PUBLICIDADE

Estudo aumenta esperança de mulheres com falência ovariana

Condição dificulta a gravidez a partir de óvulos próprios

10 jul 2024 - 14h25
(atualizado às 14h40)
Compartilhar
Exibir comentários

Técnicas de rejuvenescimento do ovário podem aumentar as chances de mulheres com falência ovariana prematura engravidarem com seus próprios óvulos.

    É o que diz um estudo apresentado no 40º congresso da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia (Eshre) pelo grupo de medicina reprodutiva IVI.

    A pesquisa se baseia na evolução da técnica Ascot, uma das mais usadas para rejuvenescer os ovários, por meio da implantação de células-tronco na artéria ovárica.

    As proteínas dissolvidas no citoplasma dos oócitos são fundamentais para a plena eficácia da função reprodutiva - as mulheres com falência ovariana apresentam alterações em dezenas delas -, e a técnica Ascot de quatro etapas apresentada pelo IVI no congresso produziu mudanças substanciais nesse proteoma (conjunto de proteínas), levando-o para uma composição semelhante à observada em mulheres dentro do padrão.

    O resultado evidencia como ainda há campo para melhora por meio desse procedimento: de acordo com o IVI, 7% das pacientes submetidas ao rejuvenescimento de ovário conseguiram engravidar naturalmente após recuperar a função ovárica.

    "A decisão de buscar uma gravidez com óvulos de doadores nunca é um passo fácil para os casais, por isso as alternativas terapêuticas que visam restaurar a função ovariana estão se tornando cada vez mais difundidas", disse Antonio Pellicer, professor de obstetrícia e ginecologia da Universidade de Valência e fundador do IVI.

    "Os estudos em torno do rejuvenescimento ovariano representam uma linha de pesquisa muito encorajadora na qual continuaremos trabalhando"", acrescentou.  

Ansa - Brasil   
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade