PUBLICIDADE

Grosjean: existe vida no automobilismo além da Fórmula 1

Um ano após o acidente na F1, o piloto disputou a primeira temporada na IndyCar e em 2022 guiará o carro da equipe Andretti Autosport

29 nov 2021 07h00
ver comentários
Publicidade
Romain Grosjean será piloto da Andretti Autosport em 2022
Romain Grosjean será piloto da Andretti Autosport em 2022
Foto: Romain Grosjean / Twitter

Há um ano, a Fórmula 1 presenciava um dos acidentes mais impressionantes da história da categoria, durante a primeira volta do Grande Prêmio do Bahrein. Mas Romain Grosjean, personagem daquela cena assustadora, não só conseguiu se manter consciente após a batida como escapou da Haas em chamas. Além de se recuperar das queimaduras que atingiram as mãos e tornozelos, ele assumiu o desafio de competir na IndyCar em 2021. O bom desempenho na categoria norte-americana rendeu a Grosjean uma vaga na equipe Andretti Autosport na próxima temporada.

Na Indy, Grosjean disputou 13 das 16 corridas pela equipe Dale Coyne e terminou o campeonato na 15ª colocação, com 272 pontos. Os melhores resultados foram três pódios, sendo dois nas provas disputadas no circuito misto em Indianápolis e um em Laguna Seca. Nas pistas ovais da rodada dupla do Texas e da Indy500, Romain foi substituído pelo brasileiro Pietro Fittipaldi.

Grosjean se recupera após o acidente no GP do Bahrein
Grosjean se recupera após o acidente no GP do Bahrein
Foto: Romain Grosjean / Twitter

Inicialmente, o piloto franco-suíço optou por não competir em circuitos ovais, porque considerava que os riscos desse tipo de pista, em que os pilotos andam em altas velocidades e estão sempre muito próximos uns dos outros, ainda era um fator limitante após o acidente no Bahrein. Até porque o então piloto da Dale Coyne, aos 35 anos, casado com Marion e pai dos pequenos Sacha, Simon e Camille, não queria fazer a família passar outra vez pelo o que aconteceu na Fórmula 1.

Porém, ao estar mais adaptado e confiante com o desempenho do carro, Grosjean participou de um teste no oval de Gateway, em julho, acompanhado da esposa e dos filhos - o que contribuiu para deixar ele e a família mais tranquilos. As velocidades médias da pista não chegavam a 300 km/h e a inclinação era menor do que a dos outros ovais. A estreia de Grosjean em Gateway, no mês seguinte, chamou a atenção pelas ultrapassagens realizadas durante a corrida. Ele terminou a prova na 14ª colocação. 

Grosjean mostra a mão esquerda em recuperação após cirurgias
Grosjean mostra a mão esquerda em recuperação após cirurgias
Foto: Romain Grosjean / Twitter

Antes de chegar na IndyCar, Grosjean disputou 179 corridas na Fórmula 1. Ele ainda estava na GP2 quando estreou na categoria pela Renault, em 2009, e substituiu Nelsinho Piquet no meio da temporada. No ano seguinte, Grosjean retornou à GP2 e foi campeão. A primeira temporada completa da F1 foi em 2012, como piloto da Lotus F1 Team, em que conquistou os melhores resultados da carreira: 10 pódios, sendo dois segundos lugares (Montreal-2012 e Austin-2013). Coincidência ou não, ambos na América do Norte. Em 2016, estreou pela equipe Haas onde permaneceu até 2020. 

Não tem como negar que a mudança do ambiente da Fórmula 1 para a Fórmula Indy fez muito bem para Grosjean. Ele, que mesmo antes do acidente do Bahrein já sabia que não continuaria como piloto da Haas em 2021, encontrou um lugar do outro lado do oceano para chamar de seu. E o que foi ainda melhor: deixou de lado a fama de “reclamão” que ele ganhou na F1, para distribuir sorrisos em uma nova - e melhor - fase da carreira.

Romain Grosjean celebra a primeira pole em Indianapolis
Romain Grosjean celebra a primeira pole em Indianapolis
Foto: Romain Grosjean / Twitter

E não tem como não pensar que ao estar na equipe Andretti, esta pode ser a oportunidade de Grosjean conquistar a primeira vitória na IndyCar. Quero fazer uma aposta de que com mais experiência e com um carro melhor, Grosjean deverá incluir seu nome na lista de mais um primeiro vencedor da IndyCar em 2022. As emoções dos ovais ainda são novas para ele, mas quem sabe as próximas experiências não mostrem que ver a vida de uma forma diferente abre diversas possibilidades e oportunidades, mesmo que seja uma decisão sempre do piloto decidir quantos e quais riscos querem correr, além de saber, mais do que ninguém, quais são os seus limites.

Na Andretti, Grosjean terá como companheiros de equipe os norte-americanos Alexander Rossi e Colton Herta. A estreia do carro #28 será na primeira etapa da IndyCar, marcada para o dia 27 de fevereiro, nas ruas de São Petersburgo, na Flórida.

Parabólica
Publicidade
Publicidade