PUBLICIDADE

Beyoncé lança 'Cowboy Carter' seu primeiro álbum voltado ao country

29 mar 2024 - 15h33
Compartilhar
Exibir comentários

A popstar Beyoncé lança nesta sexta-feira (29) o seu tão aguardado álbum Cowboy Carter, o oitavo de sua discografia e o primeiro orientado ao country. O disco já está disponível nas plataformas digitais pela Sony Music, via Columbia Records.

Cowboy Carter conta com 27 canções inéditas onde figuram as já lançadas Texas Hold 'Em e 16 Carriages.

Foto: Sony Music / Columbia Records / The Music Journal

Com Texas Hold'Em, Beyoncé alcançou nove paradas de gêneros musicais diferentes nos EUA, incluindo Pop, Hot AC, Country, Rítmica, Urbana e R&B, e fez história se tornando a primeira artista negra feminina a alcançar o primeiro lugar na parada Hot Country Songs e o primeiro lugar na parada Hot 100 com uma música country.

Cowboy Carter, que conta com a produção executiva de Beyoncé, trata de gêneros, todos eles, enquanto está profundamente enraizado no country. Este é o trabalho de uma artista que prospera em sua liberdade para crescer, expandir e criar sem limites. Não pede desculpas e não busca permissão para elevar, amplificar e redefinir os sons da música, enquanto desmantela normas falsas aceitas sobre a cultura americana. Presta homenagem ao passado, honrando os pioneiros musicais no country, rock, clássico e ópera.

Foto: Sony Music / Columbia Records / The Music Journal

O álbum é uma cornucópia de sons que Beyoncé adora e cresceu ouvindo, entre visitas e eventualmente performances no Houston Rodeo - Country, Rhythm & Blues original, Blues, Zydeco e Black Folk. O álbum se envolve em pura instrumentação em um autêntico e celebratório gumbo de sons, utilizando, entre outros, o acordeão, gaita, washboard, violão acústico, ukulele baixo, guitarra pedal steel, um Vibra-Slap, bandolim, violino, órgão Hammond B3, piano de tachas e banjo. Também há muitas palmas, passos de ferradura de cavalo, batidas de botas no chão de madeira e sim, essas são as unhas de Beyoncé como percussão.

"A alegria de criar música é que não há regras", diz Beyoncé. "Quanto mais vejo o mundo evoluindo, mais sinto uma conexão mais profunda com a pureza. Com inteligência artificial, filtros digitais e programação, eu queria voltar aos instrumentos reais, e usei alguns muito antigos. Eu não queria algumas camadas de instrumentos como cordas, especialmente guitarras e órgãos perfeitamente afinados. Mantive algumas músicas cruas e mergulhei no folclore. Todos os sons eram tão orgânicos e humanos, coisas do dia a dia como o vento, estalos e até o som de pássaros e galinhas, os sons da natureza."

Foto: Sony Music / Columbia Records / The Music Journal

Em Cowboy Carter, o trabalho de uma artista que criou em seus próprios termos, na ausência de regras, persiste ousadamente. As músicas a cariciam, embalam e incentivam a curiosidade do ouvinte através de 27 presentes de surpresas revolucionárias, apagando as limitações impostas à música baseada em gênero.

Como produtora, Beyoncé explora e experimenta mudanças de acordes e tonalidades misturando gêneros com facilidade, dobrando e mesclando o inesperado para derrubar todas as barreiras do confinamento musical. É um trabalho raro que pode hospedar tão facilmente remakes de clássicos como Blackbird dos Beatles e Jolene de Dolly Parton com criações sonoras diversas como Sweet Honey Buckin, Riiver Dance e IlMost Wanted.

"Meu processo é que normalmente tenho que experimentar", diz Beyoncé. "Gosto de estar aberta para ter a liberdade de colocar para fora todos os aspectos das coisas que amo, então trabalhei em muitas músicas. Gravei provavelmente 100 músicas. Depois disso, consigo montar o quebra-cabeça e perceber as consistências e os temas comuns, e então criar um trabalho sólido".

Ouça o álbum Cowboy Carter de Beyoncé:

The Music Journal The Music Journal Brazil
Compartilhar
Publicidade
Publicidade