0

Chevrolet Bolt EV, um elétrico com carinha de carro comum

Ele acaba de ser lançado e indica o caminho do futuro. Mesmo custando R$ 175.000, o que é caro pode sair barato. Entenda

2 nov 2019
09h33
atualizado em 3/11/2019 às 18h41
  • separator
  • 0
  • comentários

Será que um dia todos vão dirigir automóveis elétricos? Sim, com toda a certeza. Pode demorar, mas, aos poucos, as vantagens de um motor elétrico, aliado a toda a parafernália tecnológica, também elétrica ou eletrônica, vão sendo conhecidas.

Chevrolet Bolt EV Premier.
Chevrolet Bolt EV Premier.
Foto: Divulgação

Muito, mas muito distante ainda dos motoristas comuns, os últimos lançamentos entre os elétricos têm surpreendido até quem já conhecia a tecnologia, mas ainda não a havia experimentado na prática. Assim é um test-drive de um lançamento no segmento. Assim foi o lançamento oficial do Chevrolet Bolt EV hoje, em São Paulo.

Um motor a combustão interna pode ser apaixonante, com ruído, aceleração, marcha-lenta e muita tecnologia para torná-lo só um pouco mais eficiente, mas na comparação com um motor elétrico, a eficiência deste último é incomparável.

Um pouco de história: no início do século 20, havia centenas de fabricantes de automóveis nos Estados Unidos, Henry Ford era apenas um deles. E a maioria dos carros tinha motor elétrico. Claro, é fácil imaginar um grande e pesado motor elétrico movido por uma ineficiente ainda maior e pesada bateria, mas isso existia. Foi justamente a pequena capacidade de armazenagem de energia que determinou o fim dessa era, ajudada – e muito – com o truste do petróleo, que se iniciava naquela mesma época. Como seriam hoje, então, os veículos elétricos se as pesquisas com essa tecnologia não tivesse sido interrompida por tantas décadas?

Chevrolet Bolt EV Premier.
Chevrolet Bolt EV Premier.
Foto: Divulgação

É claro, a tecnologia eletrônica e de informática atual proporcionou uma guinada vertical nas aplicações nessa área, mas a preocupação sustentável de agora para o futuro foi decisiva para implantar definitivamente essa ideia na mente de muitos. É por esse motivo, entre outros, que se pode dizer que todos, um dia, vão ter, dirigir ou apenas ser transportados em um veículo elétrico.

Os primeiros carros com energia alternativa, elétricos ou híbridos, tinham uma aparência diferente, talvez para evidenciar o seu diferencial. Foi assim com o Toyota Prius, ainda nos anos 90, e continuou até os dias atuais, a exemplo do estranho mas bonitinho BMW i3.

O Chevrolet Bolt EV, por sua vez, certamente vai passar despercebido no trânsito, em meio a muitos outros compactos modernos movidos a combustível líquido. Isso é bom, pois pode mudar a imagem dos elétricos, se estes puderem ser vistos como carros comuns. Para serem carros comuns, no entanto falta adequar o seu custo de aquisição, ainda quase proibitivamente alto.

Já que vai custar, então vamos recheá-lo de equipamentos. Não é bem assim. Sim, o Chevrolet Bolt EV lançado no Brasil é a versão de topo da gama, chamada de Premium, e vai ser a única disponível, mesmo que em outros mercados existam versões mais simples e mais baratas. Mas muitos desses equipamentos são imprescindíveis para a máxima eficiência de um sistema motriz elétrico.

Chevrolet Bolt EV Premier.
Chevrolet Bolt EV Premier.
Foto: Divulgação

Aos nossos olhos, o Chevrolet Bolt EV Premium é um compacto, mas a General Motors o chama de crossover. Não importa. Ele tem tudo e mais um pouco. Um conjunto de câmeras de alta definição compõem o sistema de visão 360 graus, que transforma o espelho retrovisor em uma tela, projetando imagens ampliadas da parte posterior do veículo. O Bolt tem ainda 10 airbags, assistente de permanência na faixa, alerta de ponto cego, aviso de tráfego traseiro cruzado, alerta de colisão frontal e sistema de frenagem automática com detecção de pedestres, entre outros bons itens.

Outros equipamentos de destaque são o painel digital customizável com tela de 8 polegadas, sistema MyLink com tela de 10,2 polegadas compatível com Apple CarPlay e Android Auto, sistema de som de alta definição Bose, faróis com tecnologia HID e luzes de condução diurna de leds, lanternas traseiras de leds, sistema de recarga de smartphone por indução magnética sem fio, frenagem automática em baixa velocidade, bancos de couro com aquecimento e ventilação, sistema de partida do motor por controle remoto e freio de estacionamento elétrico com acionamento por botão.

O motor elétrico do Chevrolet Bolt EV é dianteiro, fornecendo potência de 203 cv e um fantástico torque instantâneo de 360 Nm, a qualquer rotação. As baterias tornam o carrinho um tanto pesado, 1.625 kg, mas o peso não é nem sentido com números como esses.

O mais interessante, no entanto, logicamente depois de se conhecer todos esses detalhes técnicos, é pilotar o Chevrolet Bolt. Basta acionar o botão no painel, para ativar os sistemas, selecionar “D”, de drive, na alavanca no console e acelerar. 

Às vezes nem é preciso frear. O Bolt tem um sistema chamado de One Pedal Driving que, quando selecionado, aciona o freio regenerativo sempre que o acelerador é aliviado, praticamente não sendo necessário frear para parar em um semáforo, por exemplo.

Isso ajuda a carregar o pack de baterias, aumentando a autonomia, que pode chegar a 416 km. Para a recarga, existem três formas. Com o cabo que acompanha o veículo conectado a uma tomada caseira de 220 volts, é possível carregar o equivalente a 10 km de percurso a cada hora. Nos postos de recarga rápida que existem em alguns locais, como postos de gasolina ou shopping centers, 30 minutos de carga permitem rodar cerca de 145 km. E existe um carregador Wallbox para ser instalado na parede de sua casa ou escritório, com uma taxa de carregamento de 40 km de percurso por hora de carga. O único problema é que esse carregador custa a bagatela de R$ 8.300 e deve estar fixado na parede.

Falando em dinheiro, o Chevrolet Bolt continua caro, custando o mesmo valor anunciado há um ano, quando o modelo foi apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo: R$ 175.000. A General Motors lançou juntamente com o carro uma condição de financiamento própria, que consiste em uma entrada de 40% e 48 parcelas de R$ 1.733, com juros de 0,79% ao mês. Ao final desses quatro anos há um valor residual de R$ 52.000, que pode ser usado na troca de um novo Bolt.

Neste lançamento o Chevrolet Bolt EV será vendido em apenas 12 cidades brasileiras, em 9 estados. São elas São Paulo, Campinas, São José dos Campos (SP), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Florianópolis, Joinville (SC), Recife (PE) e Vitória (ES). O modelo pode ser reservado nas 25 concessionárias especializadas no produto (não são todas) ou pelo site da marca. As entregas começam no começo do próximo ano. A garantia do carro é de três anos e das baterias é de oito anos.

Gabriel Marazzi durante o primeiro contato com o Bolt.
Gabriel Marazzi durante o primeiro contato com o Bolt.
Foto: Gabriel Marazzi / Guia do Carro

 

Guia do Carro
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade