0

Tesouro dos EUA diz que empresas podem ser punidas por pagarem resgate para hackers

1 out 2020
18h15
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A facilitação de pagamentos de resgate pedidos por hackers que enfrentam sanções pode ser ilegal, afirmou o departamento do Tesouro dos Estados Unidos nesta quinta-feira, sinalizando uma iniciativa de combate ao mercado de consultorias que ajudam organizações a pagar criminosos que cometem crimes eletrônicos.

Imagem de homem como rosto escondido é refletida na tela de computador. 8/7/2019.  REUTERS/Ronen Zvulun
Imagem de homem como rosto escondido é refletida na tela de computador. 8/7/2019. REUTERS/Ronen Zvulun
Foto: Reuters

Em um par de avisos, o gabinete de Controle de Ativos Estrangeiros e a Rede de Combate de Crimes Financeiros do Tesouro norte-americano alertaram que os facilitadores podem ser processados mesmo se eles ou as vítimas não souberem que os hackers que estão exigindo resgate de sistemas eletrônicos invadidos estiverem sob sanções dos EUA.

Hackers costumam usar "ransomwares" para codificar dados de computadores invadidos, mantendo as informações da organização como "refém" até que ela os pague para liberar os dados.

"Esta medida muda o jogo", disse Alon Gal, vice-presidente de tecnologia da Hudson Rock, que trabalha para evitar ataques de ransomware.

Antes, as empresas poderiam decidir se pagavam ou não os criminosos, disse ele. Agora que estas decisões precisam ser levadas à supervisão do governo "vamos ver uma abordagem muito mais dura destes incidentes".

A Rede de Combate de Crimes Financeiros do Tesouro dos EUA também alertou que as empresas de cibersegurança poderão precisar se registrar como companhias de serviços financeiros se ajudarem no processo de pagamento dos pedidos de resgate.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade