PUBLICIDADE
Logo do

Novidades

Bolada na cara? Saiba o que fazer para salvar seu dente

Conheça o relato de gente que quebrou o dente bêbado, com a patada de um cachorro, com a cabeçada do irmão e comendo pêssego

15 mai 2015 08h00
| atualizado às 10h58
Publicidade

Quebrar o dente é bem desagradável. Além da dor, a aparência banguela e o inchaço, que às vezes acompanha a cena, não são nada sedutores. Mas sempre há conserto, seja com restaurações ou reimplantes. O diferente mesmo são as histórias que antecedem os acidentes. Conheça quatro bem curiosas e saiba o que fazer em caso de dente partido, restauração solta ou lábio cortado. 

Fratura em dose dupla
Ângelo e Antônio Junqueira, 25 anos, sempre foram irmãos muito unidos. Tão unidos que até conseguiram quebrar o dente juntos durante uma brincadeira. “A gente sempre jogava futebol na laje juntos. Brincávamos de gol a gol. Um dia eu dei um chute mais forte e acertei o rosto do meu irmão que caiu gritando e dizendo que eu tinha quebrado o dente dele. Fiquei preocupado e corri para ajudar. Quando me aproximei, ele levantou a cabeça com tudo e acertou minha boca em cheio. Resultado? Os dois no dentista com o dente quebrado”, conta Antônio.

Uma bolada no rosto pode levar à perda dos dentes definitiva. Neste caso, só o implante pode resolver
Uma bolada no rosto pode levar à perda dos dentes definitiva. Neste caso, só o implante pode resolver
Foto: istock / Getty Images

Bolada na cara
Essa é uma história clássica que reúne crianças, um jogo de queimada e uma bola bem dura. Lucas Junko, 28 anos, adorava participar de todos os campeonatos da escola. “Tinha uns 11 anos e era a estrela do time da escola. Mas do nada tomei uma bolada no rosto que eu não sei nem de onde veio. Apaguei na hora e quando acordei, além da tontura, fui informado que tinha perdido o dente inteiro. Chorei demais, porque achei que ia ficar banguela para sempre”, brinca Lucas. Neste caso, só o implante resolveu.

Caroço do pêssego e fofoca
“Estava no maior papo com uma amiga no telefone e comendo um pêssego. Ele estava tão delicioso que, no finalzinho, coloquei o caroço na boca para chupar todo o caldinho. Quando minha amiga me contou uma fofoca inacreditável acabei sem querer dando uma bela mordida no caroço e ouvi um estalo. Na hora eu soube: minha restauração tinha soltado”, lembra Daniella Lessa, 34 anos. 

“Quando isso acontece é indicado fazer bochechos com água morna para reduzir a sensibilidade e continuar normalmente com a higienização da área para manter a cavidade sempre limpa, evitando infecções. Também é bom evitar mastigar qualquer alimento com o dente danificado, pois isso poderá prejudicar suas estruturas internas”, diz o endodontista Eduardo Fonseca Bello.

Patada de cachorro
Karen Mello, 33 anos, foi recrutada pela amiga para resgatar um cachorro na rua e levá-lo ao veterinário. Lá, o bichinho deu mais trabalho do que elas imaginavam. “Ele era enorme e estava com muita dor, porque estava com a perna quebrada. Na hora de examiná-lo, foi preciso muita gente para segurá-lo e eu me prontifiquei. Quando a veterinária mexeu no ferimento, ele deu um pulo e me deu uma patada no lábio que cortou por causa da unha dele. Sangrou demais. O pedaço do dente que quebrou foi pequeno. No fim, era eu sendo tratada de um lado e o cachorro do outro”, diz Karen. 

Em casos de cortes no lábio, recomenda-se lavar bem o local com água ou água oxigenada e pressionar o sangramento com uma gaze umedecida. Colocar um pouco de gelo ou chupar um sorvete também pode ajudar a aliviar a dor e a não inchar.

 

Fonte: Agência Beta Este conteúdo é de propriedade intelectual do Terra e fica proibido o uso sem prévia autorização. Todos os direitos reservados.
Publicidade