PUBLICIDADE

Com metalinguagem, ‘Monstro’ faz crítica a punitivismo

Adaptação de obra homônima de Walter Myers marca estreia de Anthony Mandler em crítica à sistema judiciário e sociedade racista

11 mai 2021 09h00
ver comentários
Publicidade

O encarceramento no Brasil e no mundo tem cor. Só no nosso país, segundo dados divulgados em novembro de 2020 pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública, em 15 anos, a proporção de negros na prisão subiu 14%, enquanto a de brancos caiu 19%. Dois em cada três presos no Brasil são pretos. Não é de se surpreender, portanto, que o tema tenha capturado a atenção do diretor Anthony Mandler para Monstro.  

Kevin Harrison Jr. como Steve Harmon
Kevin Harrison Jr. como Steve Harmon
Foto: Netflix / Divulgação

No longa, um jovem adolescente preto talentoso se vê envolvido em um roubo seguido de morte e luta para provar sua inocência contra um sistema judiciário que já o condena. O filme marca a estreia de Mandler, já conhecido diretor de videoclipes dos Estados Unidos, e é uma adaptação no livro homônimo de Walter Dean Myers. Lançado no Festival Sundance de Cinema em 2018, Monstro está disponível para o público desde a última semana pela Netflix. O período não poderia ser mais propício. 

Em abril deste ano, o policial que matou George Floyd por sufocamento foi condenado, em maio, há poucos dias, o Rio de Janeiro foi palco para uma das mais sangrentas chacinas de sua história, durante operação policial na favela do Jazarezinho, zona norte da cidade. Não há consenso sobre o número de mortos, mas um terço das vítimas não era alvo de processos no Tribunal de Justiça. O corpo preto é sempre o alvo, independente de sua classe social. 

Nesse sentido, o filme de Mandler contribui com as discussões raciais que têm permeado o noticiário e nosso cotidiano. A partir de uma realidade de relativo privilégio, Steve Harmon (Kelvin Harrison Jr.) mostra que continua vítima de um sistema racista velado que já considera o preto culpado antes do julgamento. O que, claro, não é novidade. O que diferencia o trabalho do cineasta para os demais é como Anthony orientou a sua obra.

Monstro é uma metalinguagem. Como Steve é aspirante a cineasta, por vezes ele assume o papel de narrador para dividir com o público os sentimentos do cárcere. O filme não é contado de forma linear e conta com flashbacks que misturam alguns estilos de fotografia. Não é o ponto alto do longa, que dá lugar a sequências mais artísticas em vez de dar de se aprofundar em questões que dariam mais peso ao debate, como a ausência da perspectiva dos pais de Steve, brilhantemente interpretados por Jennifer Hudson e Jeffrey Wright

Jeffrey Wright e Jennifer Hudson em 'Monstro'
Jeffrey Wright e Jennifer Hudson em 'Monstro'
Foto: Netflix / Divulgação

Ainda assim, na medida em que se propõe questionar o olhar viciado quando escancara o racismo da sociedade e as falhas do sistema judiciário, Monstro traz uma interessante crítica sobre o punitivismo. 

Veja também:
 

Documentário de Dave Grohl mostra bastidores do rock:

 

Fonte: Equipe portal
Publicidade
Publicidade