PUBLICIDADE

Avaliação: BMW M3 garante emoção na estrada e na pista

Nova geração do BMW M3, disponível nas versões Competition e Competition Track, tem mais requinte técnico e chega ao ápice do prazer

17 jun 2021 00h01
| atualizado às 09h58
ver comentários
Publicidade
BMW M3 Competition Track: visual polêmico na grade dianteira.
BMW M3 Competition Track: visual polêmico na grade dianteira.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

O BMW M3 traz novidades importantes nesta nova geração. Por isso, avaliamos o carro durante um dia nas estradas do interior de São Paulo. Foi um contato rápido para um carro que merece ser descoberto a cada novo dia, pois ele foi aprimorado tecnicamente e chegou ao ápice do prazer ao dirigir. 

Importado da Alemanha somente nas versões Competition (R$ R$ 757.950) e Competition  Track (R$ R$ 849.950), o novo BMW M3 é fabricado na plataforma G (Série 3) e cresceu tanto que já tem um tamanho similar ao Série 5 do início dos anos 2000. Além de aumentar as medidas externas, o BMW M3 mudou a bitola (distância entre as rodas) e o entre-eixos.

Rodamos com o M3 Competition Track, que usa e abusa do carbono em várias peças, como as entradas de ar, as capas dos retrovisores, o spoiler traseiro, os extratores, o acabamento interno, o volante e as aletas do câmbio borboleta, entre outras aplicações. Além disso, a configuração Track (pista) tem bancos de competição.

BMW M3 Competition Track: anda muito e tem as vantagens de um sedã 4 portas..
BMW M3 Competition Track: anda muito e tem as vantagens de um sedã 4 portas..
Foto: Cris Prado / Guia do Carro

Esta, aliás, é a diferença mais marcante entre as duas versões Competition. Os bancos dianteiros de competição são perfeitos para aventuras em track days e já vêm com buracos que permitem a instalação de cintos de segurança de seis pontos. Ele não tira o conforto em viagens curtas, mas sua utilização no dia a dia torna-se incômoda. Por isso, só vale a pena para quem realmente quer ser uma espécie de Lewis Hamilton vestido de BMW e não de Mercedes.

Para essas pessoas, o novo BMW M3 Competition Track vai compensar cada real investido. Os freios, por exemplo, são de carbono cerâmico com quatro pinças. Só nos freios, o M3 Track economizou 14 kg. E para quem quer desempenho de competição, cada quilo faz diferença. No total, a versão topo de linha tem uma redução de 20,2 kg em relação ao  BMW M3 “civil”, que a marca não quis trazer para o Brasil. Uma pena. Nas duas versões, o teto é todo em fibra de carbono com resina.

Os freios têm uma distribuição padrão de 60% na dianteira e 40% na traseira; não podem ser alterados. Outro item interessante são os pneus semi-slicks, que são bem largos e têm uma área da parte de dentro sem sulcos, portanto com mais borracha. Segundo a BMW, isso não causa problemas em pista molhada porque há três sulcos bem largos para garantir o desempenho também na chuva. Os pneus podem ser Michelin ou Pirelli.

BMW M3 Competition Track:carro de corrida. Mesmo.
BMW M3 Competition Track:carro de corrida. Mesmo.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Do primeiro lote de 60 unidades do novo M3 trazidos para o Brasil (esgotado), 70% ficaram com o M3 Competition (uma compra mais racional) e 30% ficaram com a versão Competition Track. O carro é um monstro. Para além de impressionar pelo visual, o novo BMW M3 atingiu uma qualidade dinâmica que deixa sem argumentos os detratores da marca bávara.

Os números são excepcionais. Ele acelera de 0 a 100 km/h em 3,9 segundos e atinge 290 km/h de velocidade máxima. Bem, numa situação de abuso, fizemos curva a 190 km/h como se o carro estivesse a 100. Ele é realmente grudado no chão (com asfalto bem liso, é claro). O motor de 6 cilindros, biturbo, renovado e com a nomenclatura S58, entrega a potência máxima, 510 cavalos, a 6.250 rpm. O torque, 650 Nm, está totalmente disponível entre  2.750 e 5.500 rpm.

O motor ganhou novo virabrequim e novo desenho dos cilindros, que são em linha. Ele traz uma bomba elétrica que fica ativada até 30 minutos. Com isso, o novo BMW M3 consegue ser eficiente até mesmo em track days. Curiosamente, a transmissão quebrou um paradigma técnico. A BMW abandonou o câmbio automatizado de dupla embreagem e adotou o Steptronic com  Drivelogic, ou seja, um câmbio automático convencional de 8 marchas. Segundo o fabricante, as mudanças de marchas são tão rápidas e precisas neste câmbio que ele acabou sendo adotado.

BMW M3 Competition Track: volante tem carbono e dois botões de memória (M1 e M2).
BMW M3 Competition Track: volante tem carbono e dois botões de memória (M1 e M2).
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Bem, para se ter uma ideia do avanço digital de um BMW M3, o carro utiliza entre 4.000 e 5.000 semicondutores na sua fabricação, dependendo da versão. Além disso, ele tem 55 pequenos motores elétricos fazendo todo o conjunto funcionar com precisão. O motorista pode regular o motor, o câmbio, o chassi, o volante e os freios. Há sensores no pedal dos freios, por exemplo, que mudam o curso do pedal.

No volante de direção, as duas minúsculas aletas vermelhas no centro, M1 do lado direito e M2 do lado esquerdo, são uma resposta ao botão de girar utilizado pela Porsche em seus carros. Apertando um dos botões (que são Memória 1 e Memória 2), o motorista (ou piloto) ativa o Direct Response e deixa o carro configurado ao seu gosto. Todo o sistema é muito intuitivo, facílimo de operar.

Aliás, esta é uma característica também do painel de instrumentos digital e do display central, que oferece ótima visão da central multimídia. Um das mais práticas é a que divide a tela em três. Outra boa notícia é que agora pode-se usar Android Auto e não apenas Apple CarPlay.

BMW M3 Competition Track: chave inteligente e cheia de informações.
BMW M3 Competition Track: chave inteligente e cheia de informações.
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

Voltando aos ajustes do carro, o BMW M3 tem diferencial traseiro eletrônico com tecnologia ARB. Ou seja: o diferencial pode ser aberto na escala de 0 a 5 se o motorista quer uma tocada mais agressiva ou de 5 a 10 se ele deseja uma tocada mais progressiva. Todos esses sistemas tornam o M3 Competition um carro delicioso na estrada. O segredo está principalmente nas partes que não se vê.

O chassi foi especialmente aprimorado. Além do aumento de 3,1 cm na bitola, o carro ganhou uma estrutura adicional que vai do berço da suspensão traseira vai quase até o meio da carroceria. Na frente, ele tem barras que “amarram” as torres, reduzindo as vibrações e aumentando a rigidez torcional. A suspensão dianteira tem braços sobrepostos e a traseira é multilink.

O controle de tração do novo BMW M3 tem 10 níveis. A BMW deu especial atenção ao modo Drift Control. O M Drift Analyser pode ser acessado pelo aplicativo My BMW, que contém várias ferramentas para melhorar a utilização do carro na pista, como o M Laptimer, que fornece tempos de volta e análise de performance. Evidentemente, este foi um dos itens que não pudemos avaliar, pois só dirigimos o carro na estrada e na cidade. Aliás, continua valendo a ideia de que este é um carro de corrida que pode ser usado confortavelmente nas ruas, coisa que vem do final dos anos 90 e início dos anos 2000 -- e deixa saudade de um tempo em podíamos rodar com o M3 nas estradas de Espanha e no circuito de Jerez de la Frontera.

BMW M3 Competition Track: lateral é toda do Série 3..
BMW M3 Competition Track: lateral é toda do Série 3..
Foto: Sergio Quintanilha / Guia do Carro

O mundo mudou e o BMW M3 evoluiu demais de lá para cá. Ele continua sendo um Série 3 de corrida, tanto que a lateral é a mesma do campeão de vendas da marca, o 320i. Mas todos os elementos aerodinâmicos, como as novas entradas de ar (enormes porque o motor precisa ser refrigerado), e pequenos fluxos também para as rodas dianteiras, além do novo sistema de escape e extrator, fazem deste carro uma compra única. 

Aí, sim, você terá todo o tempo do mundo para descobrir cada segredo do novo M3. Vai ser difícil não se apaixonar por ele quando sentar no banco do motorista. Como a pré-venda esgotou, agora só é possível comprar o BMW M3 sob encomenda.

BMW M3 COMPETITION TRACK
ITEM   CONCEITO NOTA
MOTOR Ótimo 10
CÂMBIO Ótimo 10
SUSPENSÃO  Ótimo  10
FREIOS Ótimo  10
DIREÇÃO Ótimo 10
EQUIPAMENTOS Ótimo 10
ERGONOMIA Ótimo 9
PORTA-MALAS Ótimo 9
ACABAMENTO Ótimo 10
DESIGN Muito bom 8,5
VEREDICTO Ótimo 9,7

Os números

  • Preço: R$ 205.610 
  • Motor: 3.0 L6 biturbo
  • Potência: 510 cv a 6.250 rpm
  • Torque: 650 Nm a 2.750 rpm
  • Câmbio: 8 marchas AT
  • Comprimento: 4,794 m 
  • Largura: 1,903 m 
  • Altura: 1,433 m
  • Entre-eixos: 2,857 m
  • Vão livre: 120 mm
  • Peso: 1.730 kg
  • Pneus: 275/40 R18 (d) e 285/35 R19 (t)
  • Porta-malas: 480 litros
  • Carga útil: 480 kg
  • Tanque: 59 litros
  • 0-100 km/h: 3s9
  • Velocidade máxima: 290 km/h
  • Consumo cidade: 5,5 km/l
  • Consumo estrada: 10,0 km/l
  • Emissão de CO2: n/d 

 

Guia do Carro
Publicidade
Publicidade