Viagem de Voluntariado – vai encarar?

20 fev 2019
00h01
  • separator
  • comentários

Dona de uma beleza singular, sorriso cativante e ar delicado, a Ketlen é uma menina de ar doce e forte ao mesmo tempo. É dessas pessoas otimistas que acreditam que pequenos gestos podem fazer uma grande diferença. Com este pensamento em mente, decidiu encarar uma viagem de voluntariado lá na África do Sul…uma experiência transformadora em sua vida e que a fez enxergar o mundo com muito mais carinho e empatia.

Viagem de voluntariado na África do Sul
Viagem de voluntariado na África do Sul
Foto: Ketlen Cristina

Nesta entrevista ela divide um pouco desta experiência. 

Ketlen, por que uma viagem de voluntariado? 
Tudo começou em uma jornada de autoconhecimento. Descobri que não estava satisfeita com o quanto me doava a outras pessoas, sentia que precisava fazer algo bom, de alto impacto, juntei a isso o meu sonho de fazer intercâmbio e participar de uma causa social. A África do Sul deu super match para os dois objetivos.

Como escolheu o tipo de trabalho voluntário que faria e por que na África do Sul?
Busquei um destino que não fosse tão caro e que eu pudesse fazer o trabalho voluntário junto. Conheci a agência de intercâmbio Social Exchange do Bem em uma feira de intercâmbio e me apresentaram o projeto Heart for Orphans. Me apaixonei, era um lugar em que eu poderia fazer a diferença dando muito carinho e atenção para crianças de periferia, além de poder realizar meu sonho do intercâmbio.

Quanto tempo durou essa viagem?
Foram uns 45 dias no total. Meu trabalho de voluntário foi de 2 semanas e depois disso passei mais 1 mês na Cidade do Cabo (África do Sul) fazendo curso de inglês.

Que tipo de trabalho realizou durante a viagem?
Atuei em creches de periferias ajudando em tudo que era necessário. Passava boa parte do tempo brincando com as crianças, ajudando na alimentação, organização e atividades pedagógicas.

Você ficou em uma grande cidade ou foi para algum lugar menor?
A Cidade do Cabo é enorme, mas fiquei em uma região bem afastada do centro da cidade, chamada Noordhoek.

Onde ficou hospedada?
Fiquei hospedada em uma casa de voluntários. Lá havia voluntários de vários lugares do mundo e foi bem bacana conviver com eles e ao mesmo tempo desafiador. Lá tínhamos o café da manhã e jantar todos os dias. Era um lugar bem tranquilo, parecido com uma casa de campo.   

Como era sua rotina durante o período do voluntariado?
Minha rotina com o trabalho voluntário era de segunda a quinta, trabalhava das 09h00 às 16h00 com intervalo de 2h de almoço. Ficávamos pela manhã em uma creche e à tarde em outra. De sexta-feira trabalhávamos até as 12h00 e após isso o fim de semana era livre para curtir a cidade. A Cidade do Cabo é maravilhosa, tem muitas paisagens lindas, praias, montanhas e muitas coisas para fazer. É um lugar que deveria estar na lista de lugares a se conhecer de todo mundo.

O que você aprendeu com essa experiência?
Deixo aqui o mesmo depoimento que dei para a agência: Aprendi que é possível passar por grandes dificuldades com um sorriso no rosto, fé e alegria no coração. Essa lição me dará força para a vida! E isso foi o melhor de tudo, ver como o voluntariado promove mudanças. Mudanças não só na vida de quem recebe o trabalho, recebe a doação, mas também naquele que o presta, que doa. É uma atividade que a gente faz sem querer nada em troca, mas gera um bem danado para a alma. Muitas vezes reclamamos tanto de como as coisas não dão certo no nosso meio, na nossa cidade, no país, no mundo, mas não fazemos nada a respeito. E passar por essa experiência é uma chance de fazer diferente, de fazer a diferença.

O que você deixou de legado para a comunidade com que trabalhou?
Bom, tentei ao máximo promover mudanças na vida dos pequenos com que tive contato. Não tinha condições financeiras para mudar a realidade física estrutural deles, por mais que quisesse muito, por isso foquei no que podia dar naquele momento e que nenhum dinheiro poderia comprar. Dei muito amor, carinho, atenção. Para os maiores tentei fazer com que acreditassem neles mesmos e no futuro deles, independentemente de suas realidades. Se eles acreditarem que era possível, poderão alcançar os tão lindos e grandes sonhos que têm. Deixei dois cartazes no mural deles e espero que os pequenos quando aprenderem a ler possam ser impactados por eles também!

O que você diria para alguém que está pensando em fazer uma viagem de voluntariado?
Diria que é uma experiência MARAVILHOSA e que vá sem medo! Seja com crianças, animais, idosos ou o que for, vá de coração aberto e se surpreenda! Você sairá de lá outra pessoa e se sentirá realizado em estar fazendo de fato a sua parte para contribuir a um mundo melhor! 

Você mantém contato com as pessoas que conheceu na viagem?
Sim, tenho grande parte dos amigos que fiz lá em minhas redes sociais e os acompanho. Acho incrível poder ter amigos ao redor do mundo e saber que um dia iremos nos encontrar novamente nesse mundão afora.  

O que essa viagem mudou em você?
Foi transformador em todos os sentidos. Me senti muito amada e enxergo o mundo e as pessoas com muito mais carinho e empatia. Me preocupo mais com causas e em ter um propósito de vida a seguir. Esse foi meu primeiro trabalho voluntário internacional e sei que muitos outros virão. Enquanto não posso viajar novamente, tenho feito outros trabalhos sociais em minha cidade e é assim que tem que ser. Podemos fazer a nossa parte em qualquer lugar do mundo, basta termos força de vontade e amor no coração!

Lindo, né?! Ketlen, parabéns pela inciativa e coragem de se jogar numa aventura dessas! Sua história é uma inspiração! Que você continue fazendo a diferença no mundo e propagando amor, carinho e empatia.

Veja também:

Arqueólogos recriam cidade perdida com tecnologia a laser

 

Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • comentários
publicidade