0

Nathalie Delon (1941 - 2021)

21 jan 2021
19h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/UniFrance / Pipoca Moderna

A atriz francesa Nathalie Delon, que foi casada com o astro Alain Delon, morreu de câncer nesta quinta-feira (21/1) em Paris, aos 79 anos. Segundo o filho, ela faleceu pela manhã, cercada por seus familiares.

De origem espanhola, a estrela nasceu no Marrocos, quando o país africano era uma colônia francesa, e seu nome verdadeiro era Francine Canovas. Chegou a Paris em 1962 após separar-se de seu primeiro marido, Guy Barthélémy, com quem teve uma filha. Mas ela não ficou muito tempo sozinha. Aos 21 anos, seus olhos verdes chamaram atenção de Alain Delon em uma discoteca parisiense. Na época, ele era noivo de Romy Schneider, uma das atrizes europeias mais famosas e lindas dos anos 1960.

Em 1964, dois anos depois do primeiro encontro, ela se casou em segredo com Delon. Mas o relacionamento só foi assumido no cinema após mais três anos, quando contracenaram juntos no clássico thriller criminal "O Samurai" (1967).

Em sua estreia, Nathalie chamou tanta atenção que passou a receber muitos convites para continuar a carreira. Ela assumiu os papéis principais de "Lição Particular… de Amor" (1968), "As Duas Irmãs" (1969), "A Mão" (1969) e só voltou a trabalhar com o marido após o divórcio, na comédia "Eu Te Amo, Nathalie" (1971).

Nathalie também estrelou as superproduções internacionais "Quando 8 Sinos Tocam" (1971), ao lado de Anthony Hopkins, e "Barba Azul" (1972), estrelada por Richard Burton e por algumas das maiores beldades da época, como Rachel Welch, Virna Lisi e ela própria. Mas aos poucos entrou numa rotina de coadjuvante, em filmes como "A Inglesa Romântica" (1975), de Joseph Losey, e "A Mulher Fiel" (1976), de Roger Vadim, que abriram caminho para produções B e uma mudança radical de rumos.

Nos anos 1980, após 30 filmes, ela se cansou de pequenos papéis e se reinventou como cineasta, escrevendo e dirigindo dois filmes, "Ils Appellent ça un Accident" (1982) e "Doces Mentiras" (1986). Este último foi uma coprodução americana estrelada por Treat Williams e Joanna Pacula.

O primeiro filme que ela dirigiu também marcou um dos seus últimos trabalhos como atriz. Após a obra de 1982, ela só voltou a atuar nos anos 2000, encerrando a carreira em "Mensch" (2009) ao lado do filho, Anthony Delon.

O filho em comum manteve os Delons próximos. "Nos víamos com frequência. Fazia parte da sua vida e ela da minha. Estivemos juntos no Natal. Tiramos fotos, as últimas", disse Alain Delon nesta quinta-feira à agência AFP.

Veja também:

Carla Perez é a rainha do Insta e podemos provar!
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade