0

"É um bom momento para não colocar meu nome no Google", diz Miley Cyrus

25 set 2013
08h18
atualizado às 10h36
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Cantora de 20 anos na capa da Rolling Stone</p>
Cantora de 20 anos na capa da Rolling Stone
Foto: Divulgação

Nenhuma performance causou tanta polêmica nos últimos anos de VMA (Video Music Awards) quanto a de Miley Cyrus na edição de 2013 da premiação. Usando um biquíni de látex, a jovem de 22 anos dançou, pulou, mostrou a língua, rebolou, esfregou o bumbum em Robin Thicke. As críticas de internautas e especialistas foram imediatas. Brooke Shields, com quem ela contracenou nos tempos de Hanna Montana, a chamou de desesperada. Mas nada disso tem incomodado a cantora, que inicia uma fase mais madura na carreira.

"Acho que é um período importante para eu não colocar meu nome no Google", ela disse em entrevista à versão norte-americana da revista Rolling Stone, realizada apenas quatro dias após a tão falada performance. Ao mesmo tempo, no entanto, garantiu que em nenhum momento se incomodou com aqueles que classificaram a execução de We Can´t Stop na premiação como desastrosa. "Eu não estava tentando ser sexy. Se estivesse, teria sido. Posso dançar muito melhor do que aquilo", ela disse. 

Ainda assim, Cyrus admitiu que talvez a performance tenha tido mãos bobas demais. Mas lamentou o fato de ter sido o único alvo de críticas em relação a isso. "Ninguém falou sobre o sujeito por traz do bumbum. Houve muito de 'Miley se esfrega sexualmente em Robin Thick', mas nunca 'Robin agarra Miley'. Então, obviamente, houve um duplo critério". Além disso, as críticas parecem também ter sido frutos de algo cada vez mais patente na televisão como a conhecemos: a falta de bom senso em se avaliar o que pode ou não ser vetado. "Os EUA são muito estranhos na forma como pensam o que é certo e errado. Por exemplo, eu estava assistido (à série) Breaking Bad outro dia e poderia literalmente aprender a cozinhar metanfina graças ao programa. É uma verdadeira aula. E aí eles colocam um bipe para censurar a palavra 'foda'. Sério? Eles matam um cara, desintegram seu corpo com ácido, mas não é permitido falar 'foda'?", ela exemplificou. 

A performance é fruto de um plano maior na carreira de Cyrus. Com o objetivo de se livrar do manto de bom moça que adquiriu como queridinha da Walt Disney Company ao longo da adolescência, a cantora resolveu fazer drásticas mudanças profissionais. Antes de entrar em estúdio para gravar Bangerz, o primeiro disco de estúdio em três anos, cujo lançamento ocorre em outubro, fez uma limpa geral: trocou de empresário e de gravadora, cortou os cabelos e mudou completamente sua atitude. 

E os mais de dez anos de trabalho na mídia, sendo sete só na música e os milhões de seguidores deram rara confiança para uma jovem de apenas 20 anos, idade em que poucos possuem a experiência dela. Tanto que, apesar de ter um novo empresário - Larry Rudolph, o mesmo de Britney Spears -, é Cyrus quem mantém o controle de toda a sua carreira, mantendo distância inclusive de assessores, normalmente próximos para indicar o que se pode ou não fazer. Por isso, o momento atual, já solteira após o término do noivado com Liam Hemsworth, é de festejar, curtir a vida e fazer seu trabalho. "Andei muito com adultos quando era criança. Então não quero mais isso. Já fiz todo o trabalho pesado (para chegar onde chegou). Agora meio que taco o foda-se", ela disse. 

Tanto as críticas constantes não a incomodam que Cyrus gosta de enfatizar os problemas de colegas do meio e apontar suas falhas. É o caso de Justin Bieber, cantor com quase a mesma idade da estrela, a quem ela já se referiu em algumas entrevistas, aconselhando-o a mudar de postura.

Se Cyrus é atacada por performances sexuais ou por fumar maconha, o astro canadense vem sendo criticado pelo comportamento nos bastidores, como urinar em locais públicos, dirigir como um louco pelas ruas de LA ou pela truculência de seus seguranças. "Nunca quis me sentir como uma mentora para ele, mas sou. Porque venho fazendo essa merda há muito tempo e já fiz a transição. Ele, acho que ainda não", a cantora teorizou. "Ele está realmente tentando, mas as pessoas não o levam a sério. Ele realmente sabe tocar bateria, guitarra, cantar. Não quero que ele estrague tudo, que pensem nele como uma piada. Mas o negócio é: acho que garotos estão sete anos atrás. Então, na cabeça de Justin, ele só tem 12 anos", ela disse com uma gargalhada.

Uma só coisa que tem incomodado Cyrus em relação às críticas recentes: a ideia de alguns de que, por ter abraçado um estilo de dança negro e usado dançarinas negras, a performance no VMA foi racista. "Essas pessoas não são meus acessórios, são minhas amigas. Sou de um dos condados mais ricos dos EUA. Sei de onde sou, mas também sei o que gosto de ouvir. Eu jamais pensaria na cor das minhas dançarinas, em fazer algo controverso sobre isso", ela afirmou.

E quanto à performance na MTV? Será esse o estilo adotado por Cyrus daqui para frente? "Honestamente, aquela foi minha versão para a MTV. Não foi o Grammy ou o Oscar. Era para ser divertido", explicou a cantora. "E as pessoas ficaram, 'Miley acha que é uma garota negra, mas tem o bumbum mais achatado do mundo. Eu tenho 48 quilos! Sei disso. Agora, as pessoas esperam que eu saia e seduza com minha língua o tempo todo. Mas provavelmente nunca mais farei essa merda de novo!".

Veja também:

Álbuns de Taylor Swift são vendidos por mais de bilhão
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade