PUBLICIDADE

Hamilton, 92, vale a soma de Mansell, Stewart, Clark e Hunt?

Lewis Hamilton, novo rei britânico da F1, tem a ambição de Mansell, a precisão de Stewart, a velocidade de Clark e a popularidade de Hunt

25 out 2020 - 16h53
(atualizado às 18h15)
Ver comentários
Publicidade
Lewis Hamilton: um novo tipo de cidadão inglês, que a sociedade e a mídia britânica aprenderam a valorizar.
Lewis Hamilton: um novo tipo de cidadão inglês, que a sociedade e a mídia britânica aprenderam a valorizar.
Foto: Mercedes-AMG / Divulgação

Lewis Hamilton foi magistral na condução do Mercedes-AMG W11 durante as 66 voltas do Grande Prêmio de Portugal, repetindo o que fizera na classificação. Assim, pela segunda vez, o GP português é palco de uma quebra de recorde histórica. Lewis marcou sua 92ª vitória e superou o recorde anterior de Michael Schumacher, estabelecido em 2006. Durou 14 anos, assim como o recorde de 27 vitórias de outro britânico, Jackie Stewart, derrubado por Alain Prost no GP de Portugal de 1987. Só para ele, a F1 tocou o hino “God Save de Queen” (Deus Salve a Rainha) 92 vezes.

Todo mundo sabe que os números de Lewis Hamilton na Fórmula 1 são impressionantes. Somente uma combinação rara de equipe muito superior e um piloto extremamente focado e capacitado poderiam derrubar o recorde de Schumacher. Mas aconteceu, no belíssimo circuito de Portimão, no Algarve. Quando Michael chegou à sua 91ª vitória, no dia 1º de outubro de 2006, quase ninguém na F1 falava no garoto Lewis Carl Davidson Hamilton.

Nigel Mansell: 31 vitórias e o britânico "flat cap" na cabeça.
Nigel Mansell: 31 vitórias e o britânico "flat cap" na cabeça.
Foto: Divulgação

No dia 12 de setembro de 2006, o jornal The Telegraph anunciava em seu site: “Primeiro piloto preto da Fórmula 1 terá seu lugar no grid”. O nome de Lewis Hamilton não apareceu no título da reportagem. Ele também não foi citado pela BBC no dia 24 de novembro de 2006, quando o contrato foi assinado: “McLaren terá o primeiro piloto negro da F1”. No dia 20 de janeiro de 2007, dois meses antes da abertura do campeonato mundial, a agência Reuters colocou seu nome na manchete: “Hamilton será o primeiro piloto preto na F1”.

Manchete no site do jornal "The Telegraph", em 2006: o nome Hamilton não foi sequer citado no título da reportagem.
Manchete no site do jornal "The Telegraph", em 2006: o nome Hamilton não foi sequer citado no título da reportagem.
Foto: Sergio Quintanilha / Reprodução / The Telegraph

Hoje, com 92 vitórias em Grand Prix no currículo, o nome Hamilton é um dos mais fortes em qualquer mídia. Não apenas pelo recorde, mas também porque ele decidiu extrapolar o mundo das corridas e participar ativamente de campanhas anti racistas. Mas será que Lewis Hamilton sozinho vale mais do que os três pilotos britânicos que estão no top 10 de vitórias na F1? Nigel Mansell (31 vitórias), Jackie Stewart (27) e Jim Clark (25) estão em 7º, 8º e 9º lugares no ranking e somam 83 vitórias, ou seja, 9 a menos. Com mais um triunfo, pode-se acrescentar James Hunt (10 vitórias) para os quatro se equiparem à soma de Hamilton.

Jackie Stewart: como ignorar a mensagem escocesa estampada na pintura de seu capacete?
Jackie Stewart: como ignorar a mensagem escocesa estampada na pintura de seu capacete?
Foto: Divulgação

Não. Hamilton sozinho não tem o valor somado de Mansell, Stewart, Clark e Hunt. Mas, a seu modo, ele consegue unir um pouco das características de cada um e ainda fazer de sua marca uma poderosa arma contra o racismo no mundo. Lewis, aos 35 anos, tem a ambição de Nigel, a precisão de Jackie, a velocidade de Jim e a popularidade de James. Lewis Hamilton é o que é, um mito das pistas, não apenas por causa da impressionante eficácia da equipe Mercedes-AMG Petronas, mas porque é um esportista completo, que não se permite relaxar em busca de recordes.

Carro de James Hunt em 1975: bandeiras e cores da Escócia e da Inglaterra.
Carro de James Hunt em 1975: bandeiras e cores da Escócia e da Inglaterra.
Foto: Divulgação

Lewis disputou 262 GPs de Fórmula 1. Em 97 deles, fez a pole position, superando os recordistas Michael Schumacher e Ayrton Senna. Não é desprezível o fato de que as poles, nos últimos anos, são conquistadas por pilotos com capacidade para andar muito rápido numa única volta, sem qualquer possibilidade de errar. Não há pneu para tentar uma segunda volta rápida (apesar de que em Portimão, caso raro, foi possível). Isso diz muito sobre a velocidade de Lewis. Porém, nesse quesito, ele ainda perde percentualmente para Juan Manuel Fangio (56,9%), Jim Clark (45,8%), Alberto Ascari (43,8%) e o próprio Senna (40,4%). Lewis fez a pole em 37% de suas corridas. 

Mesmo no período em que guiou carros inferiores (2009 a 2013), Lewis teve uma carreira brilhante, acumulando 13 vitórias nessas cinco temporadas. Só uma a menos do que o nosso adorado Emerson Fittipaldi conseguiu de 1970 a 1975, dirigindo para a Lotus e para a McLaren. Lewis foi construindo sua estatística com muita competência, versatilidade (anda bem no seco e na chuva; é rápido em classificação e em corrida), mostrando mais consistência do que feras consagradas como Ronnie Peterson e Gilles Villeneuve, só para citar dois ícones dos anos 1970 e 1980.

Jim Clark: em seu tempo, o recorde foi construído com os carros verdes do britânico Team Lotus.
Jim Clark: em seu tempo, o recorde foi construído com os carros verdes do britânico Team Lotus.
Foto: Divulgação

Quando voltou a ter o melhor carro, a partir de 2014, Lewis transformou-se num devorador de recordes. Foi construindo uma base estatística impressionante e já tem 4.976 voltas na liderança (equivalentes a mais de 25 mil km). Correndo com o 44 desde que a Fórmula 1 permitiu que os pilotos escolhessem seus números favoritos, o inglesinho que corria de kart na região de Hertfordshire transformou as inscrições HAM44 em um dos códigos mais poderosos da F1: ao ver essa combinação de letras e números, todos sabem que Lewis Hamilton está no jogo. 

TOP 10 PILOTOS BRITÂNICOS
P. PILOTO PAÍS VIT GP TIT
1 Hamilton  ING 92 262 6
7 Mansell ING 31 187 1
8 Stewart ESC 27 99 3
9 Clark ESC 25 72 2
14 D. Hill ING 22 115 1
17 Moss ING 16 66 -
18 Button ING 15 306 1
19 G. Hill ING 14 175 2
23 Coulthard ESC 13 246 -
30 Hunt ING 10 92 1

Hamilton não é, com certeza, o estereótipo do britânico padrão que Clark, Stewart, Mansell e Hunt faziam questão de ostentar, seja na cor verde do carro, no xadrez colorido pintado no capacete, nas bandeiras escocesa e inglesa no carro ou nos flat caps (bonés lisos) que se encontram na Christys de Londres. Não. Lewis também desfila com a Union Jack (bandeira britânica) a cada título, mas ele está mais para um novo tipo de cidadão, o inglês preto que fez sucesso no esporte e que a sociedade e a mídia britânica aprenderam a admirar e valorizar; não mais estereotipar. Deus salve o rei da Fórmula 1.

James foi o mais popular piloto inglês; Lewis também tem enorme popularidade.
James foi o mais popular piloto inglês; Lewis também tem enorme popularidade.
Foto: Divulgação
  •  
Parabólica
Publicidade
Publicidade