0

A misteriosa doença ligada a cigarros eletrônicos que já matou seis pessoas nos EUA

O primeiro relato da doença misteriosa surgiu em abril, no Estado de Illinois; logo, médicos de todo o país começaram a descrever pacientes com sintomas semelhantes, que incluem dificuldade de respirar, fadiga, tosse, febre alta, náusea e vômito.

12 set 2019
05h00
atualizado às 05h54
  • separator
  • 0
  • comentários

Quando o jovem de 21 anos chegou ao hospital, ele sofria havia uma semana de dificuldade para respirar, dores abdominais, tosse, náusea e vômito. Com base no resultado de radiografias, recebeu inicialmente tratamento para pneumonia bacteriana.

Cigarro eletrônico surgiu como promessa de auxílio para quem deseja parar de fumar
Cigarro eletrônico surgiu como promessa de auxílio para quem deseja parar de fumar
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mas ele não respondia ao tratamento, e sua condição estava piorando. O paciente foi então entubado, com insuficiência respiratória. Esse recurso também não resolveu o problema, e ele precisou ser conectado a uma espécie de pulmão artificial durante sete dias.

Enquanto isso, os médicos realizavam testes para investigar a possibilidade de vários tipos de doenças, bactérias e vírus, mas não conseguiam determinar o que levou um jovem sem nenhum problema de saúde anterior a esse quadro. A única informação que tinham era que ele fumava diariamente cigarros eletrônicos com nicotina e THC (tetra-hidrocanabinol, componente psicoativo da maconha).

Apesar da gravidade do quadro, o jovem sobreviveu. Seu caso, relatado por médicos da Universidade de Utah na revista científica The New England Journal of Medicine, é 1 entre mais de 450 casos registrados em 33 Estados americanos nos últimos meses de uma grave e misteriosa doença pulmonar ligada ao uso de cigarros eletrônicos. Até agora, foram confirmadas seis mortes.

Os casos são investigados por especialistas do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças, agência de pesquisa em saúde pública ligada ao Departamento de Saúde), da FDA (Food and Drug Administration, agência do governo responsável pelo controle de medicamentos) e de departamentos de saúde estaduais.

Mas até agora não se sabe o que exatamente causa essa síndrome respiratória e se está ligada a um tipo específico de aparelho, substância ou ingrediente usado em cigarros eletrônicos. Enquanto buscam respostas, as autoridades dizem que os consumidores devem considerar a possibilidade de evitar o uso de cigarros eletrônicos.

Na quarta-feira, o governo do presidente Donald Trump anunciou que pretende proibir a venda da maioria dos cigarros eletrônicos que contêm sabor, em meio ao aumento do consumo entre adolescentes. A medida não afetaria produtos que não têm adição de sabor.

Produtos em que o governo de Nova York detectou presença de acetato de vitamina E
Produtos em que o governo de Nova York detectou presença de acetato de vitamina E
Foto: Departamento de Saúde do Estado de nova York / BBC News Brasil

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estuda a liberação da venda de cigarros eletrônicos, que é proibida desde 2009.

Vítimas jovens

O primeiro relato da doença misteriosa surgiu em abril, no Estado de Illinois. Logo, médicos de todo o país começaram a descrever pacientes com sintomas semelhantes, que incluem dificuldade de respirar, fadiga, tosse, febre alta, náusea e vômito.

Segundo a médica Jennifer Layden, epidemiologista-chefe do Departamento de Saúde Pública de Illinois que analisou 53 casos registrados em seu Estado e em Wisconsin, a maioria dos pacientes era jovem, com idade média de 19 anos, e não apresentava outros problemas de saúde. Quase todos necessitaram de hospitalização, mais da metade em unidades de terapia intensiva.

"Todos os pacientes tinham histórico de uso de cigarros eletrônicos e produtos relacionados no período de 90 dias antes do surgimento dos sintomas", disse Layden em artigo na revista científica The New England Journal of Medicine.

Um dos casos mais conhecidos foi o de Simah Herman, de 18 anos, que postou uma imagem no Instagram após acordar de um coma induzido.

Após receber tratamento para pneumonia e insuficiência pulmonar, ela resolveu usar a rede social para alertar contra o uso de vaporizadores e cigarros eletrônicos.

Na mensagem, ela diz "por favor alertem a família e amigos sobre os perigos do vaping porque só se darão conta disso quando estiverem numa situação séria como essa. Estou compartilhando minha história para que vocês não precisam ter a mesma experiência".

Segundo relatos de médicos, radiografias dos pacientes afetados trazem resultados semelhantes a pneumonia bacteriana ou viral, mas testes posteriores não mostram infecção ou outra condição que explique a doença pulmonar. Alguns dos doentes apresentaram quadro de pneumonia lipoídica, que é resultado da aspiração de partículas oleosas para dentro dos pulmões.

As primeiras mortes foram registradas em Illinois e Oregon. Na semana passada, outras três mortes, em Indiana, Minnesota e no condado de Los Angeles, foram confirmadas. Nesta semana foi anunciada uma morte no Kansas.

"Apesar de ser necessária maior investigação para determinar que agente ou agentes foram responsáveis, há claramente uma epidemia que exige uma resposta urgente", diz o médico David Christiani, da Universidade Harvard, em carta à The New England Journal of Medicine.

Investigação

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças lançaram investigação no início de agosto, com a participação da FDA e de autoridades de saúde e especialistas dos Estados afetados. "Estamos comprometidos em descobrir o que está deixando as pessoas doentes", diz o diretor do CDC, Robert Redfield.

Um temor é que jovens que normalmente não se interessariam pelo cigarro tradicional sejam atraídos pelo eletrônico
Um temor é que jovens que normalmente não se interessariam pelo cigarro tradicional sejam atraídos pelo eletrônico
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Segundo o comissário em exercício da FDA, Ned Sharpless, os laboratórios da agência já receberam para análise mais de 120 amostras de produtos e substâncias usados por doentes em todo o país, em um esforço para descobrir o que exatamente eles contêm.

Ainda não se sabe se a síndrome respiratória é resultado de alguma determinada toxina ou substância que foi parar nos produtos usados em cigarros eletrônicos ou se é simplesmente fruto do uso pesado desses aparelhos.

Há dezenas de tipos diferentes de cigarros eletrônicos e vaporizadores - que seguem o mesmo princípio, mas têm diferenças no formato e no armazenamento do líquido "fumado" eletronicamente. Neles, nicotina, THC ou aromatizantes são misturados a um tipo de solvente ou óleo. Esse líquido serve como difusor da nicotina ou do THC, ao ser aquecido, graças a uma bateria, transformado em vapor e inalado pelo usuário.

Essa solução líquida pode conter outros químicos para, por exemplo, alterar o sabor da mistura. Especialistas ressaltam que a mistura de vários ingredientes com os componentes primários e possíveis contaminantes podem resultar na produção de novos agentes, que podem ser tóxicos.

Uma das suspeitas é a de que os doentes tenham entrado em contato com produtos adulterados ilegalmente, com adição de químicos nocivos aos líquidos. O CDC ressalta que os cartuchos usados nos cigarros eletrônicos podem ter sido reutilizados com substâncias ilegais ou desconhecidas.

Entre as possibilidades investigadas está a de que a adulteração tenha se concentrado em produtos usados para inalação de THC. Segundo o CDC, muitos dos pacientes relataram uso de cigarros eletrônicos contendo produtos canabinoides, como CBD (canabidiol) e THC.

Só que outros doentes admitiram apenas o uso de produtos com nicotina - mas médicos alertam que alguns jovens podem relutar em admitir uso de maconha.

Acetato de vitamina E

Na semana passada, o Departamento de Saúde do Estado de Nova York, onde pelo menos 49 pessoas ficaram doentes, disse que um dos focos de sua investigação era a presença de "níveis muito altos" de acetato de vitamina E em quase todas as amostras de produtos que continham cannabis.

O acetato de vitamina E é um componente em forma de óleo da vitamina, comumente utilizado em cremes para pele e suplementos vitamínicos, mas que não é autorizado em produtos à base de maconha para uso em cigarros eletrônicos.

A FDA também revelou que o acetato de vitamina E foi encontrado na maioria das amostras com THC testadas em seus laboratórios, mas ressaltou que nenhuma substância até agora foi encontrada em todas as amostras.

"A identificação de qualquer componente presente nas amostras será uma peça do quebra-cabeças, mas não vai necessariamente responder às questões sobre o que está causando essas doenças", disse um porta-voz da FDA.

O CDC lançou um alerta aos consumidores de cigarros eletrônicos e vaporizadores para quem comprem os produtos apenas de lojas e fabricantes confiáveis.

"Independentemente da investigação em curso, as pessoas que usam produtos relacionados a cigarros eletrônicos não devem comprar esses produtos na rua e não devem modificá-los ou adicionar qualquer substância que não seja prevista pelo fabricante", alerta o CDC.

Uso crescente

Os cigarros eletrônicos e vaporizadores são populares nos Estados Unidos há mais de 15 anos. Eles surgiram como uma alternativa ao cigarro convencional e com a promessa de ajudar fumantes a abandonarem o vício.

Diferentemente do cigarro tradicional, o cigarro eletrônico não queima tabaco
Diferentemente do cigarro tradicional, o cigarro eletrônico não queima tabaco
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Fabricantes e defensores do uso de cigarros eletrônicos ressaltam que são menos nocivos para os pulmões, já que não incluem as toxinas perigosas, muitas delas cancerígenas, provenientes da combustão do tabaco em cigarros comuns.

Mas o CDC afirma que as evidências científicas são "inconclusivas" sobre a eficácia desses produtos para ajudar a parar de fumar. Nesta semana, a FDA acusou a Juul Labs, popular fabricante de cigarros eletrônicos, de ter ilegalmente comercializado seus produtos como sendo uma alternativa menos nociva do que cigarros tradicionais.

Pesquisadores alertam também que ainda não se sabe quais os impactos à saúde do uso prolongado de cigarros eletrônicos. Especialistas afirmam que, apesar de conterem menos substâncias químicas tóxicas do que os cigarros convencionais, os cigarros eletrônicos podem expor usuários a substâncias que podem ter efeito prejudicial à saúde "incluindo partículas ultrafinas, metais pesados e compostos orgânicos voláteis e outros ingredientes nocivos", resume o CDC.

Além disso, muitos consideram o processo regulatório desses produtos deficiente, e afirmam que é difícil saber que substâncias são adicionadas aos líquidos.

Além do uso para consumo de nicotina, os cigarros eletrônicos também são uma maneira popular de consumir maconha, que é legal em 33 Estados americanos - em alguns somente para uso medicinal, em outros também para uso recreativo.

Especialistas afirmam que cigarros eletrônicos contêm menos substâncias químicas tóxicas que os convencionais, mas podem expor usuários a substâncias nocivas
Especialistas afirmam que cigarros eletrônicos contêm menos substâncias químicas tóxicas que os convencionais, mas podem expor usuários a substâncias nocivas
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A crise ocorre em um momento em que o uso de cigarros eletrônicos vem crescendo entre adolescentes americanos, muitos dos quais nunca haviam fumado cigarros comuns. Alguns fabricantes recorrem à adição de sabores doces em seus produtos como forma de atrair usuários jovens. É a venda desses cigarros eletrônicos com sabores que o governo americano pretende proibir.

Segundo o CDC, um em cada cinco alunos do Ensino Médio usa cigarros eletrônicos, o que leva especialista a questionarem se essa tendência não estaria criando uma nova geração viciada em nicotina.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade