0

Apresentadora de programa de Haddad sofre ataques e racismo

Mulher que apresentou propagandas do candidato à Presidência na televisão foi atacada por simpatizantes de Jair Bolsonaro

29 out 2018
18h17
atualizado às 18h37
  • separator
  • comentários

A jornalista, publicitária e apresentadora de TV baiana Rita Batista, que apresentou na televisão as propagandas do candidato do PT à Presidência da República durante o segundo turno das eleições 2018, afirma que foi ameaçada nas redes sociais e sofreu racismo em comentários públicos no Instagram e mensagens privadas. Ela denunciou na rede social o crime, praticado por simpatizantes do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Em uma postagem feita no final da tarde do domingo de votação, 28, a apresentadora revelou que os comentários já vinham sendo enviados e que um dossiê foi entregue às autoridades policiais para tomar providências. Ela afirma ainda que o fato foi fruto de articulação de um deputado eleito aliado de Bolsonaro.

Rita Batista
Rita Batista
Foto: Divulgação

No print postado por ela, usuários da rede social usam ofensas como "lixo", "fedorenta", "feia" e "pé de chinelo". Outro, identificado como Julio Morbeck Lee, comentou em uma postagem "este tipo de bosta só podia ser esquerdista". Rita foi procurada pelo Estado, mas não respondeu as mensagens até a conclusão desta reportagem. Na postagem que fez, a apresentadora comentou, contudo, os ataques.

Imagem mostra mensagens enviadas à jornalista 
Imagem mostra mensagens enviadas à jornalista
Foto: Instagram/Reprodução / Estadão Conteúdo

"Engana-se muito quem acha que a internet é uma 'terra sem lei'", escreveu ela. "Discordar, debater, ter opinião contrária é da democracia, ofender, destratar, depreciar é para mim, falta de argumento e para a lei, crime. As ameaças de toda ordem, a mim e aos meus, não me acovardam e os pedidos de desculpas no privado não me comovem. O estado democrático de direito é soberano e continuará sendo", concluiu.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade