0

Veja perguntas e respostas sobre o sarampo

Brasil tem cerca de 1,9 mil casos suspeitos da doença; baixa imunização preocupa

6 jul 2018
14h21
atualizado às 14h29
  • separator
  • comentários

Qual a situação atual do País em relação ao sarampo?

O Brasil tem cerca de 1,9 mil casos suspeitos de sarampo e mais de 470 confirmados. A maior parte foi registrada nos estados de Amazonas e Roraima. Há também sete casos confirmados no Rio Grande do Sul. O surto preocupa ainda o Rio. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, 17 casos são investigados. São Paulo registrou em abril um caso confirmado de sarampo - mas de uma pessoa que contraiu a doença em viagem ao Líbano. O Estado não tem até agora casos autóctones.

Tire suas dúvidas sobre sarampo
Tire suas dúvidas sobre sarampo
Foto: South_agency / iStock

Quais os sintomas da doença?

Os sintomas do sarampo são febre alta, acima de 38,5°C; exantema (erupções cutâneas vermelhas); tosse; coriza; conjuntivite e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal de 1 a 2 dias antes do aparecimento do exantema.

O sarampo pode matar?

Sim. Complicações infecciosas decorrentes do sarampo podem levar à morte, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade.

Qual a forma de prevenção?

Como é uma doença extremamente contagiosa, a única forma de se prevenir é com a vacinação, que deve ser aplicada em duas doses: uma aos 12 meses e a outra, aos 15 meses. Em 2016, o Brasil foi considerado livre do sarampo e busca manter essa certificação.

Qual a situação da vacinação no País?

Apesar da importância da vacinação, a cobertura vacinal contra o sarampo tem caído no Brasil. Em 2017, a segunda dose da vacina havia atingido 71,6% do público-alvo no Brasil. Apenas o Estado do Ceará atingiu imunização superior a 95% - meta do Ministério da Saúde e preconizada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em São Paulo, a cobertura da segunda dose (tetra viral) é de 67,9%. Já a cobertura da tríplice viral é de 74,3%.

Por que a cobertura está baixa?

Segundo especialistas e autoridades ligadas à saúde, há baixa adesão da população às campanhas. Eles apontam como motivo a falsa sensação de que o problema estava erradicado.

Quem deve se vacinar?

A primeira dose deve ser dada a crianças de 12 meses de idade. Já a segunda, a crianças de 15 meses (1 ano e 3 meses). Gestantes, crianças com menos de 6 meses e imunocomprometidos não devem receber a dose. A gestante deve esperar para ser vacinada após o parto.

Adultos estão livres da doença?

Não. E adultos na faixa de 30 anos devem, especialmente, ficar atentos. Isso porque, no passado, a vacinação era feita aos 9 meses e em apenas uma dose. Portanto, eles devem procurar o serviço de saúde para atualizar a caderneta de vacinação. "Todos têm de saber o seu passado de vacinação e, na dúvida, se vacinar. Não tem overdose", explica Flávia Bravo, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbin-RJ).

Veja também:

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade