PUBLICIDADE

'A Força do Querer' levou passionalidade que faltava às 21h

Novela acerta ao investir em romances tensos e ardentes bem ao gosto do público

12 jun 2017 - 15h39
(atualizado às 15h40)
Ver comentários

Os autores podem criar tramas mirabolantes. Mas o que prende mesmo a atenção do noveleiro é uma boa história de amor. Preferencialmente dramática e afrodisíaca.

Em ‘A Força do Querer’, de Gloria Perez, não faltam romances interessantes. A autora injetou dose abundante de passionalidade à faixa das 9 da noite, que estava carente de casais capazes de estimular a torcida do telespectador.

A policial e lutadora de MMA Jeiza (Paolla Oliveira) e o caminheiro galã-brucutu Zeca (Marco Pigossi) vivem como cão e gato. Passam o tempo todo a se testar: quem manda mais no outro? Quem é mais forte? O mais explosivo?

Há entre os atores aquela química – paixão no olhar, eletricidade no corpo – que se tornou cada vez mais rara na teledramaturgia. O público não precisa fazer força para acreditar no forte sentimento que os une – e, eventualmente, os separa.

Jeiza (Paolla Oliveira) e Zeca (Marco Pigossi): amor entre tapas e beijos esquenta o horário nobre da Globo
Jeiza (Paolla Oliveira) e Zeca (Marco Pigossi): amor entre tapas e beijos esquenta o horário nobre da Globo
Foto: TV Globo / Divulgação

Ritinha (Isis Valverde) e Ruy (Fiuk) apresentam o clássico romance com conflito de classes. A mocinha pobre, emergida de uma cultura ‘exótica’, desafia as convenções da família rica e sofisticada do bom moço. Como não sucumbir?

Isis, com aquele jeito brejeiro, conquistou não apenas o coração do herdeiro do clã como a simpatia do público de casa. Uma sereia irresistível a qualquer fã de uma personagem carismática, bem escrita e interpretada com vigor.

A autenticidade da moça, com doses pontuais de humor e até crítica social, a tornaram uma heroína contemporânea. Romântica e sonhadora, sim; mas nada boba.

O que escrever a respeito de Bibi? É um vulcão em forma de mulher. A (bela) personificação da passionalidade feminina.

Ama cegamente Rubinho (Emílio Dantas). Amor este que a faz não enxergar (ou admitir) a índole criminosa do marido.

Porém, quando a ficha cair, ela vai se mostrar ainda mais passional: se autotransformará em Bibi Perigosa, uma bandida cujo maior crime será amar demais, até o limite da ética.

E assim, com relacionamentos densos e tensos, paixão à flor da pele e impulsividade desmedida, ‘A Força do Querer’ enche a tela da TV com sentimentos tão humanos e saborosos ao paladar dos noveleiros.

Há dez semanas no ar, a trama está com 32 pontos de média no Ibope. Cinco a mais do que a antecessora, ‘A Lei do Amor’. Como se vê, bons romances ainda não fundamentais para se construir um sucesso de audiência.

Veja também

A Viagem de Fanny Trailer Legendado:

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade