Uruguai é destino para quem quer luxo e maravilhas naturais

Embora a referência continue sendo Punta del Este, a cerca de 140 quilômetros a leste de Montevidéu, outros destinos do departamento (estado) de Maldonado - onde fica o famoso balneário - como José Ignacio e Laguna Garzón, marcam o roteiro turístico nos últimos anos.

"As duas tendências (na região) são para o interior, para o campo, onde se podem realizar atividades rurais muito próximas ao mar, e para o leste da costa, em direção ao Brasil", afirma em entrevista Juan Irala, consultor da imobiliária Terramar Christie's.

Em pleno verão, Juan recebe a Agência Efe em seu escritório de José Ignacio, uma vila litorânea famosa por seu farol e onde só restam dois lotes para venda, de 1.000 metros quadrados cada um e no valor de US$ 5 milhões.

José Ignacio, onde Shakira tem um sítio para onde ia com seu ex-namorado, o argentino Antonio de la Rúa, é a viva imagem da resposta ao desenvolvimento imobiliário incessante de Punta del Este nas últimas décadas, marcado sobretudo por altos prédios de apartamentos.

Sem dar totalmente as costas ao balneário, as novas tendências em turismo apostam mais em espaços que assegurem uma maior superfície e, sobretudo, uma maior privacidade. "O que antes, em um primeiro momento, era um lugar de veraneio tipicamente argentino no estrangeiro foi incorporando outros amigos", explica Juan. Segundo o especialista, "nos últimos anos houve um fenômeno muito interessante a partir dos jogadores de polo argentinos, que sempre veranearam em Punta del Este e sua relação com os patrões desse esporte elitista na Europa, sobretudo no Reino Unido e França. Isso despertou o interesse de ricos europeus que têm propriedades em outros lugares como Saint Bars, Mônaco".

Por outro lado aconteceu também "a (esperada) descoberta por parte de São Paulo e Rio de Janeiro deste destino, que hoje sem dúvida (os brasileiros) já adotaram", acrescenta o representante de Terramar Christie's, uma empresa uruguaia filiada ao ramo imobiliário da famosa casa de leilões britânica.

Minimalismo, golfe e caviar
A penetração do Brasil não só é palpável pelo crescimento do turismo procedente do país vizinho, mas também por empreendimentos como o Fasano, um hotel da rede brasileira do mesmo nome, complementado com um desenvolvimento imobiliário impulsionado pela também brasileira JHSF.

Os preços dos quartos em temporada alta oscilam entre os US$ 900 e US$ 1.300 a diária. E no entanto fica cheio. "Na primeira quinzena tudo fica cheio, houve muita ocupação", diz à Efe Elizabeth Hazi, relações públicas do hotel. O Fasano abriu em 2010 e conta com 180 empregados para 32 quartos projetados em forma de bangalôs pelo famoso arquiteto brasileiro Isay Weinfeld, com um estilo minimalista que se integra à paisagem.

O restaurante do hotel é frequentado por celebridades argentinas, como os apresentadores de televisão Susana Giménez e Marcelo Tinelli, mas também de outros lugares do planeta, como a modelo israelense Bar Refaeli, o guitarrista britânico Ron Wood, dos Rolling Stones, e o filho mais novo de Caroline de Mônaco, Pierre Casiraghi.

No seleto cardápio do estabelecimento, situado no ponto mais alto da propriedade, com impressionantes vistas do sítio, sobressai um prato de caviar uruguaio (produto obtido em criadores de esturjão de Río Negro, no interior do país), acompanhado de blínis (uma pasta recheada russa), por quase US$ 500, e uma garrafa de vinho francês Chateau Leoville Las Cases de 1988, a um preço de US$ 1.050.

O hotel, onde o DJ francês David Guetta se alojou em janeiro quando fez um show exclusivo na região, ocupa 30 dos 480 hectares do projeto imobiliário, que em 2011 vendeu 27 lotes de entre 5.000 e 8.000 metros quadrados, no valor entre US$ 1 milhão e US$ 1,6 milhão.

Durante um percurso de exibição dos lotes à venda, Jimmy Fowler, outro consultor da Terramar Christie's, explica que no recinto está sendo construído um campo de golfe de nove buracos, projetado pelo ex-golfista americano Arnold Palmer.

Em um momento da conversa, Fowler alardeia ter tido este ano como cliente Sean Parker, um dos fundadores do Facebook. Parker e sua namorada alugaram em José Ignacio uma casa durante dez dias por US$ 150 mil. "Trataram bem os empregados, com boas gorjetas e com educação", detalha o consultor, que teve que fretar um avião privado para dois de seus convidados que chegavam de Buenos Aires.

Segundo estimativas da imprensa uruguaia, o aeroporto de El Jagüel, de Punta del Este, recebeu este verão dez helicópteros e 50 aviões particulares, somados aos mais de 500 iates que ancoraram na marina da localidade.

Estes números contrastam com a austera forma de viver do presidente do país, o ex-guerrilheiro José Mujica, que por decisão própria transformou em residência presidencial uma chácara (fazenda) na qual cultiva flores e hortaliças, e vive com o salário mínimo nesta pequena nação de pouco mais de três milhões de habitantes, que chega a 7.600 pesos (US$ 380).

Entre Wyoming e Saint Tropez
Um outro hotel exclusivo da região é na realidade dois em um, Estancia Vik e Playa Vik, ambos localizados a poucos minutos de distância de carro, em José Ignacio. O maior deles é o Estancia Vik, inaugurado em 2008 pelo norueguês Alexander Vik, descendente de um embaixador uruguaio em Oslo, e sua mulher americana Carrie. Através do hotel, o empresário escandinavo pretende "anunciar o Uruguai para o resto do mundo" como um tipo de tributo a seus ancestrais, explica o gerente da estadia, Agustín Leone.>

Seus clientes, 90% dos quais são europeus ou americanos, pagam entre US$ 1.000 e US$ 1.200 a diária para se alojar em um recinto projetado ao estilo das velhas estâncias platinas e decorado com obras dos mais importantes artistas uruguaios contemporâneos, como Pablo Achugarri, Marcelo Legrand, Marcelo Daglio, Águeda Dicancro, Ricardo Pascale e Alejandro Turell.

Assim, ao despertar, o hóspede pode gozar de um formoso quadro que somente encontraria em uma galeria de arte em plena cidade e ver um cavalo pastar através da porta do terraço da suíte. "Os Vik sempre destacam que no leste uruguaio é possível encontrar o oceano e o campo em apenas 15 minutos, passar de Saint Tropez (França) a Wyoming (Estados Unidos)", acrescenta Leone.

Outro atrativo são os passeios de mountainbike e as cavalgadas pelos 1.500 hectares da estadia, banhada pelas águas da lagoa José Ignacio, onde é possível navegar de canoa e caiaque, assim como as glamorosas partidas de polo que de vez em quando são organizadas.

Além disso, se os clientes da Estancia Vik quiserem ver o mar podem ir para o outro hotel da empresa, Playa Vik, a poucos minutos dali, para desfrutar de suas piscinas de borda infinita e seus entardeceres intermináveis, rodeados também das mais valiosas obras de arte uruguaias.

Novos investimentos para o futuro
No meio de tanto luxo e abundância, é inevitável perguntar pela crise. Segundo Juan Irala, ela não só não foi sentida na região, mas inclusive beneficiou o setor, pois os investidores europeus buscam "ativos sólidos nos quais se refugiar e a costa leste uruguaia não tem um alto lucro, mas é um investimento seguro".

"O Uruguai é um país seguro, tem uma democracia muito bem estabelecida e instituições sólidas", acrescenta Fowler. Perante tal cenário é lógico que os projetos se multipliquem como pães.

Um deles é o Setai, considerado o produto de destaque da Terramar Christie's, porque está sendo construído em primeira linha de mar em José Ignacio. Trata-se de um luxuoso hotel que poderia estar pronto em 2013, complementado - como no caso do Fasano - com 40 lotes de 2.000 metros quadrados que vão ser vendidos por entre US$ 3 milhões e US$ 5 milhões.

Embora o maior desenvolvimento, segundo o especialista, vá acontecer com "a incorporação nos próximos anos dos 30 quilômetros de costa mais próximos a José Ignacio em Rocha", um departamento na fronteira com o Brasil que hoje em dia vive do turismo ecológico e de certas tinturas hippies.

Praia sobre o arroio Maldonado do Estancia Fasano, opção luxuosa no Uruguai
Praia sobre o arroio Maldonado do Estancia Fasano, opção luxuosa no Uruguai
Foto: EFE
EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade