0

EUA: Trump viola a Constituição ao bloquear gente no Twitter

9 jul 2019
15h33
atualizado às 15h55
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, violou a Constituição ao bloquear pessoas cujas opiniões o desagradaram de sua conta de Twitter, determinou um tribunal federal de apelações nesta terça-feira.

Na decisão por 3 x 0, o Tribunal de Apelações do 2º Circuito de Manhattan disse que a Primeira Emenda proíbe Trump de usar a função "bloquear" do Twitter para limitar o acesso à sua conta, que tem 61,8 milhões de seguidores.

Tuíte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é visto durante inauguração da mostra "Donald J. Trump Presidential Twitter Library", em Washington. 14/6/2019. REUTERS/Carlos Barria
Tuíte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é visto durante inauguração da mostra "Donald J. Trump Presidential Twitter Library", em Washington. 14/6/2019. REUTERS/Carlos Barria
Foto: Reuters

"A Primeira Emenda não permite que uma autoridade pública que usa uma conta de rede social para todo tipo de fins oficiais exclua pessoas de um diálogo, de resto aberto, na rede porque elas expressaram opiniões das quais a autoridade discorda", escreveu o juiz Barrington Parker, citando decisões da Suprema Corte.

"Estamos decepcionados com a decisão da corte e estamos explorando os próximos passos possíveis", disse Kelly Laco, porta-voz do Departamento de Justiça dos EUA. O Twitter quis comentar de imediato.

Trump fez de sua conta @RealDonaldTrump, que abriu em 2009, um elemento central e polêmico de sua presidência, usando-o para divulgar sua agenda e para atacar críticos.

O Instituto Knight da Primeira Emenda da Universidade Columbia contestou seu bloqueio aos críticos, além de sete usuários do Twitter que ele bloqueou.

Veja também

Filha quer tirar palavra 'assassino' da biografia do pai, que matou Euclides da Cunha

 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade