PUBLICIDADE

CBD e prática de esportes: como o canabidiol pode ajudar atletas

Fora da lista mundial antidoping desde 2018, o uso de CBD é cada vez mais comum entre atletas de alto rendimento devido aos seus benefícios

1 jul 2022 - 08h09
Ver comentários
CBD e prática de esportes: como o canabidiol ajuda no desempenho de atletas
CBD e prática de esportes: como o canabidiol ajuda no desempenho de atletas
Foto: Shutterstock / Sport Life

Desde 2018 o canabidiol (CBD) não está mais na lista de substâncias proibidas pela WADA (Agência Mundial Antidoping). Com isso, as Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio, no ano passado, foram os primeiros eventos olímpicos a liberarem o uso do ativo.

Essa mudança ocorreu graças ao avanço das descobertas sobre os benefícios do CBD, especialmente para atletas de alto rendimento que convivem com dores e ansiedade. "O CBD pode ajudar os atletas durante a prática do esporte porque ele diminui a ansiedade, eventualmente tem um fator anti-inflamatório e antiálgico, ou seja, age contra as dores", explica o Dr. Renato Anghinah, professor da Faculdade de Medicina da USP e CMO (Chief Medical Officer) da HempMeds.

De acordo com o médico, cada vez mais atletas estão passando a usar canabidiol, o que tem tornado essa prática recorrente na realidade e no dia a dia do esporte. Ele lembra que o corticoide era muito usado no mundo esportivo, mas passou a ser proibido pelas agências antidopagem. Hoje, o canabidiol ocupa essa função. "Eu sempre gosto de dizer que o canabidiol provavelmente vai ser o corticoide do século 21", comenta Renato.

Cannabis medicinal

A ciência já comprovou os benefícios e a qualidade de vida que a cannabis medicinal pode trazer para pacientes e atletas de alto desempenho, como destaca a neurocirurgiã e fundadora da WeCann Academy (Centro de Estudos em Medicina Endocanabinoide), Dra. Patrícia Montagner. "Muitos deles já haviam esgotado diversas alternativas de tratamento, sem êxito", revela.

A neurocirurgiã explica que o CBD isolado (isto é, separado do THC) não tem efeito psicotrópico e não causa dependência química. "Porém, o progresso dessa terapêutica esbarra no estigma e na falta de informação, o que resulta em prejuízos para quem sofre com as mais variadas doenças, muitas delas graves, refratárias e incapacitantes", declara Patrícia.

A substância tem eficácia no tratamento de várias doenças, como epilepsia, esclerose múltipla, transtorno do espectro autista, transtornos de ansiedade, Parkinson, Alzheimer, sintomas associados ao câncer, entre outros. Mais recentemente foi descoberto seu efeito anti-inflamatório e analgésico, o que mostra o CBD promissor também para portadores de dores crônicas, como osteoartrite, fibromialgia.

Benefícios do CBD para atletas

Não só para portadores de doenças crônicas, as descobertas recentes sobre os efeitos terapêuticos do CBD também são vantajosas para atletas de alto rendimento. A substância é efetiva no tratamento de dores e lesões, que fazem parte da rotina dos esportistas. "O CBD pode contribuir para o rendimento físico dos esportistas, melhorar o tratamento de lesões osteomusculares e tendinosas, e reduzir as dores e inflamações causadas durante os treinos", afirma a Dra. Patrícia.

A médica explica que, a partir das funções anti-inflamatórias do CBD, o atleta pode se beneficiar da regeneração muscular. Em modalidades como triathlon e ciclismo, por exemplo, que costumam ter treinamento excessivo e tempo insuficiente de recuperação, é comum o estado de baixo desempenho e fadiga crônica, como aponta a neurocirurgiã. Nesses casos, a substância pode aliviar os sintomas e contribuir para uma boa performance no esporte.

Saúde mental

Patrícia expõe que os atletas frequentemente sofrem com ansiedade e insônia por conta da carga de treinamentos e da pressão emocional. O tratamento com cannabis medicinal pode ajudar, já que seus potenciais analgésicos, anti-inflamatórios e neuroprotetores ajudam a dormir e reduzem o estresse e a ansiedade.

"A sensação não só de relaxamento, como de diminuir a ansiedade, melhorar distúrbios de sono e aliviar dores são algumas das características que o CBD tem mostrado", comenta o Dr. Renato. De acordo com a neurocirurgiã, Dra. Patrícia, os fitocanabinoides CBD e THC reúnem propriedades ansiolíticas e antidepressivas capazes de trazer a sensação de bem-estar.

Como apontou a médica, um estudo do Departamento de Psicologia da Universidade da Colúmbia Britânica reúne pesquisas evidenciando o potencial da cannabis na autogestão de quadros de ansiedade e depressão. "Os achados abrangem a minimização de transtornos psiquiátricos associados à dor crônica, sugerindo o aumento de percepções positivas e a diminuição de experiências negativas relacionados a esse contexto clínico", complementa Patrícia. 

Como o CBD pode ser consumido

Conforme os médicos, o princípio ativo da cannabis pode ser ingerido através do óleo (em gotas), em cápsulas, na forma inalada ou até mesmo em balas de goma. "Os atletas devem garantir que o produto com CBD não tenha mais do que 0,3% de THC, substância psicoestimulante da cannabis e responsável pelos efeitos principais da droga maconha", adverte a Dra. Patrícia.

O óleo importado é autorizado no Brasil desde 2015. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é a responsável pela autorização da importação de produtos derivados de cannabis para o tratamento de saúde. "Em 2019, a Anvisa regulamentou a comercialização de produtos à base de cannabis no país, desde então, já são 19 os produtos registrados que podem ser adquiridos diretamente pelas farmácias e drogarias através de receita médica controlada", revela a médica.

"É importante lembrar que os atletas ou qualquer outra pessoa que deseja se beneficiar dos efeitos terapêuticos da cannabis medicinal procure um médico prescritor capacitado para essa terapêutica, para que possa receber orientações seguras e prescrições assertivas", finaliza Patrícia.

Sport Life
Publicidade
Publicidade