PUBLICIDADE

Motores F1 2026: últimos detalhes para divulgação das regras

Os principais pontos estão fechados, mas há diferenças entre Audi/Porsche e as demais fabricantes. Mas teremos novidades na F1.

18 jul 2022 - 11h55
Ver comentários
Publicidade
Motor da Porsche no WEC. Os alemães estão prontos para entrar na f1
Motor da Porsche no WEC. Os alemães estão prontos para entrar na f1
Foto: Porsche / Divulgação

O assunto anda um pouco fora das últimas discussões sobre as diretrizes anti-quique. Porém as regras dos novos motores da F1 para 2026 seguem em curso e próximos de um fim. A intenção era já ter divulgado. Porém, algumas divergências ainda seguem antes do fechamento. O Presidente da FIA, Mohammed Ben Sulayem, prometeu a divulgação final até o final deste mês.

As linhas gerais estão fechadas, especialmente a saída do MGU-H (recuperação da energia gerada pelo turbo). Este ponto foi considerado por Mattia Binotto e Toto Wolff como uma “grande concessão” para que Audi e Porsche pudessem vir para a categoria. Afinal de contas, as fornecedoras gastaram milhões de dólares para desenvolver um equipamento de grande valia (boa parte da energia da parte elétrico do motor da F1 é gerada por ele, além de evitar o atraso da entrada em funcionamento, o chamado turbo lag) e deixar de lado é uma grande perda, considerando ainda que este equipamento não deve ser levado para os carros de rua.

Os pontos que impedem a divulgação do regulamento são dois: tempo de uso de bancada de testes e material a ser utilizado nos pistões. Estes aspectos dividem os novatos e as atuais fornecedoras. A entender.

Audi e Porsche conseguiram quase tudo que queriam: A retirada do MGU-H foi a principal. A adoção de combustível 100% sustentável também foi um fator importante, porém os alemães ainda pediam uma redução da capacidade atual de combustível (110 kg), o que ainda não está claro que será atendido. Um ponto não atendido é a recuperação de energia, que queriam usar o eixo traseiro para geração (tal qual faziam no WEC). Sobre combustível, diz a Auto Motor Und Sport que o combustível será 100% sustentável, mas sendo 75% sintético e 25% vindo de resíduos orgânicos (como já se prevê em parte hoje).

Os alemães pedem mais horas de teste nas bancadas. A alegação é que, por serem “novatas”, merecem mais tempo para que desenvolvessem suas unidades. Até houve uma discussão neste sentido sobre a Red Bull Powertrains, que deve ser parceria da Porsche neste projeto, e ela será considerada novata, mas não poderá acumular horas em conjunto com a montadora.

Já as atuais fornecedoras não pretendem dar mais horas do que o atual. Lembrando que no ano passado uma série de medidas foram tomadas no sentido de restringir os custos por parte das fabricantes. O que se prevê é que as entrantes tenham sim alguma folga de tempo e dinheiro. Mas que não seria tanto quanto o solicitado e, quando se constatasse que as unidades estivessem no mesmo nível que as demais, as benesses seriam cortadas.

O outro ponto é o material dos pistões. Este é um ponto crítico, pois acaba mexendo em peso, configuração de partes móveis e da parte de combustão, que é o grande segredo da potência. As atuais fornecedoras querem a manutenção dos pistões em aço, que conferem maior resistência e performance. Já Audi e Porsche desejam a liberação do alumínio, que é um material que conhecem e mais comum. Só que o uso do aço é uma vantagem competitiva para as atuais pois a tecnologia para fabricação é cara e não são todos que dominam.

Entretanto, não será isto que impedirá as duas de entrar na F1 (espera-se um anúncio antes das férias da F1, embora alguns digam que estariam aguardando o anuncio de uma possível abertura de capital da Porsche na bolsa de valores). E não são poucas as conversas que Audi e Porsche não seriam as únicas a entrar. Se espera que, tão logo as regras saiam, ambas divulguem oficialmente sua entrada. A Aston Martin estaria para entrar também nesta seara, bem como o retorno de possíveis marcas.

Parabólica
Publicidade
Publicidade