PUBLICIDADE

Festival de Cannes começa sob grande expectativa

Depois de cancelado em 2020 por conta da pandemia, o maior festival de cinema do mundo volta com medidas de segurança e line up forte

6 jul 2021 13h12
| atualizado às 18h33
ver comentários
Publicidade

 

Porta principal do Palais des Festivals, o QG do Festival de Cannes
Porta principal do Palais des Festivals, o QG do Festival de Cannes
Foto: Divulgação / Divulgação

Cannes 2021 começa nesta terça-feira sob grande expetativa. Depois de ser cancelado em 2020 por conta da pandemia, o maior e mais importante festival de cinema do mundo, volta com medidas de segurança extras, um line up forte e também um recado importante para o mundo: o show e o cinema  têm que continuar!

Claro que a decisão de realizar o evento ainda em plena pandemia e a decisão de manter a lotação das salas em 100% de sua capacidade causam dúvidas. Para deixar a todos mais tranquilos e garantir que o festival não seja foco de transmissão e/ou retransmissão da Covid 19, é necessário apresentar ou um certificado de vacinação ou um exame de PCR negativo a cada 48 horas para se entrar em uma das salas de exibição e/ou no complexo do festival, que abriga o Marché du Filme (o mercado do filme), a sala de imprensa, a sala de coletivas de imprensa, entre outras dependências do chamado Palais de Festivals, o QG de Cannes.

Dito isso, o festival, que ocorre de 6 a 17 de julho, recebe menos imprensa este ano. Estima-se que dos cerca de 4mil jornalistas que costumam cobrir o evento in loco, neste ano pelo menos mil não puderam comparecer por conta de ou serem de países que estão na lista vermelha da França (como é o caso do Brasil) ou por receio encarar uma viagem internacional durante a pandemia.

O mesmo deve ocorrer com a presença dos profissionais da indústria audiovisual, como produtoras, compradores, agentes de vendas, diretores, roteiristas, exibidores, executivos, entre outros, que todos os anos viajam a Cannes para o Marché e para fazer o networking estratégico, que resulta em coproduções, vendas, parcerias etc.

Jodie Foster, homenageada desta edição, chega para sessão de fotos
Jodie Foster, homenageada desta edição, chega para sessão de fotos
Foto: Divulgação / Divulgação

LINE UP FORTE

Para compensar e marcar uma volta do festival, o line up deste ano está forte e promissor. Para já abrir a semana, na quarta-feira ocorre a homenagem a Jodie Foster, que recebe a Palma de Ouro pela carreira, nesta edição do festival. A atriz ainda participa de uma masterclass (ou um rendez-vous) com o público. Na lista dos encontros e debates, ainda tem Matt Damon, Isabelle Huppert, Steve McQueen e Marco Bellocchio. O diretor italiano também receberá uma Palma de Ouro pela carreia no final do festival.

Já a competição oficial traz um equilíbrio entre grandes nomes, e muitas estrelas no line up, e nomes mais cults. Há a criação de uma nova sessão, a cannes première, que conta com diretores renomados mas com filmes fora de competição, além de nomes fortes também em outras mostras paralelas. 

"O Marinheiros das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz
"O Marinheiros das Montanhas", novo filme de Karim Aïnouz
Foto: Divulgação

"O Marinheiro das Montanhas"

Nosso represetante nesta categoria especial é o cineasta Karim Aïnouz, que leva a Cannes seu novo longa,  “O marinheiro das Montanhas”, a ser exibido  na Sessão Especial.  O diretor volta à Croisette dois anos depois de vencer a mostra Um Certo Olhar com "A Vida invisível".

Seu novo filme é diário de viagem do diretor à Argélia, país em que seu pai nasceu.  Autobiográfico, o filme tem caráter documental, mas não se restringe ao gênero no sentido clássico, pois a inventividade de Karim com certeza vai trazer características da ficção e poesia ao filme.  A narrativa traz registros da viagem, filmagens caseiras, fotografias de família, arquivos históricos, trechos de super-8, traçando uma linha que costura a história da família de karim, o amor entre seu pai e sua mãe brasileira, as realidades distintas, mas com pontos em comum, do Brasil e da Argélia. 

 

FILME DE ABERTURA

Adam Driver, o diretor Leos Carax e Marion Cotillard posam para fotos em Cannes nesta terça
Adam Driver, o diretor Leos Carax e Marion Cotillard posam para fotos em Cannes nesta terça
Foto: Divulgação

Para uma grande noite de (re)abertura, Cnnes aposta em  Annette, do diretor  Leos Carax que, depois de Holy Motors, volta ao festival com um musical  protagonizado por Adam Driver, Marion Cotillard, a Simon Helberg. O filme também está estreando na França e certamente vai mobilizar as estrelas em torno de seu red carpet na noite desta terça. 

 

COMPETIÇÃO FORTE 

"French Dispatch", de Wes Anderson, um dos mais badalados da seleção oficial
"French Dispatch", de Wes Anderson, um dos mais badalados da seleção oficial
Foto: Divulgação / Divulgação

Presidido por Spike Lee, o júri deste ano vai ter uma tarefa árdua para escolher os melhores entre os 24 selecionados para a Competição Oficial.  Entre os mais, badalados,  está French Dispatch, de Wes Anderson, o único filme da seleção de 2020 a se manter na seleção de 2021. O longa faz uma homenagem ao jornalistas e promete um desfile de luxo no tapete vermelho com um elenco de nomes como Bill murray, Tilda Swinton, Léa Seydoux, Timothée Chalamet, Benicio del Toro, Adrien Brody e Frances Mcdormand.

Outro grande nome que volta a Cannes depois de alguns anos, e de um fracasso, é Sean Penn.  "A Última Fronteira", seu último longa, foi um fiasco e  espera-se que  com Flag Day ele volte a fazer jus a seu talento. 

Outro nome forte que está de volta à Croisette é Paul Verhoeven. Cinco anos depois de movimentar Cannes com o nada politicamente correto Elle (estrelado por Isabelle Huppert), o diretor retorna a Cannes com mais uma história com personagem feminina forte: Benedetta. Baseado em um caso real, conta a história de uma freira lésbica, vivida por Virginie Efira, que começa a ter visões. com um tema destes, e com a assinatura de Verhoeven, a gente sabe que vem polêmica.

"Benedetta", novo filme de Paul Verhoeven, promete mais polêmica
"Benedetta", novo filme de Paul Verhoeven, promete mais polêmica
Foto: Divulgação

Outro ponto importante é a participação feminina.  este ano, quatro diretoras disputam a palma, uma húngura e três francesas. da hungria, quem chega é Ildikó Enyedi, que venceu Berlim com "Corpo e Alma" em 2017, e agora leva a Cannes o drama “The Story of my Wife”.  Já na lista das francesas, a jovem Julia Ducournau chega com "Titane"; Mia Hansen Love estreia com "Bergman Island", que tem o brasileiro Rodrigo Teixeira como um dos produtores. a história se passa em um verão, quando um casal de cineastas se muda para escrever na ilha sueca de Fårö, onde Ingmar Gergman viveu e encontrou inspiração.

 Já Catherine Corsini apresenta "La Fracture: , que se passa em um frança em meio aos protestos ocorridos recentemente e retrata o cotidiano de um hospital em que a equipe está à beira de um colapso.

A propósito, o diretor artístico de Thierry Fremaux, comentou no anúncio da programação que vários filmes da seleção deste ano vão trazer a realidade de 2020 e entrar para a história como um retrato de seu tempo. A julgar pela preleção, será uma temporada agitada e, certamente, entrará para a história. 

 

Plano Geral
Publicidade
Publicidade