PUBLICIDADE

Ovulação: o que é e como acontece

Ginecologista explica quando o corpo da mulher tem mais chance de engravidar e alerta sobre os cuidados no período fértil

2 ago 2021 11h07
ver comentários
Publicidade
De acordo com a Dra. Ana Paula Mondragon, obstetra e ginecologista,
De acordo com a Dra. Ana Paula Mondragon, obstetra e ginecologista,
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Toda mulher quando passa a menstruar começa ovular, no entanto, há dúvidas sobre o que é ovulação e quando ela geralmente ocorre, principalmente para aquelas que fazem uso do anticoncepcional. Para esclarecer o assunto, o SD conversou com a Dra. Ana Paula Mondragon, obstetra e ginecologista.

"A ovulação é definida pelo período exato em que o óvulo é expelido do folículo em que foi produzido dentro do ovário. Já o período fértil é o momento mais adequado para a mulher engravidar, mas para que esse fenômeno ocorra é necessário que haja um pico no hormônio luteinizante (LH)".

"Esse fenômeno da ovulação ocorre rapidamente (24 à 36 horas após o aumento do hormônio) e gera um período fertilizador de aproximadamente 6 dias, ou seja, nessa fase a mulher corre maior risco de engravidar".

A ginecologista ressalta que o espermatozoide pode permanecer vivo por até 5 dias, portanto ainda que a relação tenha sido fora do período de ovulação, a gravidez pode acontecer. 

Além disso, a ovulação inicia aproximadamente de 12 à 16 dias antes da próxima menstruação, isso varia de cada mulher. De acordo com a Dra. Ana Paula existem ciclos de 25, 28 ou 30 dias. Mas, se a mulher não tiver seu ciclo regulado torna-se extremamente difícil calcular o dia exato da ovulação.

Segundo o portal Alto Astral a ovulação pode gerar alguns sintomas, como alteração no muco cervical, tornando-o mais transparente e elástico, aumento da sensibilidade dos seios e da temperatura corporal. 

Existe período fértil para as mulheres que fazem uso do anticoncepcional?

A especialista esclarece que para as mulheres que fazem uso de anticoncepcional a ovulação não deve ocorrer, pois o uso regular (sem esquecimento e sempre no mesmo horário) do medicamento  faz com que a ovulação seja inibida diminuindo assim  as chances de ocorrer uma gravidez.

"A principal função deste medicamento é manter os hormônios "estáveis", ou seja, impedir que ocorra o pico de LH e consequentemente a ovulação. Outra ação do anticonceptivo é a  alteração  da motilidade das trompas uterinas dificultando a movimentação do óvulo dentro delas e a atrofia  do endométrio (parte interna do útero) deixando o mesmo impróprio para a implantação do embrião".

Os anticoncepcionais atuais são muito eficientes quando utilizados de forma adequada, porém não anulam totalmente o risco de uma gestação. A pílula anticoncepcional não é a única razão para uma mulher não ovular. A Dra. Ana Paula diz que existem múltiplas causas, mas a principal é a chamada 'anovulação' - Síndrome de Ovários Policísticos (SOP), um distúrbio hormonal que causa um aumento da produção de hormônios masculinos.

Outras possíveis causas da anovulação são algumas doenças como, diabetes descompensada, disfunções da glândula tireoide (hipertireoidismo ou hipotireoidismo) e outras alterações hormonais.

"Vale alertar que os ciclos anovulatórios podem ocorrer em qualquer época da vida, porém são mais comuns ocorrerem durante a adolescência e na pré-menopausa", finaliza a especialista.

Consultoria: Dra Ana Paula Mondragon, obstetra e ginecologista. 

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade