PUBLICIDADE
Logo do

Novidades

Homens que dispensam paquera por causa do mau hálito

Pesquisa mostra que o mau hálito é o principal responsável pelo fracasso dos primeiros encontros

21 ago 2015
Publicidade

Ela tinha hálito de enchente
“Nos conhecemos pelo Facebook, e a menina vivia postando fotos superlegais e que mostravam que ela era bonita e tudo mais. Trocamos telefone e combinamos de nos encontrar para tomar uma cerveja. Porém, quando a vi, percebi que estava em uma roubada. A menina era bem mais alta que eu (uns 10 cm) e não era exatamente como nas fotos, digamos que era uma boa estrategista de ângulos. Chegamos no bar, ficamos conversando, mas não rolou nada e, no caminho para casa, percebi que ela ficou meio para baixo. Na frente da casa dela, vi que estava esperando algo e resolvi beijá-la. Porém, isso foi a pior coisa que fiz, o gosto do beijo era de enchente. Era muito mau hálito e acho que não percebi porque não sentei perto dela no bar. Depois disso eu caí fora. Ela ainda curte minhas fotos, mas eu não curto nada dela. A enchente me traumatizou de verdade”. 

Essa foi a história de uma paquera malsucedida de Caio Bastos, 30.  Ele é um dos exemplos de uma pesquisa feita por um site britânico de relacionamentos que revelou que o mau hálito é o principal responsável pelo fracasso dos primeiros encontros. No questionário, feito com mil ingleses entre homens e mulheres, a halitose foi citada por 79% dos entrevistados. E o mau hálito não coloca apenas o primeiro encontro a perder, mas relacionamentos que tinham fortes indícios que poderiam dar certo. 

Linda, gente boa, mas com bafo
Foi o que aconteceu com Rodolfo Gonçalvez, 30. “Ela era minha amiga do colégio e começamos a ficar. A menina era linda, emprego legal, inteligente, família muito bacana e me adorava. Eu também gostava dela demais, a gente se divertia muito, mas, às vezes, eu sentia um bafo vindo da boca dela. No começo, pensei que era uma comida ou outra, ou cerveja, porque quando bebo fico com gosto ruim na boca. Aí vi que o bafo existia não só dependendo do jantar, mas a tarde, vendo um filme por exemplo. O mau hálito realmente me incomodou, pensei: quantos anos vou aguentar esse cheiro falando comigo? Aí deu uns dois meses e terminei”.

Em uma pesquisa, 79% dos entrevistados citaram o mau hálito como motivo do fracasso do primeiro encontro
Em uma pesquisa, 79% dos entrevistados citaram o mau hálito como motivo do fracasso do primeiro encontro
Foto: CREATISTA / Shutterstock

Não é preciso terminar
Segundo o psicólogo Thiago de Almeida, autor dos livros: "A arte da Paquera: inspirações à realização afetiva" e "Amor, ciúme e infidelidade: como essas questões afetam a sua vida", a melhor forma de não colocar tudo a perder é conversando. “Abordando o assunto sem brincadeiras e preconceitos, a pessoa em questão poderá procurar ajuda e acabar com a causa do mau hálito. É constrangedor falar sobre isso com uma pessoa que estamos conhecendo há pouco tempo, mas, se deixar passar o momento também será constrangedor mais tarde, portanto, arme-se de coragem e vá à luta. Converse, exponha sua opinião, seus conselhos. Mais tarde essa pessoa irá lhe agradecer”, garante.

Uma dica do psicólogo Oswaldo M. Rodrigues Jr., é falar na primeira pessoa do singular, sobre como você se sente. “Essa será uma forma que não colocar a culpa no outro, o que permite que sejamos ouvidos. Se a outra pessoa realmente se importa e assim demonstra ao falar de um problema, isto não pode ser tomado como constrangimento, mas como ajuda. Na sequência, se ofereça para procurarem uma solução juntos para demonstra que não quer o mal ao outro”, diz.

Mas, para quem não tem coragem para falar sobre isso, a Associação Brasileira de Halitose (ABHA) oferece o serviço SOS Mau Hálito, que avisa, por meio de e-mail ou carta, a pessoa que sofre com o problema.

SOS Mau Hálito 
Acesse www.abha.com.br 
Clique no "SOS Mau Hálito" 
Cadastre os dados de quem receberá a mensagem

 

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados.
Publicidade