PUBLICIDADE

Billie Hayes (1924-2021)

4 mai 2021
01h30 atualizado às 01h39
0comentários
01h30 atualizado às 01h39
Publicidade
Foto: Divulgação/NBC / Pipoca Moderna

A atriz Billie Hayes, que interpretou a bruxa maléfica Wilhelmina W. Witchiepoo na série clássica infantil "A Flauta Mágica", morreu na quinta-feira (29/4) de causas naturais no Cedars-Sinai Medical Center em Los Angeles. Ela tinha 96 anos.

Hayes foi cantora de big band, excursionando com a orquestra de Vince Genovese durante sua época de faculdade, nos anos 1940. Depois de se mudar para Nova York, fez um teste para a lenda do teatro JJ Shubert e acabou conquistando os papéis principais em três operetas modernas: "O Príncipe Estudante", "A Viúva Alegre" e "Blossom Time". Aos poucos, começou a se destacar no teatro musical.

Sua estreia no cinema foi uma reprise de um desempenho teatral. Ela viveu Mammy Yokum, a mãe caipira e enfezada de "As Aventuras de Ferdinando", de 1959. Hayes tinha interpretado o papel nos palcos da Broadway. Apesar do filme ser baseado nos quadrinhos originais de Ferdinando (chamado de Li'l Abner nos EUA), criados por Al Capp e publicado em tiras diárias de jornais desde 1934, a adaptação era realmente inspirada pelo sucesso do espetáculo, com apenas duas integrantes do elenco teatral ausentes da versão cinematográfica.

A atriz acabou identificada com o papel e ainda voltou a viver a mãe de Ferdinando num telefilme da rede ABC de 1971.

Preferindo continuar nos palcos, ela não deu sequência à carreira nas telas, reaparecendo apenas em 1967 num episódio de "Os Monkees", dois anos antes de assumir seu papel mais conhecido.

Hayes foi a grande antagonista dos heróis da série psicodélica infantil "A Flauta Mágica" (HR Pufnstuf), criada por Sid e Marty Krofft em 1969. A trama acompanhava um menino náufrago chamado Jimmy (Jack Wild), que era convencido a viajar com uma flauta falante chamada Freddy em um misterioso barco, com a promessa de viver aventuras na maluca Ilha Viva, lar de árvores falantes e sapos cantantes. Só que o barco era possuído e controlado pela bruxa malvada Wilhelmina W. Witchiepoo, que pretendia aprisionar Jimmy e usar Freddy para seus propósitos malignos.

A série durou apenas 17 episódios, mas foi reprisada à exaustão e até ganhou um filme em 1971. As reprises se tornaram tão populares que a atriz ainda apareceu como Witchiepoo num especial de TV da banda The Bay City Rollers em 1978.

Sua parceria com os irmãos Krofft continuou em outros projetos, principalmente com um papel em "Lidsville" (1971), mais um programa infantil psicodélico, sobre um garoto que vai parar num mundo mágico de chapéus falantes. Desta vez, ela viveu uma aliada do protagonista, Weenie, uma gênia incompetente. Para completar, ainda apareceu num episódio de "Se meu Buggy Falasse" (Wonderbug) em 1976.

Mas a fama de bruxa nunca a abandonou. Seu sucesso como Witchiepoo rendeu convites para interpretar outras feiticeiras malvadas, a começar pela vilã da fábula de João e Maria (Hansel e Gretel) num capítulo da série "A Feiticeira", exibido em 1971. A Disney também a convocou para dublar a gananciosa bruxa Orgoch em "O Caldeirão Mágico", e a participação no desenho de 1986 lhe abriu as portas para uma carreira bem-sucedida na animação.

Ela também dublou bruxas no cultuado "O Estranho Mundo de Jack" (1993) e no sucesso "Shrek para Sempre" (2010), além de inúmeros personagens em séries animadas da Disney, Nickelodeon, Discovery Kids e DC/Warner. As quatro temporadas de "Transformers: Rescue Bots" (2011-2016) foram seus últimos trabalhos.

Foto: Reprodução / Pipoca Moderna
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Publicidade
Publicidade