PUBLICIDADE

Destinos imperdíveis na Serra da Mantiqueira

A região tem cidades como S. Bento do Sapucaí, S. Francisco Xavier e Campos do Jordão [...]

14 jun 2024 - 10h42
(atualizado às 15h26)
Compartilhar
Exibir comentários

Entre São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais tem um destino que é a cara do inverno: a Serra da Mantiqueira.

Nessa região montanhosa com cidades a mais de mil metros de altitude, o turismo costuma acontecer acima das nuvens, em locais como as paulistas São Bento do Sapucaí, São Francisco Xavier e a gourmetizada Campos do Jordão.

Já no setor mineiro, os destaques são Aiuruoca, Monte Verde e Gonçalves. No Rio de Janeiro, o destaque é o Parque Nacional do Itatiaia, endereço do primeiro parque do gẽnero do Brasil, na tríplice fronteira entre Itamonte (MG), Queluz (SP) e Resende (RJ), onde acontece a exigente trilha no Pico das Agulhas Negras.

São Francisco Xavier
São Francisco Xavier
Foto: Eduardo Vessoni / Viagem em Pauta

 

O que fazer na Serra da Mantiqueira

MINAS GERAIS

Monte Verde, distrito de Camanducaia, fica a 166 quilômetros de São Paulo e é um dos destinos mais populares da Serra da Mantiqueira mineira.

Embora seu centrinho de ruas lotadas de turistas e construções de estilo alpino sejam a principal atração, é nas montanhas que Monte Verde mostra sua melhor versão, como as trilhas da Pedra Redonda (926 metros de extensão e grau médio de dificuldade), com vista panorâmica da Mantiqueira, e a do Pinheiro Velho (1,2 km e nível fácil), cujo destaque é uma araucária de cerca de 500 anos.

Em área urbana, o destaque é a avenida Monte Verde, principal via do distrito, com lojas que comercializam os tradicionais trabalhos de pintura Bauer, técnica alemã com desenhos de tons vibrantes.

Trilha da Pedra Redonda
Trilha da Pedra Redonda
Foto: Creative Commons / Viagem em Pauta

A 182 quilômetros da capital paulista, Gonçalves, é outro destino do extremo sul de Minas Gerais e pode ser combinado em um roteiro pelas paulistas São Bento do Sapucaí, a 23 quilômetros dali, e Campos do Jordão, a 63 quilômetros.

Esse município de pouco mais de quatro mil habitantes tem turismo gastronômico com ingredientes orgânicos, e de aventura, com opções de caminhadas com diferentes graus de dificuldade, como as trilhas do Samambaiaçu (1,6 km, ida e volta) e a da Pedra Bonita (7 km até o ponto mais alto da cidade, a 2.120 metros de altitude, entre Gonçalves e Sapucaí Mirim).

Já em Aiuruoca, a 350 quilômetros da capital paulista, o turismo gira em torno das cachoeiras, nos vales dos Garcias e do Matutu.

O primeiro apresenta melhor estrutura turísticas, apesar de ter menos atrativos, como as cachoeira dos Garcias e da Prainha.

Já o Vale do Matutu, a 17 quilômetros do Centro de Aiuruoca abriga as atrações naturais mais populares, como a Cachoeira dos Macacos, pequena queda d'água com duchas naturais, e a Deus Me Livre, com poções naturais e três quedas de até 15 metros.

Para os mais preparados, a dica é o Pico do Papagaio, principal atrativo do parque estadual homônimo, acessado por uma trilha exigente de 7,5 quilômetros (só ida).

RIO DE JANEIRO

A 264 quilômetros da capital paulista fica Itatiaia, onde o turismo na Serra da Mantiqueira vai do nível do chão a um dos pontos mais altos do Brasil.

O roteiro inclui o bairro Penedo, onde a única colônia do país fundada por finlandeses abriga a Pequena Finlândia, parque temático que guarda a casa oficial de verão do Papel Noel, e o Museu Finlandês Eva Hilden, com mais de mil peças trazidas por imigrantes.

Quem procura ecoturismo deve seguir para a vizinha Resende, com atividades de ecoturismo, em localidades como Maringá e Maromba.

Mas a atração mais famosa (e exigente) é a Trilha do Pico das Agulhas Negras, uma das mais cênicas do Brasil e com acesso ao quinto ponto mais alto do Brasil, a 2.791 metros de altitude, na tríplice fronteira entre Itamonte (MG), Queluz (SP) e Resende (RJ).

Juliana Simões/Arquivo Pessoal
Juliana Simões/Arquivo Pessoal
Foto: Viagem em Pauta

SÃO PAULO

São Bento do Sapucaí é a meca da escalada paulista, onde acontece a caminhada cênica até o topo da Pedra do Baú.

No nível do chão, esse destino a 185 quilômetros da capital paulista tem produções de vinhos, em vinícolas como a Villa Santa Maria (villasantamaria.com.br) e a Entre Vilas (entrevilas.com.br), e degustação de azeitonas, no Bairro do Cantagalo, na OLIQ (oliq.com.br).

Outro destaque é o Roteiro de Mosaicos, onde os artistas Ângelo Milani e Claudia Vilar revestiram construções com mosaicos coloridos, em locais como a capela da Rua Treze de Maio e Casa de Cultura de São Bento.

São Francisco Xavier é um distrito de São José dos Campos bastante procurado por casais e famílias, entre São Chico e Monteiro Lobato, a 150 quilômetros da capital paulista.

Uma das atrações imperdíveis é a Pedra de São Francisco, complexo de ecoturismo com mirantes naturais em imensas pedras arredondas, restaurante, passeios de bicicleta, trilhas e tirolesa.

Perto dali fica Monteiro Lobato, terra do avô do escritor, o Visconde de Tremembé, que dá nome ao município, onde fica a Fazenda Buquira, que já foi conhecida como o "verdadeiro Sítio do Pica-Pau Amarelo".

O visitante conta também com atrações como a praça Cunha Bueno, que guarda um busto de Monteiro e lojinhas com bonecos inspirados em seus personagens, e atividades de ecoturismo, como a Pedra do OM, no bairro do Souza, e o Mirante das Antenas, a 3,5 quilômetros do Centro e com vista do Vale do Paraíba.

Pedra de São Francisco
Pedra de São Francisco
Foto: Eduardo Vessoni / Viagem em Pauta

Campos do Jordão

Com preços mais elevados (e serviços nem sempre à altura), essa cidade a 170 quilômetros de São Paulo é o destino mais famoso de toda a Mantiqueira paulista.

O endereço mais procurado é a Vila Capivari, bairro com lojas, bares e restaurantes em construções de estilo germânico. É ali que fica também o Parque Capivari, endereço do primeiro teleférico monocabo de cadeirinhas no Brasil, que segue até o Morro do Elefante.

Outros atrativos são o Palácio Boa Vista, casa com mais de 100 aposentos e quase duas mil obras de arte, como as de Anita Malfatti, Cândido Portinari e Tarsila do Amaral; e o Bosque do Silêncio, área verde de 100 mil m² com trilhas interpretativas, tirolesa e arvorismo.

Já o Museu Felícia Leirner fica em um parque de 35 mil m² com trilhas autoguiadas, em meio a obras de arte ao ar livre.

A cidade é palco também do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, que em 2024 vai de 29 de junho a 28 de julho, com concertos de música clássica.

Foto: Bruna Brandão/Divulgação / Viagem em Pauta
Viagem em Pauta
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade