Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

PEC dos Precatórios representa fim do teto de gastos, ainda que continue na Constituição, alerta IFI

Em nota técnica, IFI analisa mudanças propostas pelo relator, senador Fernando Bezerra (MDB-PE), e alerta que relatório não altera dois principais pontos do texto aprovado na Câmara

29 nov 2021 13h03
| atualizado às 15h55
Compartilhar

BRASÍLIA - Na véspera da votação prevista da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, a Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado emitiu alerta para o risco jurídico, fiscal e para economia brasileira da aprovação do texto com a mudança da âncora fiscal, o teto de gastos - regra que atrela o crescimento das despesas à inflação.

De acordo com o órgão, a PEC dos Precatórios pode gerar uma "bola de neve" de R$ 850 bilhões em precatórios (dívidas reconhecidas pela Justiça) não pagos até 2026. A proposta é a principal aposta do governo federal para bancar o programa social Auxílio Brasil. Segundo cálculos da equipe econômica, se aprovada, a PEC deve abrir espaço superior a R$ 106 bilhões no Orçamento.

Publicidade

Em nota técnica, a IFI analisa as mudanças propostas pelo relator, senador Fernando Bezerra (MDB-PE), e alerta que o relatório não altera os dois principais pontos do texto aprovado na Câmara: a limitação do pagamento dos precatórios e a mudança na forma de cálculo do teto de gastos.

Pela proposta, a correção do teto pelo IPCA acumulado em 12 meses até junho seria substituído pelo mesmo índice acumulado até dezembro. A conta seria refeita desde 2017, produzindo um novo teto de 2022 em diante.

"As duas medidas afetam fortemente o teto de gastos, representam o fim da regra como concebida ainda que na letra da Constituição deva continuar a existir", diz ao Estadão o diretor-executivo da IFI, Felipe Salto. Com a piora do cenário fiscal e dos indicadores econômicos, o esforço fiscal necessário para estabilizar o crescimento da dívida pública sairia de 2,6% para 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) de superávit primário (ou seja, contas no azul), prevê a IFI. Um desafio fiscal de pelo menos R$ 450 bilhões.

Na nota técnica, a IFI reitera aos senadores que vão votar a PEC a preocupação com a potencial perda da âncora fiscal. "Regras fiscais dependem, inexoravelmente, do compromisso político em torno do seu cumprimento. A importância de mantê-las e de respeitá-las está na base da credibilidade da política fiscal", diz a nota. Na avaliação da IFI, mudanças intempestivas podem prejudicar fortemente os cenários econômicos prospectivos.

Publicidade

Parte da piora nas projeções de mercado para o PIB de 2022, conforme indicadas pela pesquisa Focus, do Banco Central, além da deterioração do quadro de juros e da manutenção de taxa de câmbio e inflação pressionadas, está associada a essa indefinição do quadro fiscal. Fatores externos também podem explicar o quadro inflacionário, particularmente, mas o componente doméstico preocupa, diz a IFI.

Para a IFI, o novo programa social do governo, o Auxílio Brasil, teria de estar previsto no Orçamento, respeitar o teto de gastos e a meta anual de resultado primário das contas públicas.

Pelos cálculos da IFI, o represamento da expedição dos precatórios produzirá um passivo com crescimento exponencial. Se o fluxo de precatórios crescer a 5%, esse passivo poderia alcançar R$ 854,9 bilhões até 2026.

O início da discussão e votação da PEC está previsto para terça-feira, 30, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. O governo intensificou as negociações nessa segunda-feira porque não tem os votos necessários para aprovar a PEC.

Publicidade

A IFI adverte que o risco de mudar o regime de precatórios e o teto de gastos, especialmente com o processo orçamentário já iniciado, é elevado. Segundo a IFI, os custos, na verdade, já aparecem na curva de juros, que indica taxas em torno de 11% a 12% ao ano a partir do ano que vem. O prêmio pelo risco exigido nos títulos do governo também subiu. O custo médio da dívida pública, sobretudo nas novas emissões do Tesouro Nacional, vem aumentando há vários meses. Ele estava em 4,6% em setembro de 2020 e passou para 7,5% em outubro passado, com uma elevação mais forte a partir de julho quando o cenário fiscal para 2022 ficou mais incerto com o "meteoro" da conta de R$ 89,1 bilhões de gastos com precatórios para 2022.

"Os custos da PEC dos Precatórios são elevados. O principal é o aumento dos juros, com efeitos sobre a dívida pública e o crescimento econômico", ressalta o diretor da IFI.

Entre as inovações no parecer do senador, está a constitucionalização do programa de transferência de renda básica, o afastamento de regras da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para a criação do Auxílio, o escalonamento do pagamento dos precatórios do Fundef (fundo da educação já extinto), a criação de uma comissão para auditar os precatórios e a vinculação de espaços fiscais gerados pela PEC a gastos sociais, educação, saúde e Previdência.

A IFI chama atenção que a vinculação do espaço fiscal gerado pelo recálculo do teto aos gastos sociais não se aplica ao espaço fiscal aberto pela não expedição de precatórios, cerca de R$ 45,4 bilhões. Já folga no teto derivada do recálculo do limite do é de R$ 47,6 bilhões, que devem ser direcionados a essas despesas. O texto poderá ser ainda emendado pelos membros da CCJ e as discussões continuam.

Publicidade
Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações