PUBLICIDADE

Filme sobre aborto vence Festival de Veneza em ano de mulheres fortes

Penélope Cruz venceu o prêmio de melhor atriz em Veneza pelo novo filme de Almodóvar. Veja lista dos premiados

11 set 2021 20h48
| atualizado às 20h54
ver comentários
Publicidade

“L’Événement” (O evento, em tradução livre), da francesa Audrey Diwan, adaptação do livro homônimo de Annie Ernaux, venceu neste sábado o Leão de Ouro do Festival de Veneza. O presidente do júri, o coreano Bong Joon-Ho (“Parasita”) afirmou, ao anunciar o prêmio, que todos os membros do júri amaram o filme e que a decisão foi unânime.

Penélope Cruz venceu a Copa Volpi de melhor atriz por "Mães Paralelas", de Pedro Almodóvar
Penélope Cruz venceu a Copa Volpi de melhor atriz por "Mães Paralelas", de Pedro Almodóvar
Foto: Divulgação

Estrelado pela jovem Anamaria Vartolomei, o filme traz uma abordagem contemporânea de um tema atemporal: o direito ao aborto. Na França dos anos 60, uma jovem e promissora estudante fica grávida e, à medida que vê sua barriga crescer, vê também diminuírem suas chances de terminar os estudos e ter uma vida mais próspera. Ela toma medidas drásticas. Como queria a diretora, a saga da jovem é narrada de forma que o público embarque numa experiência capaz de se colocar no lugar da protagonista e de tantas jovens que se veem diante deste grande dilema.

“Eu queria que a gente não olhasse esta jovem, mas fizesse a jornada dela, sentisse o que ela sente. E esta noite, graças a você, isso é possível, sejam vocês homens ou mulheres. Obrigada muito por isso, Anamaria. Você é o filme”, declarou a diretora, muito emocionada. “Eu fiz este filme com raiva, ,as com desejo também. Fiz com meu âmago, com minhas entranhas e com o coração”.

Diwan se tornou a quarta mulher a ganhar o Leão de Ouro nos últimos 21 anos, se juntando a nomes como a indiana Mira Nair, a americana Sofia Coppola e a vencedora do ano passado, a chinesa Chloé Zhao, por "Nomadland".

O prêmio máximo de Veneza para “L’Événement” marca uma edição de ouro para as mulheres. Além de Audrey, a neozeolandesa Jane Campion levou  o Leão de Prata de Melhor Direção por “The Power of the Dog”, um western de irmãos estrelado por Benedict Cumberbatch e Jesse Plemons. A diretora agradeceu a toda a equipe, à Netflix “pelo apoio que me deram neste tempo tão difícil para fazer um filme, e a Cumberbatch. “Ele realmente encarou a pressão de fazer este personagem, ele o fez cruel e frágil também”, afirmou a diretora, vencedora da Palma de Ouro em Cannes por “O Piano” (1993).

Outra mulher venceu o prêmio de Melhor Roteiro: a americana Maggie Gyllenhaal, pela adaptação do romance “A Filha Perdida” de Elena Ferrante. Na trama, de
“The Lost Daughter”, Dakota Johnson é Nina, uma jovem mãe que vive em um vilarejo praiano na Itália.  Ela conhece então a turista Leda (Olivia Colman), protagonista da trama. Leda vê na relação de Nina e sua filha ecos de seu relacionamento com suas filhas e passa a questionar os erros de seu passado. 

Outra grande diva do cinema também saiu ovacionada de Veneza 2021. Penélope Cruz levou a Copa Volpi de Melhor Atriz por “Madres Paralelas”, o novo filme de Pedro Almodóvar. “Este prêmio é 100% seu, Pedro. Estou muito honrada de fazer parte deste projeto”, declarou a atriz, que também dedicou seu troféu às demais atrizes do filme e à sua sogra, Pilar Bardem (mãe de Javier Bardem, marido de Penélope). “Ela fez muito por nossa profissão na Espanha. E a última vez em que falou comigo, a última coisa que me disse foi ‘eu te amo’. Mas depois, ela disse: ‘Copa Volpi!’. Como ela sabia”?”, declarou a atriz.

O Grande Prêmio do Juri para o italiano Paolo Sorrentino por “É stata la mano di dio” (Foi a Mão de Deus). O diretor também agradeceu à Netflix e a Diego Maradona, uma das grandes inspirações do filme, que conta o rito de passagem de um adolescente para a vida adulta na Nápoles dos anos 1980, quando o craque jogava no Napoli e era considerado um verdadeiro Deus pela juventude da cidade. Considerado uma espécie de “Amarcord” de Sorrentino por trazer pontos autobiográficos de sua juventude, o filme vinha sendo muito elogiado pela crítica e tem Toni Servillo e o jovem Filippo Scotti, protagonista da trama. “As pessoas me perguntavam: ‘mas um outro filme como Toni Servillo?’ Sim! Olha onde cheguei fazendo filmes com ele”, brincou o diretor. Scotti ainda venceu o Prêmio Marcello Mastroianni para novos talentos do festival.

Confira a lista dos principais premiados:

Leão de Ouro de Melhor Filme - L’évènement (O evento), de Audrey Diwan (França)
Grande Prêmio do Júri - Foi a mão de Deus, de Paolo Sorrentino (Itália)
Melhor Diretora - Jane Campion, por The Power of the Dog
Melhor Atriz - Penélope Cruz, por Madres Paralelas (Espanha)

Melhor Ator - John Arcilla, por On The Job: The Missing 8 (Filipinas)
Melhor Roteiro - Maggie Gyllenhaal, por A Filha Perdida
Ator Revelação - Filippo Scotti, por Foi a mão de Deus
Prêmio Especial do Júri - Il Buco, de Michelangelo Frammartino (Itália)
Leão do Futuro para melhor filme de estreia - Imaculat, de Monica Stan e George Chiper-Lillemark (Romênia)

Mostra Orizzonti - Melhor Filme - Pilgrims, de Laurynas Bareisa (Lituânia)

Plano Geral
Publicidade
Publicidade