0

Relação entre ser vespertino e saúde

4 dez 2018
07h12
  • separator
  • comentários

Na primeira revisão internacional de estudos analisando se ser um matutino ou um vespertino pode influenciar sua saúde. Pesquisadores descobriram um crescente corpo de evidências indicando um aumento do risco de problemas de saúde como doenças cardíacas e diabetes tipo 2 em pessoas com preferência noturna ou vespertinos, já que elas têm uma alimentação mais errática. e consumem mais alimentos não saudáveis. O corpo humano funciona em um ciclo de 24 horas que é regulado pelo nosso relógio interno, conhecido como ritmo circadiano ou cronotipo. Este relógio interno regula muitas funções físicas, como dizer quando comer, dormir e acordar. O cronotipo de um indivíduo faz com que as pessoas tenham uma preferência natural por acordar cedo ou ir dormir tarde.

As pessoas que vão para a cama mais tarde tendem a ter dietas menos saudáveis, consumindo mais álcool, açúcares, bebidas com cafeína e fast food do que os matutinos. Eles consistentemente relatam padrões alimentares mais erráticos, como eles perdem café da manhã e comem no final do dia. Sua dieta contém menos grãos e vegetais e comem menos refeições, mas maiores. Eles também relatam níveis mais altos de consumo de bebidas cafeinadas, açúcar e lanches, do que os matutinos, que comem um pouco mais de frutas e vegetais por dia. Isso potencialmente explica porque os vespertinos têm um risco maior de sofrer de doenças crônicas.

Também foi constatado que comer no final do dia está ligado a um aumento do risco de diabetes tipo 2, porque o ritmo circadiano influencia a forma como a glicose é metabolizada no corpo. Os níveis dela devem diminuir naturalmente ao longo do dia e atingir seu ponto mais baixo durante a noite. No entanto, como os vespertinos costumam comer pouco antes de dormir, seus níveis de glicose aumentam quando estão prestes a dormir. Isso poderia afetar negativamente o metabolismo, pois seu corpo não está seguindo seu processo biológico normal.

Referência

Almoosawi, S, et al. Chronotype: Implications for Epidemiologic Studies on Chrono-Nutrition and Cardiometabolic Health .  Advances in Nutrition , 2018

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade