Tire a ideia do papel e crie hoje o site para o seu negócio com até 35% de desconto

Deputado consegue assinaturas para protocolar CPI da Prevent

Paulo Fiorilo (PT-SP) conseguiu 36 assinaturas para protocolar o pedido junto à Assembleia de SP para investigar a operadora de saúde

27 set 2021 15h08
| atualizado às 15h40
Compartilhar
Prevent Senior
Foto: Divulgação

Em meio às acusações contra a Prevent Senior pelo suposto uso de tratamentos sem eficácia científica comprovada contra a covid-19 em pacientes, denunciada na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, no Senado, o deputado estadual Paulo Fiorilo (PT-SP) conseguiu 36 assinaturas para protocolar o pedido de abertura de uma CPI junto à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) para investigar a operadora de saúde. A expectativa é que o pedido seja protocolado nesta segunda-feira (27).

"É preciso apurar as irregularidades e punir os culpados", declarou o parlamentar ao anunciar o número de assinaturas necessárias para a abertura da comissão. Na Alesp, as CPIs são criadas por meio de requerimento de pelo menos um terço dos parlamentares, ou seja, 32 de um total de 94 deputados. Após o protocolo, o pedido aguarda decisão do presidente da Casa quanto à abertura da comissão.

Publicidade

No pedido, obtido pelo Broadcast Político, Fiorilo classifica como necessária e urgente a instalação da CPI. De acordo com o deputado, a instauração "vem ao encontro do anseio da sociedade e dos parlamentares que a subscrevem" para que possam ser apuradas as denúncias contra a Prevent Senior durante a pandemia da covid-19.

"É dever do Legislativo de agir, através de seu poder de investigação, mediante denúncias tão graves envolvendo uma empresa sediada no Estado, que colocou em risco a vida daqueles que moram no Estado de São Paulo", afirma o parlamentar.

Apesar de a investigação se assemelhar à CPI da Covid, no Senado, o deputado destaca que a comissão não sobrepõe a investigação federal, visto que trata-se de uma apuração específica de supostos crimes contra a saúde no Estado de São Paulo pela operadora de saúde, e não a análise de todo o cenário e uso de verbas públicas no enfrentamento da pandemia nacionalmente.

Se for instalada, a CPI deve realizar seus trabalhos no prazo de 120 dias, prorrogáveis por mais 60 dias mediante aprovação da maioria absoluta de seus membros.

Publicidade

Em março do ano passado, a Prevent Senior anunciou que faria o estudo para testar a eficácia da hidroxicloroquina associada ao antibiótico azitromicina contra a covid-19. A pesquisa foi suspensa logo em seguida, em 20 de abril, pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep). O órgão descobriu que os testes com pacientes haviam começado antes de a operadora receber o aval para a realização da pesquisa, o que é proibido no País.

Um grupo de 15 médicos que diz ter trabalhado na Prevent Senior encaminhou para a CPI da Covid, no Senado, um dossiê no qual informam que integrantes do chamado "gabinete paralelo" do governo de Jair Bolsonaro usaram a operadora de saúde como uma espécie de laboratório para comprovar a tese de que o chamado kit covid (hidroxicloroquina e azitromicina) era eficiente contra a doença e revelaram que pacientes não foram informados do tratamento experimental.

Procurada para se manifestar sobre a CPI, a Prevent não havia se manifestado até a publicação desta matéria.

Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações