PUBLICIDADE

Unesco faz conferência em Nápoles sobre patrimônios mundiais

Objetivo é definir estratégia comum de preservação

27 nov 2023 - 15h52
(atualizado às 16h01)
Compartilhar
Exibir comentários

Sarah Ricca - Duzentas delegações do mundo todo se reúnem entre esta segunda-feira (27) e a próxima quarta (29), no Palácio Real em Nápoles, com o objetivo de identificar e definir uma estratégia comum para a preservação do patrimônio material e imaterial da Unesco.

As prioridades da Conferência do Patrimônio Cultural da Unesco no século 21 serão incorporadas na carta 'O Espírito de Nápoles', que será emitida ao término dos trabalhos.

Pontos centrais do documento incluirão a relação entre bens materiais e imateriais, as mudanças climáticas, cujos efeitos impactam negativamente a conservação e proteção de monumentos, e o combate ao tráfico ilícito de bens culturais, que afeta de maneira particular e significativa a Itália e a Grécia.

Abrindo a Conferência, a mensagem do Presidente da República, Sergio Mattarella, enfatizou que "a preservação da cultura em todas as suas formas é uma das expressões mais elevadas de colaboração entre os Estados, além de ser um instrumento fundamental de convivência civil e respeito ao outro. Um princípio, infelizmente, ignorado em muitas partes do mundo hoje".

Ele também ressaltou como "novos desafios, como a interdependência cada vez mais estreita, as mudanças climáticas, a urbanização acelerada e os fluxos migratórios descontrolados, nos obrigam a atualizar e ampliar os instrumentos de proteção do patrimônio, respondendo ao imperativo de transmiti-lo intacto às gerações futuras".

A Conferência da Unesco, promovida pelo vice-premiê e ministro das Relações Exteriores, Antonio Tajani, e pelo ministro da Cultura, Gennaro Sangiuliano, é organizada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros e pelo Ministério da Cultura com o apoio da Prefeitura de Nápoles.

O evento, como destacou o ministro Sangiuliano, "pretende ser um grande momento de confronto e troca de experiências entre governos para construir juntos respostas concretas e compartilhadas aos desafios de nosso tempo", tendo como base as Convenções para a Salvaguarda do Patrimônio Mundial e do Patrimônio Cultural Imaterial, "instrumentos que tornaram uma norma do direito internacional um princípio essencial: esses locais, lugares, tradições e práticas de valor excepcional para o planeta são, sim, patrimônio de um Estado, mas também patrimônio de toda a humanidade".

Entre os temas que os delegados abordarão está a sustentabilidade do turismo, um fenômeno que, por um lado, impulsiona o desenvolvimento econômico das regiões, mas, por outro lado, não deve descaracterizar sua identidade.

É nessa direção que vai a proposta apresentada pela administração municipal de Nápoles e que será incluída no documento conclusivo da Conferência da Unesco.

"Devem ser identificados instrumentos de regulação do uso dos centros históricos - afirmou o prefeito de Nápoles, Gaetano Manfredi - que permitam regular as atividades comerciais e residenciais, também para garantir a preservação das identidades territoriais e evitar a expulsão das comunidades dos centros históricos".

Um tema, o da superlotação das cidades e especialmente de seus centros históricos, que aflige muitos lugares de interesse global.

Daí a solicitação para que os Estados adotem instrumentos, inclusive legislativos, para gerenciar os fluxos turísticos, a fim de evitar uma "turistificação" que modifique para sempre a natureza e a identidade dos centros históricos. .

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade