PUBLICIDADE

Hamilton se diz arrependido por não “seguir instinto” na F1

Lewis Hamilton ficou frustrado com a estratégia da Mercedes no GP da Turquia. Piloto acredita que seria melhor ter seguido próprio instinto

10 out 2021 13h42
| atualizado às 18h34
ver comentários
Publicidade
Hamilton concede entrevista ao lado de Verstappen
Hamilton concede entrevista ao lado de Verstappen
Foto: Mercedes / Twitter

As interações entre Lewis Hamilton e a equipe Mercedes tem sido importantes nas últimas corridas. No GP da Rússia, Hamilton quis ficar na pista quando a chuva chegou, nas voltas finais, mas escutou a equipe quando foi informado que a chuva apertaria e aceitou a sugestão de parar para trocar os pneus. O timing da mudança foi perfeito, e Hamilton garantiu a vitória graças a essa decisão. 

Agora, na Turquia, novamente Hamilton e seu engenheiro tiveram opiniões diferentes quanto à estratégia na parte final da corrida, mas com final menos feliz. Hamilton, que havia largado em 11º graças a uma punição por troca de motor, subiu até a 5ª posição em poucas voltas. Com as paradas dos líderes já na segunda metade da prova, ele subiu para 3º, e lá se manteve. 

Então, começou a discussão: com a pista secando, Hamilton insistia que poderia levar o carro até o fim da prova com os mesmos pneus intermediários, enquanto a equipe afirmava que o melhor seria parar para colocar novos pneus do mesmo tipo, mesmo que isso custasse algumas posições. Depois de algumas voltas de conversa, com mecânicos saindo e voltado para dentro dos boxes com os novos pneus pelo menos duas vezes, Hamilton foi convencido a parar na volta 50 de 58. 

Ao voltar para a pista, em 5º, o asfalto seco demais gerou um desgaste muito prematuro de seus novos pneus intermediários, o que impediu Hamilton de imprimir seu ritmo. Os demais pilotos, com compostos em meia-vida, já os tinham em condições melhores com menos borracha e vinham mais rápido. 

Análise do GP da Turquia: Mercedes teve que engolir Bottas:

Ao perceber que a estratégia não funcionaria, Lewis esbravejou no rádio: “Não devíamos ter parado. Eu avisei!”. Ele ainda correu o risco e perder duas posições e teve que se defender dos ataques de Pierre Gasly e Lando Norris nos giros finais para se manter em 5º até a linha de chegada. 

A dinâmica da prova lembrou o próprio GP da Turquia do ano passado. Assim como esse ano, a prova de 2020 foi realizada com pista molhada e que foi secando no decorrer das voltas. Naquele dia, Hamilton foi um dos poucos a entender que se manter na pista com pneus intermediários gastos, que se tornaram praticamente slicks, seria melhor que colocar intermediários novos, e com isso fez uma das grandes corridas de sua carreira, em uma vitória memorável. 

A ideia de Lewis era repetir a própria estratégia esse ano. Mas, ao parar, sua corrida lembrou mais a de Lance Stroll naquele mesmo GP: o canadense da então Racing Point liderava quando foi chamado pela equipe para trocar seus pneus intermediários por novos do mesmo tipo, mas não conseguiu manter o desempenho com a pista secando e perdeu posições. 

Voltando à 2021, uma das razões para a decisão da Mercedes era a preocupação de que os pneus poderiam não aguentar uma prova inteira sem paradas. Mas Esteban Ocon assim fez e levou o carro até o fim, ainda garantindo um ponto com o 10º lugar. 

Na zona mista após a corrida, Hamilton falou ao site da Fórmula 1 sobre a prova, e se mostrou insatisfeito com o resultado. “Eu estava me sentindo bem por ser o 3º, estava tipo ‘se eu puder me manter aqui, é um ótimo resultado para quem largou de 11º’. Do jeito que foi, foi pior, mas poderia ter sido ainda pior”, se referindo à dificuldade para segurar Gasly. 

“Olhando agora, acho que deveríamos ou ter continuado na pista ou ter parado bem mais cedo, porque quando eu parei, faltando oito voltas, não se tem tempo para passar pela fase de degradação dos pneus em uma pista secando”, explicou o heptacampeão. “Eu tive toda essa fase sem aderência e quase perdi mais posições. Então, sim, um pouco frustrante, mas é como as coisas são.” 

Hamilton mostrou arrependimento por não ter insistido em sua ideia: “Meu instinto dizia para ficar na pista e sinto que é isso que eu deveria ter feito. Então, estou frustrado comigo mesmo por não ter seguido meu instinto.” Se na Rússia Lewis deu o crédito da vitória às informações dadas pela equipe de boxes, agora foi a vez de jogar a responsabilidade para eles. “Trabalho em uma equipe, fiz o melhor que pude com as instruções que me foram passadas.” 

O resultado custou a liderança do campeonato para Hamilton. Ao terminar em 5º e com Verstappen cruzando a linha de chegada em 2º, Lewis viu seu rival o ultrapassar na tabela de pontos e abrir 6 pontos de vantagem. 

Hamilton e a Mercedes terão a oportunidade de aparar as arestas e buscar a recuperação no campeonato daqui duas semanas, no GP dos Estados Unidos. A prova será realizada no Circuito das Américas, no Texas, no dia 24 de outubro. 

Parabólica
Publicidade
Publicidade