0

Trump nega estupro a jornalista e vê conspiração de rivais

22 jun 2019
09h56
atualizado às 10h37
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente dos EUA, Donald Trump, negou nesta sexta-feira (21/06) a acusação da jornalista Elizabeth Jean Carroll, relatada à revista New York Magazine, de que ele a teria tentado estuprar no provador de uma famosa loja de departamentos nova-iorquina em meados dos anos 1990.

Trump aponta que democratas podem estar por trás das acusações
Trump aponta que democratas podem estar por trás das acusações
Foto: DW / Deutsche Welle

Em comunicado, Trump chamou as acusações de "notícias falsas" e disse que não havia nenhuma prova desse encontro. "Eu nunca me encontrei com essa pessoa na minha vida", acrescentou.

O presidente também atacou a revista New York, que definiu como "publicação em vias de extinção", por "tentar se promover mediante divulgação de notícias falsas".

O presidente americano apontou ainda a hipótese de o Partido Democrata estar por trás das acusações, sugerindo que seus opositores estão trabalhando com Carroll.

"O mundo deveria saber o que está ocorrendo", disse Trump na nota, na qual também pediu que os responsáveis sejam punidos pelas "acusações falsas".

Carroll é conhecida no país pela coluna de conselhos que escrevia para a revista Elle e contou à revista New York Magazine sobre o caso, ocorrido em 1995, e que será relatado por completo num livro com previsão de lançamento para o próximo mês.

Os dois teriam se encontrado, segundo a jornalista, na loja de departamentos Bergdorf Goodman, em Manhattan. Trump teria abordado Carroll, chamando-a de "a senhora dos conselhos" e pediu ajuda para comprar um presente para uma "garota". Os dois, então, começaram a circular pelos corredores em busca de algo que agradasse à misteriosa mulher.

Depois de os dois chegarem à área de provadores, o atual presidente americano teria ficado violento. Na sequência, ele teria tentado estuprá-la, acusou E. Jean Carroll.

Carroll afirmou que conseguiu se desvencilhar de Trump após menos de três minutos. E já se antecipou às perguntas que sabe que terá que responder depois de denunciar o presidente dos EUA.

"Relatei à polícia? Não. Contei a alguém? Sim, a duas amigas íntimas. Tenho fotos ou alguma prova visual? As câmeras de segurança da Bergdorf devem ter nos captado na entrada da loja", disse a jornalista à New York.

Na esteira das eleições presidenciais de 2016, mais de uma dezena de mulheres acusaram Trump de má conduta sexual, alegações que o presidente dos EUA negou. No entanto, enquanto esses casos geralmente envolviam tentativas de assédio e beijos indesejados, Carroll alegou tentativa de estupro.

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade