjo’ e ‘O Rico e o Lázaro’ sofreram perda de público com a saída de SBT e Record de várias operadoras de TV paga. Mas ainda estão com média de 10 pontos, índice aceitável, ainda que abaixo do potencial das duas produções.

Na Band, a turca ‘Ezel’ tem 2.5 pontos no Ibope, número positivo para os padrões da emissora e na comparação com as antecessoras na mesma faixa.

Entre as muitas reprises, destaque para ‘Chiquititas’ (SBT) e ‘A Escrava Isaura’ (Record), ambas com 10 de média – a mesma audiência das inéditas desses canais.

Ainda que não haja nenhum fenômeno de popularidade entre as novelas atuais, como foram ‘Avenida Brasil’ (Globo, 2012) e ‘Os Dez Mandamentos’ (Record, 2015), o gênero ainda é bastante consumido na maioria dos lares brasileiros.

A telenovela faz parte do DNA da nossa televisão, assim como os seriados são a principal força da TV americana. Aqui, criou-se o hábito de manter o aparelho ligado mesmo quando a pessoa está fazendo outra atividade na casa.

O jantar de muita gente acontece ali, diante da TV: uma garfada na comida seguida de uma espiada nos romances e dramas de galãs e heroínas.

A televisão tem ainda a função de companhia. No Brasil, 15% da população são formados por pessoas que moram sozinhas. Muitas delas fazem das histórias das novelas um analgésico contra a solidão.

Pesquisa da GfK mostra que, na maioria das regiões do País, os telespectadores elegem o jornalismo como gênero preferido na TV.

Sinal do tempos: vivemos uma época de overdose de notícias, especialmente a respeito de política e corrupção. Todo mundo precisa se atualizar diariamente sobre os escândalos, as prisões, as delações, os julgamentos.

Contudo, a boa e velha novela, ainda que desgastada, ainda gera bem mais audiência e um faturamento milionário capaz de sustentar outros departamentos de uma emissora, inclusive o tão prestigiado jornalismo.

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade