PUBLICIDADE

Startups do Vale do Silício entram no mercado militar, contrariando tradição das Big Tech

Ex-fundadores de startups se dedicam a desenvolver tecnologias de defesa em resposta a ataques no conflito Rússia-Ucrânia

1 jun 2024 - 12h30
Compartilhar
Exibir comentários

No final de fevereiro de 2022 - alguns dias depois que os cofundadores Luke Allen e Steven Simoni venderam sua startup de tecnologia de restaurantes para 90 pessoas para a DoorDash -, a Rússia invadiu a Ucrânia.

Startup Anduril usa o Sentry, que tem um radar de 360 graus para rastrear ameaças de drones
Startup Anduril usa o Sentry, que tem um radar de 360 graus para rastrear ameaças de drones
Foto: Divulgação/Anduril/Fortune / Estadão

Allen, que, assim como Simoni, havia servido na Marinha, imediatamente mudou de direção e começou a projetar um software de fone de ouvido de realidade virtual que ajudaria a treinar soldados ucranianos no uso de armas antitanque Javelin fornecidas pelo exército dos EUA. Logo seu foco se voltou para os drones utilizados no conflito.

Allen convenceu Simoni a deixar a DoorDash no início deste ano e a trabalhar com ele em sua nova empresa, a Allen Control Systems, para construir uma torre de tiro que usasse visão computacional para derrubar drones do céu. O objetivo era criar algo acessível que pudesse deter os drones HESA Shahed-136 que a Rússia estava enviando para atacar a infraestrutura da Ucrânia. "No momento, drones baratos como esse são uma arma sem contramedida", diz Allen.

Os ex-empresários de tecnologia de restaurantes fazem parte de uma nova geração de fundadores que estão trazendo o manual de startups para o setor de defesa. Com as guerras que assolam a Europa e o Oriente Médio, a necessidade - e a oportunidade - de inovação são exibidas todos os dias à medida que drones, IA e outras tecnologias disponíveis comercialmente remodelam a realidade no campo de batalha.

Território hostil

O Vale do Silício e os militares têm uma história complicada. Embora os contratos militares da Guerra Fria tenham ajudado a criar o setor de tecnologia dos EUA, muitos dos tecnólogos de hoje consideram o setor de defesa um anátema - os trabalhadores do Google, da Microsoft e da Amazon realizaram vários protestos nos últimos anos para se opor aos laços comerciais de seus empregadores com o Pentágono e as forças armadas israelenses.

Como resultado, nos últimos anos, o setor de defesa tem sido abraçado principalmente por um pequeno grupo de fundadores e investidores de tecnologia politicamente francos, incluindo Palmer Luckey, criador do fone de ouvido de realidade virtual Oculus, e o capitalista de risco Peter Thiel. Mas há sinais de que o tabu militar no Vale do Silício está começando a desaparecer entre as startups e os investidores

Quando Brian MacCarthy, que dirige o fundo de risco corporativo da consultoria de defesa Booz Allen, mudou-se para o Vale do Silício em 2015, havia algumas empresas que não queriam trabalhar com o Departamento de Defesa ou com plataformas de armas. "O sentimento mudou completamente", diz ele.

Em alguns casos, as empresas com produtos de "uso duplo" - o que significa que elas criam tecnologias comerciais que podem ser adaptadas para fins de defesa - estão se abrindo para o mercado marcial.

A Dedrone, por exemplo, fundada há 10 anos e recentemente adquirida pela Axon, produz software e hardware para detectar e rastrear atividades não autorizadas de drones. A tecnologia da empresa foi inicialmente usada para detectar drones em aeroportos, estádios e instalações correcionais. Mas, há alguns anos, ela começou a se concentrar em seu trabalho com o Departamento de Defesa e aliados dos EUA, assinando 16 contratos de defesa em todo o mundo somente em 2023. "Essa não era a ideia original", diz Venky Ganesan, um investidor da Menlo Ventures que apóia a Dedrone.

Mais de US$ 2 bilhões em financiamento de capital de risco foram investidos em startups que desenvolvem produtos especialmente nos setores globais de drones, aeroespacial e de satélites em 2022, de acordo com dados da Crunchbase. No ano passado, embora os níveis de financiamento tenham caído na maioria dos setores, essas startups ainda conseguiram levantar mais de US$ 1 bilhão.

Muitas delas estão trabalhando especificamente em tecnologias para combater ataques de drones, que se tornaram mais difundidos graças aos drones baratos fabricados na China e no Irã, que são facilmente armados com bombas. A Anduril, empresa de defesa cofundada por Luckey em 2017, foi uma das primeiras startups a se concentrar na ameaça dos drones. Os drones interceptadores Anvil da empresa podem colidir com drones hostis no céu.

A Epirus, uma startup da área de Los Angeles avaliada em US$ 1,35 bilhão, está trabalhando com o Exército dos EUA para testar seu sistema de microondas de alta potência contra drones, chamado Leonidas, para disparar rapidamente contra drones (ou enxames deles). A empresa foi cofundada pelo capitalista de risco Joe Lonsdale por meio de um programa de sua empresa, a 8VC.

Tecnologia defensiva versus tecnologia ofensiva

Alguns fundos de capital de risco evitam investir em tecnologia com negócios militares, como resultado de acordos com alguns de seus próprios investidores - que podem restringir o apoio a empresas que fabricam armas ou softwares relacionados - ou, às vezes, por princípio. Simoni, cofundador da Allen Control Systems, diz que os investimentos em tecnologia de defesa parecem ter se tornado menos controversos entre os VCs. A mudança está aparecendo nos acordos que as empresas de capital de risco firmam com seus parceiros limitados, de acordo com Simoni.

"Vimos muitos desses contratos serem alterados - ou eu vi, porque estive lá promovendo e conversando com a comunidade de capital de risco", diz ele, observando que também conversou com capitalistas de risco que estão interpretando os contratos de parceria limitada, ou LPAs, com seus investidores de forma mais flexível.

Ainda assim, há limites. Construir uma arma para atirar em um drone do céu é diferente de construir uma arma que matará seres humanos. O que é explicitamente permitido ou não permitido no portfólio de uma empresa de capital de risco varia, assim como as atitudes entre os técnicos do Vale do Silício sobre até onde levar o relacionamento com o setor militar.

Alguns investidores que apoiaram empresas de tecnologia de defesa falam sobre investir nesse setor como sendo quase uma responsabilidade americana. "A realidade é que vivemos em um mundo geopolítico muito tenso", diz Ganesan, da Menlo Ventures, apontando para a China, a Rússia e a Coreia do Norte. "Precisamos colaborar e cooperar com nosso governo. E você não pode ser neutro em relação a isso."

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Startup Anduril usa o Sentry, que tem um radar de 360 graus para rastrear ameaças de drones
Startup Anduril usa o Sentry, que tem um radar de 360 graus para rastrear ameaças de drones
Foto: Divulgação/Anduril/Fortune / Estadão
Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade