Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Conheça os carros que a chinesa GWM pode fazer no Brasil

Great Wall Motors inaugura fábrica que era da Mercedes e diz que vai começar com SUVs e picapes, mas depois produzirá carros 100% elétricos

28 jan 2022 16h45
| atualizado em 29/1/2022 às 16h18
Compartilhar
Haval Jolion: SUV estradeiro
Haval Jolion: SUV estradeiro
Foto: GWM

A gigante montadora chinesa Great Wall Motors deu início à sua operação no Brasil com a inauguração da fábrica de Iracemápolis (SP). Conhecida também pela sigla GWM, a Great Wall revelou que vai atuar no mercado brasileiro com três marcas: Haval, Tank e Poer.

Haval H6: SUV mais vendido na China
Foto: GWM

A Haval terá apenas modelos do segmento SUV para uso on-road. A Tank também estará no segmento SUV, porém com modelos off-road de luxo. A Poer terá picapes. Até 2025, a GWM lançará 10 modelos dessas três marcas. O primeiro carro produzido no Brasil será lançado no segundo semestre de 2023. Todos os veículos que a GWM fabricará em Iracemápolis serão da próxima geração de carros da montadora. Antes disso, porém, no quarto trimestre deste ano, chegará o primeiro carro importado. 

Publicidade
Picapes da marca Poer
Foto: GWM

Maior montadora chinesa de capital 100% privado, a GWM investirá mais de R$ 10 bilhões no Brasil. Serão dois ciclos de investimento: cerca de R$ 4 bilhões de 2022 a 2025 e R$ 6 bilhões entre 2026 e 2032, com geração de 2.000 empregos diretos até 2025. Num segundo momento (que pode ser o segundo ciclo de investimentos), a Great Wall passará a produzir carros 100% elétricos de sua marca Ora.

Tank 300: segmento off-road
Foto: GWM

Entre os SUVs Haval, os mais cotados para estrear no Brasil, mesmo que sejam importados, são os novos H6, Jolion, F7 e F7x (este um SUV cupê). No terreno das picapes, há dois modelos da Poer - mas a montadora não diz se vai optar pelo modelo maior ou pelo mais compacto. Da Tank deve vir o pequeno modelo 300, que tem a frente parecida com a do Ford Bronco.

Haval F7: SUV estradeiro
Foto: GWM

No mercado de carros 100% elétricos, a marca Ora deve apostar no subcompacto Adora. Mas nunca é demais lembrar que, recentemente, a GWM criou um alvoroço mundial ao apresentar o Ora Punk Cat, que é uma cópia do VW Fusca, porém com quatro portas. O mais importante aqui é que a GWM é a primeira montadora a confirmar que vai fabricar carros 100% elétricos no Brasil. Mais do que isso, considera também a possibilidade de fabricar baterias.

Ora Adora: 100% elétrico
Foto: GWM

Os veículos com motorização híbrida terão potência entre 230 cv a 430 cv e torque entre 410 Nm e 762 Nm. Na prática, esses números se traduzem em aceleração de 0 a 100 km/h de 7,2 segundos a apenas 4,8 segundos e consumo de combustível de 75 km/l a incríveis 208 km/l no uso combinado do motor elétrico com o motor a combustão como apoio. Para dar uma ideia, o híbrido plug-in da GWM terá autonomia elétrica de 200 km (os carros atuais mal passam dos 50 km).

Publicidade
Linha atual de SUVs da Haval
Foto: GWM

“A GWM nasce como líder na produção de veículos inteligentes de nova energia", explica Oswaldo Ramos, Chief Commercial Officer (CCO) da GWM Brasil. "A marca oferece a experiência de dirigir um carro elétrico com a tranquilidade de ter o suporte de um motor a combustão para longas distâncias. Isso gera a potência e o torque inigualáveis do carro elétrico e um baixíssimo consumo por conta do apoio da bateria.”

Plataforma híbrida da GWM no Brasil
Foto: GWM

Outra novidade tecnológica é que a GWM já está iniciando parcerias para estudos de uso de etanol como fonte de geração de hidrogênio para veículos com célula de combustível.

"A GWM é a primeira empresa na China que forma parte da Comissão Internacional do Hidrogênio e tem vários projetos de pesquisa para as diferentes aplicações desse gás como elemento de propulsão",comenta Pedro Bentancourt, Chief Relations Officer (CRO) da GWM Brasil. "Pretendemos utilizar a unidade no Brasil como base de conhecimento na realização de acordos com Universidades e Centros Tecnológicos Brasileiros visando desenvolver pesquisa que, por exemplo, inclua o uso do etanol como fonte de hidrogênio.”

Plataforma EV da GWM no Brasil
Foto: GWM

Todos os modelos produzidos no Brasil terão recursos de conectividade e sistemas semiautônomos de segurança Nível 2 de série, além de permitir o uso do comando por voz para controlar as funções do veículo, como fechar vidros ou abrir o teto solar. Os veículos da GWM no Brasil também estarão prontos para suportar o recurso de conectividade 5G.

Publicidade
Plataformade hidrogênio da GWM no Brasil
Foto: GWM
Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações