1 evento ao vivo

Startup BlaBlaCar vai vender passagens de ônibus no Brasil

Especializada em caronas, empresa francesa quer atender demanda de passageiros que não encontram assentos vazios em carros

28 ago 2019
05h11
atualizado às 09h28
  • separator
  • 0
  • comentários

Conhecida por organizar caronas intermunicipais entre pessoas que não se conhecem, a startup francesa BlaBlaCar pretende começar a vender passagens de ônibus até o final do ano em seu aplicativo. Em troca, receberá uma comissão das empresas brasileiras de transporte de passageiros, com quem a francesa fará parcerias. É mais uma aposta da BlaBlaCar no Brasil, seu terceiro maior mercado no mundo hoje.

A empresa chegou ao País em 2015, conectando motoristas e passageiros que viajam para o mesmo destino, em longas distâncias - os dois dividem custos de gasolina e pedágio, cabendo à BlaBlaCar uma pequena comissão. Mais de cinco milhões de brasileiros já viajaram por esse modelo, mas que tem uma falha.

A startup francesa BlaBlaCar pretende começar a vender passagens de ônibus até o final do ano em seu aplicativo
A startup francesa BlaBlaCar pretende começar a vender passagens de ônibus até o final do ano em seu aplicativo
Foto: Divulgação

Hoje, em sua base de usuários, há muito mais passageiros procurando por um assento vazio do que motoristas oferecendo carona. "Com os ônibus, poderemos realizar nosso objetivo, que é acabar com os assentos vazios", diz Ricardo Leite, diretor da francesa no País, em entrevista ao Estado. Segundo o executivo, "o ônibus é eficiente para conectar grandes distâncias, enquanto a carona acaba sendo mais conveniente para trajetos menores."

A BlaBlaCar já recebeu US$ 448,5 milhões em investimento. Na Europa, seu serviço está ainda mais avançado: recentemente, a startup comprou uma empresa de ônibus francesa para oferecer seu transporte próprio, o BlaBlaBus, que este ano começou a transportar passageiros europeus por preços acessíveis. Por enquanto, não há planos de trazer esse serviço ao Brasil.

*É estagiária, sob supervisão do editor Bruno Capelas

Veja também

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade