PUBLICIDADE

Entrevista: cantor de ‘Bohemian Rhapsody’ se apresenta no Brasil

20 mai 2022 01h00
ver comentários
Publicidade
Marc Martel
Marc Martel
Foto: Crystal K. Martel / Divulgação

Neste final de semana, o vocalista que fez a voz de Freddie Mercury no filme que ganhou mais Oscars em 2019 (cinco) se apresenta em Porto Alegre, Rio de janeiro e São Paulo com seu tributo ao Queen, “The Ultimate Queen Celebration”.

Marc Martel é um artista canadense, que durante anos conduziu uma banda de rock cristão até que sua semelhança vocal com o frontman do Queen o levou por outros caminhos.

Em 2012, ele integrou o tributo conduzido pelo baterista original da banda, Queen Stravaganza. E desde 2017 leva a própria banda tributo pelo mundo.

A semelhança vocal e talento do vocalista levaram a compatriota famosa Celine Dion às lágrimas durante a performance de “Somebody to love” no programa canadense “En direct de l’Universe”.

No espetáculo que traz ao Brasil, hits como “Bohemian Rhapsody”, “We will rock you”, “We are the champions”, “Another one bites the dust”, ”Under Pressure” e”Crazy little thing called love”. Mas também há espaço para interpretações de clássicos como “Ave Maria” sozinho ao piano e a ária “Nessun dorma” no estilo vocal de Freddie Mercury. 

Antes de desembarcar no país, o artista contou o que esperar dos shows e algumas curiosidades de carreira.

Homework - Quando Freddie Mercury morreu, você tinha acabado de completar 15 anos. Você o admirava ou o seguia durante sua vida?
Marc Martel -
Não. Demorei muito para descobrir o trabalho de Freddie Mercury – especialmente considerando que sempre fui músico durante toda a minha vida. Na verdade, ouvi “Bohemian Rhapsody”  pela primeira vez no filme “Wayne's World”, um ano depois de sua morte. E foi só aos meus vinte e poucos anos que comecei a ouvir Queen.

Quando você descobriu que tinha talento para imitá-lo?
Quando minha antiga banda, Downhere, começou a fazer turnês no início dos anos 2000, as pessoas muitas vezes me comparavam a Freddie Mercury, não importava o que eu estivesse cantando. No começo, era um nome com o qual estava apenas vagamente familiarizado, porque não tinha ouvido Queen. E quanto mais minha voz amadureceu, mais constantes as comparações se tornaram, até o ponto em que alguns donos de estações de rádio admitiram que não podiam tocar nossa música porque seu público achava que o vocalista soava muito como Freddie Mercury. Estranho, eu sei! Então, chamar isso de emulação não é muito preciso. Eu compartilhei semelhanças vocais óbvias com Mercury, naturalmente, desde muito antes de ele ser uma influência musical para mim. Foi só quando as pessoas começaram a me dizer que soamos parecidos que eu descobri.

 Tendo um trabalho muito proeminente na música cristã, a sexualidade de Freddie Mercury ou sua “vida não exatamente cristã” atrapalharam você?
Para mim, o trabalho de tributo que faço é sobre a música e honrar seus criadores pelo trabalho duradouro que eles deram ao mundo para nós desfrutarmos. Nunca foi sobre glorificar indivíduos. É por isso que nunca me interessei em me vestir como Freddie Mercury, mas sempre me mantive no palco. Houve menos de um punhado de músicas do Queen que optei por não cantar, devido às letras serem ofensivas para algumas pessoas adoráveis que conheço. Mas, se eu adotasse a atitude que você descreveu em relação a Freddie Mercury, para ser consistente, teria que aplicar essa lógica a todos os artistas que escuto. Como cristão, acredito que não há ninguém perfeito, a não ser o próprio Jesus. No final, eu ficaria sem música! Muito triste.

Como você lida com o trabalho autoral e a produção de tributos?
Ao fazer uma boa homenagem, você deve levar em consideração as expectativas de seus fãs muito mais do que com material original. As pessoas vão principalmente para um show de tributo na esperança de experimentar algo que as transporta de volta para belos momentos e memórias em suas vidas. Se um artista brinca demais com a música, perde-se todo o sentido. É claro que Freddie Mercury, como criador da obra, mudava suas melodias o tempo todo nas apresentações ao vivo – seja para manter as coisas interessantes para ele e para o público, ou simplesmente um esforço para tornar a performance mais econômica para sua resistência vocal, não importa. De qualquer forma, o público estava experimentando o artista original. Por outro lado, a minha tarefa - como eu entendi - é encontrar um equilíbrio delicado entre o que Freddie fez ao vivo, mas também o que ele fez no estúdio, que é a versão das músicas com as quais as pessoas estão mais familiarizadas, de longe. Por exemplo, recentemente abrimos nosso show com uma versão rápida de “We Will Rock You”, que o próprio Queen fez muito. Mas para muitos fãs do Queen, e especialmente para os ouvintes casuais, essa versão da música não é muito conhecida. Então, como um tributo, estamos arriscando fazer com que nossos fãs sintam que estamos massacrando uma música que eles conhecem e amam, para não mencionar, confundi-los. Portanto, devemos constantemente pesar os prós e os contras de assumir tais riscos em uma situação de tributo. Ao apresentar minha própria música, muito disso é discutível. Há muito mais liberdade na execução de música original, sendo o autor dela.

Como é ser uma espécie de voz fantasma em uma das produções musicais de maior sucesso da história? Ou seja, ficar meio escondido diante de tantos holofotes e projeções.
Trabalhar em “Bohemian Rhapsody” foi um sonho tornado realidade. Meu papel no filme foi ajudar a fazer a “mágica de Hollywood” e convencer os espectadores de que eles estão vendo e ouvindo Freddie Mercury na tela. O fato de que nem minha esposa, nem meu empresário, conseguiram identificar todos os lugares em que minha voz foi usada, me diz que a missão foi cumprida com louvor. Eu nunca teria tido a oportunidade de trabalhar na maior cinebiografia de todos os tempos se não tivesse trabalhado com Queen no Queen Extravaganza, por vários anos liderando a produção do filme. Toda a experiência do filme foi gravy!

[“gravy”: algo maravilhoso e inesperado que veio como um bônus em cima de todas as outras grandes coisas ao longo dessa jornada com a música do Queen]

 Você tem alguma boa história envolvendo os membros do Queen e o eventual espanto ou surpresa que sua habilidade vocal causa?
Um dos meus momentos favoritos foi nos ensaios com o tributo oficial de Roger Taylor, Queen Extravaganza, em Montreal, em 2012. Roger foi muito prático e esteve presente durante todo o nosso mês de ensaios. Estávamos tocando “Under Pressure” e quando bati aquela nota bem alta na ponte, pude ver Roger no fundo da sala gritando “SIM!” e erguendo os braços em triunfo. Isso foi muito bom. E em uma ocasião, quando Queen + Adam Lambert tocou em Nashville, eu visitei a banda nos bastidores após o show. Brian me cumprimentou com um sorriso malicioso, dizendo: “Então, como foi ver alguém tocar sua música pela primeira vez?” Eu dei boas risadas com isso. Cara engraçado.

Você acha que tendo a possibilidade do alcance da voz de Freddie Mercury você conseguiria compor ou produzir música como se fosse ele? (Pergunto caso você já tenha pensado na experiência de tentar escrever uma nova música para o Queen, com você nos vocais)
As pessoas escrevem músicas no estilo do Queen o tempo todo. Muitos artistas tiveram grandes sucessos usando dispositivos que o Queen popularizou pela primeira vez na década de 1970. Claro que existem os elementos que as pessoas identificam como o “som da rainha”. Além da voz de Freddie, o tom de guitarra “Red Special” característico de Brian (May) e seu uso de harmonias de guitarra empilhadas, os hits de caixa de hi-hat soltos de Roger e grandes tom rolls bombásticos e, é claro, a maneira como Freddie, Roger e Brian empilharam suas vozes no estúdio. Tenho certeza de que qualquer artista de gravação poderia criar um fac-símile razoável de uma “nova música do Queen” usando esses dispositivos. Mas o único fator que falta é a contribuição criativa de seus membros originais. Infelizmente, todas as músicas do Queen já foram escritas. Mas para responder à sua pergunta de uma maneira diferente, o Queen certamente influenciou minha escrita por anos também. E é divertido sonhar acordado sobre como seria tocar um dos meus originais com Roger e Brian (e até John Deacon, enquanto estamos sonhando acordados!), e tê-los injetando seu toque pessoal. Isso seria divertido mesmo.

Qual é a sua história favorita até hoje nesta jornada desde Extravaganza?
Nenhuma história em particular me vem à mente, mas sim a vasta gama de experiências que tocar essa música em todo o mundo me proporcionou. Eu nunca imaginei até recentemente que soar como outro cantor tivesse o poder de me levar para a América do Sul, diante de dezenas de milhares de pessoas. Eu já vi muito do mundo por causa dessa música. Ainda muito mais para ver, com certeza. Mas vou dizer que algo pelo qual estou ansioso é voltar ao Reino Unido com minha banda, já que não volto desde meus anos com o Queen Extravaganza. Como inigualável no mundo é a energia e os decibéis das multidões sul-americanas, há algo especial em tocar o Queen na Inglaterra, na frente das pessoas que orgulhosamente chamam o Queen de seus próprios filhos.

AGENDA

Marc Martel “The Ultimate Queen Celebration”

Rio de Janeiro
20 de maio 2022, sexta
Horário: Show 22h
Local: Vivo Rio
Endereço: Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo.

São Paulo
22 de Maio de 2022, domingo
Horário: 20h
Local: Espaço das Americas
Endereço: Rua Tagipuru, 795 - Barra Funda.

(*) HOMEWORK inspira profissionais e empreendedores a trabalhar de um jeito mais inteligente, saudável, transformador. Nosso conteúdo impacta mais de 1 milhão de usuários únicos, todo mês. É publicado no Terra e compartilhado via redes sociais, WhatsApp e newsletter. Entre pra comunidade HOMEWORK!

Homework Homework
Publicidade
Publicidade